POSSIBILIDADES E DESAFIOS PARA UMA (CIBER)DEMOCRACIA MUNDIAL

Fernando Hoffmam

Resumo


O presente artigo tem como escopo a partir da ligação entre os processos de internacionalização do direito, de constituição de uma sociedade civil mundial e de uma cidadania comum, determinar a construção de uma (ciber)democracia comum-mundial. Para tanto, compõe-se essa possibilidade tendo como ponto de partida o surgimento do comum enquanto subjetividade cooperativa e solidária, fundamentada na garantia e concretização dos direitos humanos e fundamentais enquanto direitos da humanidade.

ont-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;}

Mestre e Doutorando em Direito Público pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS); Bolsista PROEX/CAPES; Membro do Grupo de Pesquisa Estado e Constituição e da Rede Interinstitucional de Pesquisa Estado e Constituição, vinculado à UNISINOS e ao CNPQ; Professor Titular do Curso de Direito da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI/ Câmpus Santiago); Membro do Grupo de Pesquisa Direito, Justiça e Cidadania, vinculado à URI e ao CNPQ; Especialista em Direito: Temas Emergentes em Novas Tecnologias da Informação e Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA).


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v15n1.6266

Direitos autorais



Prisma Jurídico
ISSN da versão impressa: 1677-4760
ISSN da versão eletronica: 1983-9286
revistaprisma.org.br