Clique aqui! Hipermídia, Compra Compulsiva e Dispositivos Móveis

Janayna Souto Leal, Renata Francisco Baldanza

Resumo


Objetivo do estudo - Analisar como os processos hipermidiáticos, via dispositivos móveis, podem potencializador ou não o comportamento de compra compulsiva.

Metodologia/abordagem – O estudo utilizou procedimentos de natureza qualitativa. Como método de coleta de dados, foi utilizada a observação participante e as entrevistas. Para análise dos dados, empregou-se a técnica de análise de conteúdo, sob as orientações de Bardin (2011).

Relevância/originalidade – Explorar a lacuna teórica da falta de estudos relacionando à hipermídia a compra compulsiva e os dispositivos móveis, além da percepção da vulnerabilidade do comprador (ou potencial) compulsivo diante do incontável número de anúncios e ofertas a que ele está exposto, principalmente com a popularização e ascensão dos dispositivos móveis como facilitadores desse processo.

Principais resultados - Nos resultados encontrados, percebe-se que os processos hipermidiáticos, via dispositivos móveis, podem instigar o comportamento de compra compulsiva de algumas categorias de compradores, sendo elas: normais, recreacionais e intermediários. Diferentemente, os compulsivos clássicos e gastadores viciados se sentem menos compelidos a comprar no ambiente digital quando expostos a tais práticas. 

Contribuições teóricas/metodológicas - Como contribuição, a pesquisa evidencia o indivíduo em uma escala gradativa e categórica no que concerne à compra, baseada nos estudos de Edwards (1993), discutindo uma dimensão menos explorada dos compradores sobre a exploração dos processos hipermidiáticos, com foco no consumo via dispositivos móveis. Nos aspectos metodológicos, procurou-se trazer uma abordagem qualitativa como forma de mostrar um outro tipo de análise das temáticas estudadas.


Palavras-chave


Hipermídia; Compra Compulsiva; Dispositivos Móveis

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu Neto, A. (2014). Fatores influenciadores do comportamento de compra por impulso presentes nas redes sociais digitais. 2014. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração) – Universidade Potiguar, Natal.

Abyad, A. (2011). Consumer trust in e-commerce. Middle East Journal of Business, v. 6, n. 3, p. 1–11.

Alvarez, E. B., Siriani, A. L. R., Vidotti, S. A. B. G. & Carvalho, A. M. G. (2016). Os sistemas de recomendação, arquitetura da informação e a encontrabilidade da informação. TransInformação, Campinas, v. 28, n. 3, p. 275-286.

Azevedo, M. T. (2016). O. Audiovisual e história em construção para o

fundamental: uma experiência de realização. Educação Básica Revista, v. 2, n. 2, p. 49-68.

Bairon, S. (2011). O que é hipermídia. São Paulo: Brasiliense.

Bairon, S. & Petry, L. C. (2000). Hipermídia. São Paulo: EDUCS/Mackenzie.

Baker, A; Mathur, A,; Fatt, C. K.; Moschis, G. P. & Rigdon, E. E. (2013). Using the life course paradigm

to explain mechanisms that link family disruptions to compulsive buying. The Journal of Consumer Affairs, v. 47, n.2, p. 263–288.

Baldanza, R. F. (2013). Telefones celulares e redes sociais: uso, apropriações e suporte ao capital social. 2013. 263f. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas) — Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Rio de Janeiro: Edições 70.

Bariani, B. B. (2013). A importância da hipermídia como experiência estética na produção do conhecimento. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) ― Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Bauer, M. W.; Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Burns, A. T.; Acar, W.; Datta, P. (2011). A qualitative exploration of entrepreneurial knowledge transfers. Journal of Knowledge Management, Bingley/UK , v. 15, n. 2, p. 270-298, 2011.

Chamie, B. C., Ikeda, A. A. (2015). O valor para o cliente no varejo. Brazilian Business Review, v. 12, n. 2, p. 49 – 69, mar./abr.

Costa, S. A. (2016) In: Publicidade e sociedade de consumo. In: BEZERRA, B.B. (Org.). Publicidade e consumo: entretenimento, infância e mídias sociais. Recife: Editora UFPE.

Costa, F. C. X.; Larán, J. A. (2006). Influências do ambiente de loja e o comportamento de compra por impulso: a visão dos clientes de lojas virtuais. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 96-106, jan./mar.

Covaleski, R. (2015). Cinema e publicidade. Rio de Janeiro: Confraria do Vento.

Darrat, A. A.; Darrat, M. A. & Amyx, D. (2016). How impulsive buying influences compulsive buying: the central role of consumer anxiety and escapism. Journal of Retailing and Consumer Services, v. 31, p. 103-108.

Dawson, S.; Kim, M. (2009). External and internal trigger cues of impulse buying online. Direct Marketing: An International Journal, v. 3, n. 1, p. 20-34.

Donnelly, G., Ksendzova, M. & Howell, R. T. (2013). Sadness, identity, and plastic in over-shopping: The interplay of materialism, poor credit management, and emotional buying motives in predicting compulsive buying. Journal of Economic Psychology, v. 39, p. 113-125.

Edwards, E. (1993). Development of a new scale for measuring compulsive buying behavior. Financial Counseling and Planning, v. 4, p. 67-84.

Faber. R. J. & O’Guinn, T C. (1992). A clinical screener for compulsive buying. Journal of Consumer Research, v. 19, p. 459-469, Dec.

Ferrari, P. (2014). Hipertexto hipermídia. 2. ed. São Paulo: Contexto, p. 79-90.

Glaser, B. G. & Strauss, A. L. (2007). The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. Chicago: Aldine Publishing Company.

Grougiou, V.; Moschis, G. & Kapoutsis, I. (2015). Compulsive buying: the role of earlier-in-life events and experiences. Journal of Consumer Marketing, v. 32, n. 4, p. 278–289.

Guerra, D. S., Peñaloza, V., Quezado, I. & Araújo, M. M. (2017). Análise das relações entre traços de personalidade, compra impulsiva e compra compulsiva. Consumer Behavior Review, v. 1, n. 1, p. 24-37.

Izquiero-yusta, A. & Schultz, R.J. (2011). Understanding the effect of internet convenience on intention to purchase via the internet. Journal of Marketing Development and Competitiveness, v. 5, n. 4, p. 32-50.

Jenkins, H. (2009). Cultura da convergência. São Paulo: Aleph.

Kirk, J.; Miller, M. L. (1986). Reliability and validity in qualitative research. Thousand. Oaks: Sage Publications.

Krych R. (1989). Abnormal consumer-behavior-a model of addictive behaviors. Advances in Consumer Research, v. 16, p. 745-748.

Kukar-Kinney, M. & Ridgway, N. M., Monroe, K. B. (2012). The role of price in the behavior and purchase decisions of compulsive buyers. Journal of Retailing, v. 88, n. 1, p. 63–71.

Landow, G. P. Hipertexto. (1995). Barcelona: Paidós.

Leão, L. (2005). O labirinto da hipermídia. São Paulo: Fapesp.

Lemos, A. (2003) Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. In: Lemos, A.; Cunha, P. (Org.). Olhares sobre a cibercultura. Porto Alegre: Sulina, p. 11-23.

Lipovetsky, G., Sébastien, C. (2004). Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla.

Liu, Y.; Sutanto, J. (2012). Buyers’ purchasing time and herd behavior on deal-of-the-day group-buying websites. Electronic Markets, v. 22, n. 2, p. 83-93.

Lu, Y. & Rastrick, K. (2014). Impacts of website design on the adoption intention of mobile commerce: gender as a moderator. New Zealand Journal of Applied Business Research, v. 12, n. 2, p. 51–64.

Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de marketing. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

McElroy, S. L., Keck Jr., P. E., Pope Jr., H. G., Smith, J. M. & Strakowski, S. M. (1994). Compulsive buying: a report of 20 cases. Journal of Clinical Psychiatry, v. 55, n. 6, p. 242-248.

Merriam, S.B. (2009). Qualitative research. San Francisco: Jossey-Bass.

Morales, C. P. (2011). Pistas hipermodernas para alterações da mensagem publicitária contemporânea. In: PEDROSO, D.; COUTINHO, L.; SANTI, V. (Orgs.). Comunicação midiática. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 182-197.

Mueller, A. Mitchell, J. E., Crosby, R. D., Gefeller, O., Faber, R. J., Martin, A., Bleich, S., Glaesmer, H., Exner, C. & Zwaan, M. (2010). Estimated prevalence of compulsive buying in Germany and its association with sociodemographic characteristics and depressive symptoms. Psychiatry Research, v. 180, n. 2, p. 137-142.

O'guinn, T.C. & Faber, R.J. (1989). Compulsive buying: a phenomenological exploration. Journal of Consumer Research, v. 16, n. 2, p. 147-157.

Prado, M. (2011). Webjornalismo. Rio de Janeiro: LTC.

Prentice, C. & Cotte, J. (2015). Multiple Ps’ effects on gambling, drinking and smoking: advancing theory and evidence. Journal of Business Research, v. 68, n. 10, p. 2045-2048, Oct.

Richins, M. L. (2004). The material values scale: measurement properties and development of a short form. Journal of Consumer Research, v. 31, n. 1, p. 209–219.

Roberts, J. A., Manolis, C. & Pullig, C. (2014). Contingent self-esteem, self- -presentational concerns, and compulsive buying. Psychology & Marketing, v. 31, n. 2, p. 147–160.

Rook, D. (1987). The buying impulse. Journal of Consumer Research, v. 14, p. 189-199.

Rook, D. & Hoch, S. (1985). Consuming impulses. In: HIRSCHMAN, E.; HOLBROOK, M. (Eds.). Advances in consumer research. Provo: Association Consumer Research, p. 23- 27.

Sá, R. P. (2016). Os princípios de design da informação e sua aplicação em projetos de websites de jornais: estudo de caso do website do jornal O Globo. 2016. 194 f. Dissertação (Mestrado em Design) ― Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Sakarya, S. & Soyer, N. (2013). Cultural differences in online shopping behavior. International Journal of Electronic Commerce Studies, v. 4, n. 2, p. 213–220.

Santaella, L. (2014). O leitor ubíquo e as suas consequências para a educação. In: TORRES, P. L. (Org.). Complexidade. Curitiba: SENAR – PR.

Schuster, M. da S.; Dias, V. da V.; Battistella, L. F. (2016). Validação e investigação da relação entre comportamento compulsivo de compra e consumismo. Revista de Administração Faces Journal, v. 15, n. 3, p. 50-68, jul./set.

Siqueira, L. D., Castro, A. D. M., Carvalho, J & Farina, M. C. (2012). A impulsividade nas compras pela internet. Revista Eletrônica Estratégia e Negócios, Florianópolis, v. 5, n.1, p. 253- 279, jan./abr.

Solomon, M. R. (2016). O comportamento do consumidor. 11. ed. São Paulo: Bookman.

Soraggi, C. O que motiva a compra compulsiva? Namu, 19 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2016.

Souza, D. E. S. (2017). Consumo via dispositivos móveis: um estudo sobre a aceitação dos consumidores para com o mobile commerce à luz da teoria do valor percebido. 2017. 92f. Dissertação (Mestrado Administração) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

Torres, C. (2012). Marketing digital: como influenciar o consumidor no meio virtual. GVexecutivo, v. 11, n. 2, p. 58-61.

Ullman, L. & Krasner, L. (1969). A psychological approach to abnormal behavior. Englewoods Cliffs, N. J.: Prentice Hall.

Valence, G.; D’astous, A. & Fortier, L. (1988). Compulsive buying: concept and measurement. Journal of Consumer Policy, v. 11, n. 4, p. 419-433.

Vergara, S. C. & Caldas, M. P. (2005). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Woodruffe, H. (1997). Compensatory consumption: why women go shopping when they’re fed up and other stories. Marketing Inteligence & Planning, v. 15, n. 7, p. 325-334.

Woodruffe-Button, H., Eccles, S. & Elliott, R. (2002). Towards a theory of shopping: a holistic framework. Journal of Consumer Behaviour, v. 1, n. 3, p. 256-266, Feb.




DOI: https://doi.org/10.5585/remark.v19i1.17138

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Brasileira de Marketing

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de Marketing – ReMark

e-ISSN: 2177-5184
https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=remark&page=index

Rev. Bras. Mark. - ReMark ©2020 Todos os direitos reservados.