Ciberativismo e Comunidades Virtuais: Um Estudo Sobre o Movimento Anti-Globo

Tatiana Maria Bernardo da Silva, Henrique Bauer, Marcio Almeida Assis

Resumo


A Internet tem facilitado as pessoas do mundo inteiro a se comunicar, encontrar pessoas e se reunirem em grupos, tendo como base uma rede ampla de interesses culturais e afiliações sociais. Tais grupos receberam a denominação de comunidades virtuais ou online e são construídos através de interesses sociais e políticos comuns. O presente trabalho trata de uma pesquisa que analisa os comportamentos e as razões de resistência à Globo em comunidades virtuais. Existem centenas dessas no site de relacionamento Orkut. Foram escolhidas e investigadas as cinco comunidades com o maior número de membros. Para cumprir tal objetivo foi escolhida a netnografia como meio de investigação do comportamento dos participantes dessas comunidades, em que dados foram copiados de fóruns das comunidades virtuais, e a partir das observações das interações nas comunidades e da análise do discurso, foram identificados cinco motivos para a resistência à organização e o ciberativismo. DOI: 10.5585/remark.v10i3.2264

Palavras-chave


Ciberativismo; comunidades virtuais; Globo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/remark.v10i3.2264

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Marketing – Remark



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

REMark – Rev. Bras. Mark.
ISSN da versão online: 2177-5184
www.revistabrasileiramarketing.org