AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E SUAS TRIBOS

Gazy Andraus, Valéria Aparecida Bari, Roberto Elísio dos Santos, Waldomiro Vergueiro

Resumo


Ao alcançar seu maior desenvolvimento sob o influxo da indústria de comunicação de massa, sobretudo a norteamericana, as histórias em quadrinhos, principalmente a partir do aparecimento das revistas periódicas – os comic books ou gibis, como são conhecidos no Brasil –, foram tradicionalmente encaradas como um produto voltado ao público infanto-juvenil. Para a sociedade em geral, os quadrinhos são direcionados à população infantil, veiculando mensagens que devem adequar-se às características dessa clientela [quando, por um motivo ou outro, fugiram disso, ocorreram reações por parte da sociedade, visando colocá-los novamente nos devidos trilhos...]. Mesmo hoje, com um século de disseminação global das histórias em quadrinhos, grande parte da sociedade, inclusive no âmbito acadêmico, ainda os vê dessa forma.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/remark.v2i1.67

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Marketing



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

REMark – Rev. Bras. Mark.
ISSN da versão online: 2177-5184
www.revistabrasileiramarketing.org