Estudo sobre gênero e raça: mobilidade no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

Renata Miranda Lima, Luciana de Toledo Temer Lulia

Resumo


Esta pesquisa busca compreender como se materializa o Direito à Igualdade, tendo como fundamento raça e gênero no campo de estudo TJ-SP entre o período de 1997 a 2017. Para tanto, a metodologia empregada, utiliza pesquisa bibliográfica e documental, estudo de caso no TJSP e análise estatística por meio de dados do Conselho Nacional de Justiça - CNJ e –TJ-SP. Tem-se com resultado do estudo que, a mulher, em especial a mulher negra, experienciam barreiras históricas refletidas na Constituição que se caracterizam como resquício mantenedor de desigualdades na concretização da mobilidade a cargos de poder. Nesta toada, o estudo permite considerar que é necessário um olhar atento ao Direito à Igualdade para que este não seja visto meramente a partir das lentes da igualdade formal, mas sim material. Portanto, é imprescindível a criação de políticas públicas desenhadas e implementadas tendo como protagonistas o segmento social a qual se dirige estas políticas.

Palavras-chave


Direito à igualdade; Espaços de poder; Gênero; Raça; Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

Texto completo:

PDF

Referências


AMAERJ – Associação de magistrados. 1° Encontro nacional de juízes e juízas negras, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: . Acessado em 08/09/2017.

ANDRADE, Tânia. Mulheres no mercado de trabalho: onde nasce a desigualdade? Estudo técnico para consulta Legislativa realizada pela V área de Direito do Trabalho e Processual do Trabalho, 2016, p 72. Disponível em: . Acessado em 01/11/2017.

AZEVEDO, Janaina. Negros no Mundo. Laboratório de demografia e estudos populacionais da universidade Juiz de Fora, 2010. Disponível em: . Acessado em 02/11/2017.

BOBBIO. Norberto. A era dos Direitos. tradução Carlos Nelson Coutinho - Nova edição Editora Elsevier. Rio de Janeiro, 2004, p. 97.

BOIGEOL, Anne. Las mujeres y la corte. La difícil implementación de la igualdad de sexos en el acceso a la magistratura. Revista sobre Enseñanza del Derecho de Buenos Aires, Año 3, número 6, 2005, p. 03-25.

BOIGEOL, Anne. Feminisation of the French Magistrature, between Parity and Disparities. Conferência realizada a 18.06.2013, na Assembleia da República de Lisboa - Portugal, no âmbito da sessão “As mulheres nas profissões jurídicas: experiências europeias” do Colóquio “As mulheres nas magistraturas: percursos e desafios”. 2013. Disponível em: . Acessado em 01/10/2017.

BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral – TSE. Mulheres representam 52% do eleitorado brasileiro. Disponível em: . Acessado em 24/03/2018).

BRASIL. Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Quadro geral de advogados. Disponível em: . Acessado em 24/03/2018).

BRASIL. Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Memorial galeria de presidentes. Disponível em:< http://www.oabsp.org.br/portaldamemoria/galeria-de-presidentes>. Acessado em 24/03/2018.

BRASIL. Censo do poder judiciário: VIDE: Vetores iniciais e dados estatísticos. Conselho Nacional de Justiça - CNJ – Brasília, 2014, p. 212. Disponível em: < http://www.cnj.jus.br/images/dpj/CensoJudiciario.final.pdf>. Acessado em 05/11/2017.

BRASIL. Decreto n° 21.076 de 24 de fevereiro 1932. Código Eleitoral. Disponível em: . Acessado em 23/10/2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 / CRFB. DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: . Acesso em 23/06/2017.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, censo demográfico - sistema nacional de informação. Total de pessoas brancas entre 18 e 24 anos de idade que frequentam o ensino superior. Disponível em: . Acessado em 20/07/2017.

BRASIL. Secretária de Combate ao Racismo, p.2. Disponível em: < https://cut.org.br/system/uploads/action_file_version/1fcd516c53da22deaee03e41c795da50/file/dados-20-20-20-20-20-20-20populacao-20negra-20no-20brasil-20-20populacao.pdf >. Acessado em 10/11/2017.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o Feminismo: a Situação da Mulher Negra na América Latina a partir de uma perspectiva de Gênero, 2011, p. 5. Disponível em: < https://www.geledes.org.br/enegrecer-o-feminismo-situacao-da-mulher-negra-na-america-latina-partir-de-uma-perspectiva-de-genero/ >. Acessado em 20/10/2017.

CRENSHAW, Kimberlé W. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, 10 (1): 171-188, 2002. Disponível em: . Acessado em 24/03/2018.

DE BEAUVOIR. Simone. O segundo sexo. Difusão Europeia do Livro, São Paulo. 4° Edição, 1970, p. 309.

MELO, Mônica de. A Participação da Mulher na Magistratura Brasileira. Revista Jurídica Virtual - Brasília, vol. 6, n. 70, mar. 2005. Disponível em: . Acessado em 19/10/2017.

MOREIRA, Adilson José. O que é discriminação? – Belo Horizonte (MG): Letramento: Casa do Direito: Justificando, 2017, p. 198.

PINTO, Célia Regina Jardim. Feminismo, história e poder. Revista Social e Política. vol.18 no.36 Curitiba June 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782010000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt >. Acessado em 01/07/2018

RIBEIRO, Djamila. Ser contra cotas raciais é concordar com a perpetuação do racismo, 2015. Disponível em: . Acessado em 11/09/2017.

SÃO PAULO. Censo do Poder Judiciário: Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, magistrados. Conselho Nacional de Justiça – CNJ, 2013, p. 18. Disponível em: < http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2017/07/0dc09a2d5e63f6bf0d83ea9aeaa82853.pdf>. Acessado em 20/11/2017.

SÃO PAULO. Decreto n° 7.247 de 19 de abril de 1879. Reforma o ensino primário e secundário no municipio da corte e o superior em todo imperio. 1879. Disponível em: . Acessado em 23/10/2017

SÃO PAULO. Fundação do Sistema de Análise de Dados - SEADE. A maior população negra do país, 2017. Disponível em: . Acessado em 10/08/2017.

SÃO PAULO. Lei 9.351/96. Dispõe sobre o concurso de ingresso na Magistratura da Justiça Comum do Estado de São Paulo. 1996. Disponível em: . Acessado em 10/10/2017.

SÃO PAULO. Regulamento de 22 de Agosto de 1887 da província do Estado de São Paulo. Regulamento para instrucção publica Provincial 1887. Disponível em: < http://www.usp.br/niephe/bancos/legis_detalhe.asp?blg_id=205>. Acessado em 23/10/2017.

SÃO PAULO. Serviço de Informação ao Cidadão – Sic/TJSP, 2017. Disponível em: . Acessa em 02/12/2017

SÃO PAULO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo – TJ/SP. Quem somos? 2019. Disponível em: . Acessado em 07/11/2019.

SÃO PAULO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Galeria de Ex-Presidentes do Tribunal de Justiça de São Paulo - 1874 a 2015.. Disponível em: < http://www.tjsp.jus.br/QuemSomos/ExPresidentes>. Acessado em 10/11/2017.

SÃO PAULO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. O Tribunal de Justiça de São Paulo e seus Desembargadores, 2017. Disponível em: . Acessado em 05/11/2017.

SÃO PAULO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo – TJSP, 2017. Quem somos. Disponível em: Acessado em 23/10/2018.

SÃO PAULO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo – TJSP. Notícias: Raio-x da representatividade da mulher na Justiça paulista , 2019. Disponível em: < http://www.tjsp.jus.br/Noticias/Noticia?codigoNoticia=55993&pagina=1>. Acessado em 08/03/2019.

SILVA, Kalina Vanderlei; SILVA, Maciel Henrique. Dicionário de Conceitos Históricos. Editora Contexto – 2.ed, 2ª reimpressão. São Paulo, 2009, p. 439. Disponível em: . Acessado em 29/11/2017.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação & Realidade, v.l, n.2, jul./dez. 1990, traduzido da versão em francês. Disponível em: < http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667 >. Acessado em 05/07/2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v19n1.14254

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Prisma Juridico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Prísma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Prísma Jurídico ©2020 Todos os direitos reservados.