Kant ou uma filosofia da contenção

Alfredo Attié Júnior

Resumo


A partir de uma crítica e de um modo de abordagem originais, o autor procura demonstrar que a filosofia de Kant é uma filosofia de contenção social, política e epistemológica. Ao buscar estabelecer a prevalência do sujeito e de sua particular e restritiva capacidade, a razão, nas relações sociais e de conhecimento, Kant não apenas interpretou de modo equivocado a ciência de seu tempo, como também apontou um caminho estreito para o desenvolvimento científico, filosófico e político, o qual, se viesse a ser seguido, travaria qualquer possibilidade de avanço em tais espaços de saber e de ação. O desenvolvimento científico e filosófico posterior infirmou a hipótese kantiana. Entretanto, no direito e na história, a influência kantiana acabou por encobrir a expressão da liberdade. Ao proceder a tal crítica, o autor debate com toda uma tradição e projeta novo percurso, em especial para o direito.

Palavras-chave


Filosofia kantiana do direito: crítica. Filosofia kantiana da história: crítica. Filosofia política e liberdade. Liberdade e direito.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v3i0.562

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Prísma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Prísma Jurídico ©2020 Todos os direitos reservados.