A Regulamentação do Futebol Profissional Belo-Horizontino: Luta Política e Significados Sociais

Marcus Vinicius Costa Lage, Regina de Paula Medeiros

Resumo


A transição do status “amador” para o “profissional” atribuído ao jogador de futebol, iniciada em meados de 1920, colaborou para popularizar a prática e o espetáculo deste esporte, que foi considerado durante os primeiros anos do século XX como elemento de distinção social das elites urbanas brasileiras. A regulamentação do futebol profissional brasileiro, e mais precisamente belo-horizontino, promovida pelas principais agremiações esportivas no ano de 1933, é considerado momento central para se problematizar tal transformação, uma vez que a nova orientação ressignificou socialmente a prática e o consumo dessa modalidade esportiva. Nesse artigo discutimos o contexto das políticas sociais do Governo Vargas (1930-1945) estabelecendo relações com o movimento de profissionalização do futebol a partir de documentos textuais pesquisados. Ainda com base nessa pesquisa documental, e também utilizando de entrevistas abertas e em profundidade com atores sociais do “campo futebolístico” belo-horizontino, caracterizamos a oferta e a demanda da prática e do consumo do futebol a partir da consolidação do produto “jogo de futebol”, bem como dos debates e das disputas políticas dos dirigentes dos principais clubes de futebol junto à entidade de gestão desse esporte na capital mineira. Com base nas análises empreendidas, defendemos que o arcabouço institucional trabalhista criado por Vargas estimulou a discussão pelo reconhecimento e regulamentação profissional no país, uma vez que as relações existentes entre clubes, atletas e espectadores já caracterizavam o futebol como uma indústria do entretenimento desde meados dos anos 1920, sendo os jogadores, profissionais de fato, não sendo reconhecidos e regulamentados.

DOI: 10.5585/podium.v1i1.18


Palavras-chave


“Amadorismo Marrom”; Futebol; Profissionalismo; “Rivalidades Clubísticas”; Trabalhismo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v1i1.18

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review



PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

e-ISSN: 2316-932X
PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review ©2020 Todos os direitos reservados.