O Papel da Subjetividade na Construção da Identidade Metrossexual

Michele Araujo da Costa Oliveira, André Luiz Maranhão de Souza Leão

Resumo


Cada vez mais a questão da identidade tem sido debatida. As identidades que eram vistas como sólidas e fixas, hoje, com o “sujeito pós-moderno”, começam a se fragmentarem. Fala-se, assim, em identidade cultural, ou seja, o sujeito construído a partir do cultural e do ambiente que ocupa. A questão do gênero é uma dessas construções. Se antes se pensava a identidade de gênero como algo biológico, hoje é observado como construção cultural. Neste aspecto, algumas abordagens sobre gênero focam essa construção da identidade e a sua relação com o consumo, assim, o consumo passa a desempenhar papel central na construção das identidades. Tendo em vista esse novo panorama em relação à identidade observamos que, dentre dessas novas possibilidades de identidade de gênero, surge a identidade metrossexual. O presente estudo teve por objetivo compreender a construção da identidade metrossexual por meio do consumo. Para tal, realizamos entrevistas em profundidade com sujeitos identificados pelo seu comportamento de consumo metrossexual. Uma das conclusões a que chegamos foi a de que esta identidade tem na subjetividade um de seus elementos constituintes. O artigo apresenta e discute como a subjetividade se demonstra como elemento constituinte desta identidade pós-moderna. DOI: 10.5585/remark.v10i1.2210

Palavras-chave


Consumo Metrossexual, Identidades Pós-modernas, Pesquisa Qualitativa.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/remark.v10i1.2210

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Marketing – Remark



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

REMark – Rev. Bras. Mark.
ISSN da versão online: 2177-5184
www.revistabrasileiramarketing.org