Personalização, consumo e transtornos ambientais

Augusto Antônio Fontanive Leal

Resumo


O presente artigo busca realizar uma análise sobre as relações de consumo no cenário de uma sociedade individualizada pós-moderna e seus impactos no ambiente. A pesquisa será realizada por meio: (a) da contextualização da característica social que possibilita aos indivíduos a busca por sua autonomia pela personalização; (b) do estudo do consumo em uma sociedade pós-moderna dotada de flexibilidade no âmbito das relações entre indivíduo e Estado; (c) da constatação dos impactos na crise ambiental a partir das relações de consumo anteriormente estudadas. Com isso, revela-se como objetivo deste artigo analisar a correlação entre a busca do indivíduo por personalização na indução para o consumo e a crise ambiental. A conclusão aponta para o fato de que as desregradas relações de consumo acabam dispondo da natureza como um mero estoque de recursos naturais, desconsiderando-a como um todo. A pesquisa será qualitativa amparada pelo método hermenêutico com uso de pesquisa bibliográfica e documental.

 


Palavras-chave


personalização; relações de consumo; meio ambiente; crise ambiental.

Texto completo:

pdf

Referências


ARISTÓTELES. A política. Tradução de Nestor Silveira Chaves. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

AZEVEDO, Plauto Faraco de. Ecocivilização: ambiente e direito no limiar da vida. 2 ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Em busca da política. Tradução de Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

BOBBIO, Norberto. Teoria geral da política: a filosofia política e as lições dos clássicos. Tradução de Daniela Beccaccia Versiani. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000

.

CALGARO, Cleide. Desenvolvimento sustentável e consumo: a busca do equilíbrio entre o homem e o meio ambiente. In: PEREIRA, Agostinho Oli Koppe; HORN, Luiz Fernando Del Rio. Relações de consumo: meio ambiente. Caxias do Sul: Educs, 2009.

CAMPBELL, Colin. Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. Tradução de Niza Neves Cheroto. In: BARBOSA, Lívia; CAMPBELL, Colin. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 2006.

CARNOY, Martin. Estado e teoria política. Campinas: Papirus, 1988.

DIAS, Reinaldo. Ciência política. São Paulo: Atlas, 2008.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Organizado por Michael Schröter. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1994.

FREITAS, Juarez. Sustentabilidade: direito ao futuro. Belo Horizonte: Fórum, 2011.

FUKUYAMA, Francis. As origens da ordem política: dos tempos pré-humanos até a Revolução Francesa. Tradução de Nivaldo Montigelli Jr. Rio de Janeiro: Rocco, 2013.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

Globalização: as consequências humanas. Tradução de Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999.

LEFF, Enrique. Epistemologia ambiental. Tradução de Sandra Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2010.

LENZI, Cristiano Luis. Sociologia ambiental: risco e sustentabilidade na modernidade. Bauru: Edusc, 2006.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Tradução de Therezinha Monteiro Deutsch. Barueri: Manole, 2005.

OST, François. A natureza à margem da lei. Tradução de Joana Chaves. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

PEREIRA, Agostinho Oli Koppe; PEREIRA, Henrique Mioranza Koppe; PEREIRA, Mariana Mioranza Koppe. Hiperconsumo e a ética ambiental. In: PEREIRA, Agostinho Oli Koppe; HORN, Luiz Fernando Del Rio. Relações de consumo: meio ambiente. Caxias do Sul: Educs, 2009.

PEREIRA; Agostinho Oli Koppe; CALGARO, Cleide. A modernidade e o hiperconsumo: políticas públicas para um consumo ambientalmente sustentável. In: PEREIRA; Agostinho Oli Koppe; HORN, Luiz Fernando Del Rio. Relações de consumo: políticas públicas. Caxias do Sul: Plenum, 2015.

RETONDAR, Anderson Mobeus. Sociedade de consumo, modernidade e globalização. São Paulo; Annablume; Campina Grande: EDUFCG, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. V. 1. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

TAVARES, Fred; IRVING, Marta de Azevedo. Natureza S/A? O consumo verde na lógica do Ecopoder. São Carlos: RiMa Editora, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v18n2.10319

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Prisma Jurídico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Prísma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Prísma Jurídico ©2020 Todos os direitos reservados.