Ter para “Pertenser”: O Consumo de Novas Mídias e a Projeção da Identidade na Contemporaneidade

Cíntia Dal Bello

Resumo


Observada a emergência do jovem hi-tech, buscamos investigar a necessidade de consumo de tecnologias de comunicação e informação, relacionando o contexto em que as novas mídias se fazem necessárias e suas implicações no estabelecimento das relações sociais e na percepção do indivíduo sobre si mesmo. Para tanto, procuramos compreender a importância das novas mídias para a experiência do sujeito pós-moderno em uma sociedade globalizada, capitalista, mediatizada e organizada em rede. Nessa sociedade, as novas mídias constituem dispositivos de acesso sem os quais esse jovem não poderia “conectar-se” para “acessar” e estar “acessível”. Assim, o consumo desses dispositivos torna-se necessário na medida em que são pré-condições tecnológicas mínimas para o acesso. Sem ter, como pertencer à grande rede de relações que se estabelecem nos ambientes mediáticos? Sem pertencer, como existir?

Palavras-chave


Consumo. Identidade.Novas mídias.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/remark.v6i2.1191

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Marketing – Remark



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

REMark – Rev. Bras. Mark.
ISSN da versão online: 2177-5184
www.revistabrasileiramarketing.org