O Consumo de Status e suas Relações com o Materialismo: Análise de Antecedentes

Marcia Zampieri Grohmann, Luciana Flores Battistella, Daiane Lindner Radons

Resumo


O estudo apresenta como principal objetivo: identificar a relação do materialismo com antecedente do consumo de status (desdobrado em sociabilidade, consumo de status e funcionalidade). O argumento que serve de base para essa associação é o de que os materialistas tendem a usar o dinheiro para aumentar seu status social (Christopher, Marel & Carrol, 2004). Para medir o materialismo utilizou-se o modelo teórico de Richins (2004) e para mensurar consumo de status foi usada a escala de Eastman, et al (1999). Através de uma pesquisa com 250 estudantes universitários e com a utilização da modelagem de equações estruturais, comprovou-se a robustez do modelo que uniu os dois constructos (RMSEA= 0,055; RMR= 0,085; GFI = 0,916; IFI= 0,922; TLI = 0,903 e CFI= 0,920). Quanto às relações, comprovou-se que o materialismo é antecedente do comportamento social (β=0,195), do consumo de status (β=0,804) e da compra não funcional (β=0,499). Portanto, conclui-se que o comportamento materialista é um forte influenciador do consumo por status. DOI: 10.5585/remark.v11i3.2292

Palavras-chave


Materialismo; Consumo; Status.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/remark.v11i3.2292

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Marketing – Remark



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

REMark – Rev. Bras. Mark.
ISSN da versão online: 2177-5184
www.revistabrasileiramarketing.org