Por dentro do copinho: consumo simbólico e identitário das consumidoras de coletor menstrual

Fernanda de Aguiar Zanola, Ana Cristina Ferreira, Luiz Guilherme Rodrigues Antunes, Lucas Rocha Vieira, Luiz Henrique de Barros Vilas Boas

Resumo


Objetivo: Buscou-se compreender como o item de higiene íntima coletor menstrual se relaciona com a construção da identidade das consumidoras.


Método: Este trabalho é qualitativo, exploratório, e foi utilizado o método focus group, em dois momentos distintos, com quinze mulheres que possuíam idade, escolaridade e estado civil diversos. A análise de conteúdo foi usada para interpretação dos dados.


Originalidade/Relevância: Este estudo se refere a como funciona o consumo do coletor menstrual no contexto contemporâneo e como as mudanças no consumo reforçaram a necessidade de contestação política, social e econômica.


Resultados: O consumo do coletor menstrual vai além da busca por componentes racionais. A obtenção deste produto está relacionada a símbolos associados a preocupações ambientais, aspectos relacionados a saúde, autoconhecimento e autonomia. Além disso, este item é capaz de comunicar a identidade e transformar a realidade das consumidoras no contexto investigado.


Contribuições teóricas/metodológicas: Este artigo supre as lacunas sobre como funciona o consumo do coletor menstrual e como este consumo transforma velhas identidades, de modo que proporciona aos atores sociais estudados o discernimento sobre aspectos capazes de transformar a sociedade contemporânea.


Contribuições sociais/para a gestão: Este estudo aponta que o uso do coletor menstrual auxiliou na ruptura de padrões limitantes que circundam as relações sociais e comportamentais das mulheres participantes do estudo. Ademais, as empresas que atuam em segmentos similares podem fomentar seu mercado de atuação, a partir da construção de novas consciências mercadológicas relativas a sustentabilidade, a saúde e promoção da autonomia das consumidoras.


Palavras-chave


Consumo; Mulheres; Coletor menstrual; Identidade

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Almeida, S. R. G. (2002). Gênero, identidade, diferença. Aletria: Revista de Estudos de Literatura, 9, 90-97.

Amaral, N. B., & Loken, B. (2016). Viewing usage of counterfeit luxury goods: Social identity and social hierarchy effects on dilution and enhancement of genuine luxury brands. Journal of Consumer Psychology, 26(4), 483-495.

Arnould, E. J., & Thompson, C. J. (2005). Consumer culture theory (CCT): Twenty years of research. Journal of consumer research, 31(4), 868-882.

Barbosa, L., & Campbell, C. (2006). Cultura, consumo e identidade. FGV Editora.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo 4ªed. Lisboa: Edições, 70.

Belk, R. W. (1988). Possessions and the extended self. Journal of consumer research, 15(2), 139-168.

Bihagen, E., & Katz-Gerro, T. (2000). Culture consumption in Sweden: The stability of gender differences. Poetics, 27(5-6), 327-349.

Borlina Filho, V. (2012). Cidades de médio porte são as que mais crescem, aponta IBGE. Folha de São Paulo. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2018.

Braidotti, R. (2003). Becoming woman: Or sexual difference revisited. Theory, Culture & Society, 20(3), 43-64.

Bristor, J. M., & Fischer, E. (1993). Feminist thought: Implications for consumer research. Journal of consumer research, 19(4), 518-536.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Editora Record.

Cairns, K., Johnston, J., & MacKendrick, N. (2013). Feeding the ‘organic child’: Mothering through ethical consumption. Journal of Consumer Culture, 13(2), 97-118.

Çevirme, A. S., Çevirme, H., Karaoğlu, L., Uğurlu, N., & Korkmaz, Y. (2010). The perception of menarche and menstruation among Turkish married women: Attitudes, experiences, and behaviors. Social Behavior and Personality: an international journal, 38(3), 381-393.

Chidid, I. R., & Leão, A. L. M. S. (2011). Atividades de consumo como recursos da construção da identidade pré-adolescente em interações verbais. Revista Organizações em Contexto, 7(13), 59-83.

Farage, M. A. (2006). A behind‐the‐scenes look at the safety assessment of feminine hygiene pads. Annals of the New York Academy of Sciences, 1092(1), 66-77.

García, M. C. D., & Welter, F. (2013). Gender identities and practices: Interpreting women entrepreneurs’ narratives. International Small Business Journal, 31(4), 384-404.

Geertz, C. (1981). A Interpretação das Culturas. São Paulo: Editora LTC.

Gonçalves, R. R. (2009). Identidade, consumo e sociabilidade: implicações éticas. Estudos e pesquisas em Psicologia, 9(1), 0-0.

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. TupyKurumin.

Hearn, J., & Hein, W. (2015). Reframing gender and feminist knowledge construction in marketing and consumer research: missing feminisms and the case of men and masculinities. Journal of Marketing Management, 31(15-16), 1626-1651.

Howard, C., Rose, C. L., Trouton, K., Stamm, H., Marentette, D., Kirkpatrick, N., Karalic, S., Fernandez, R., & Paget, J. (2011). FLOW (finding lasting options for women): Multicentre randomized controlled trial comparing tampons with menstrual cups. Canadian Family Physician, 57(6), e208-e215.

Katz-Gerro, T. (2004). Cultural consumption research: review of methodology, theory, and consequence. International Review of Sociology, 14(1), 11-29.

Liswood, R. (1959). Internal menstrual protection: Use of a safe and sanitary menstrual cup. Obstetrics & Gynecology, 13(5), 539-543.

Marcon, F. A., Marcon, G. A., & Rocha, R. A. da. (2017). Marketing Crítico e Ideologia Feminista na Pós-Modernidade. Anais... SEMEAD.

Mariano, S. A. (2005). The subject of feminism and post-structuralism. Revista Estudos Feministas, 13(3), 483-505.

McCracken, G. (2007). Cultura e consumo: uma explicação teórica da estrutura e do movimento do significado cultural dos bens de consumo. Revista de Administração de Empresas, 47(1), 99-115.

North, B. B., & Oldham, M. J. (2011). Preclinical, clinical, and over-the-counter postmarketing experience with a new vaginal cup: menstrual collection. Journal of Women's Health, 20(2), 303-311.

Oliveira, J. S. (2011). Representações das relações entre cultura, consumo e etnia: as representações culturais das mulheres negras no mercado consumidor brasileiro. Revista de Administração, 9(2), 108-130.

Oliveira, M., & Freitas, H. (2006). Focus group: instrumentalizando o seu planejamento. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 325-346.

Patterson, C. E., & Hogg, M. K. (2004). Gender identity, gender salience and symbolic consumption. ACR Gender and Consumer Behavior.

Pena, E. F. (1962). Menstrual protection. Advantages of the menstrual cup. Obstet Gynecol, 19(5), 684-687.

Sardenberg, C. M. (1994). De sangrias, tabus e poderes: a menstruação numa perspectiva sócio-antropológica. Estudos feministas, 314-344.

Schiffman, L.G., & Kanuk, L. L. (2000). Comportamento do Consumidor. 6.ed. Porto Alegre: LTC. p. 59-80.

Segal, B., & Podoshen, J. S. (2013). An examination of materialism, conspicuous consumption and gender differences. International Journal of Consumer Studies, 37(2), 189-198.

Silva, I. S., Veloso, A. L., & Keating, J. B. (2014). Focus group: Considerações teóricas e metodológicas. Revista Lusófona de Educação, (26), 175-190.

Souza, T. M. (2017). Perspectivas sobre a menstruação: análise das representações na publicidade e na militância feminista online. CSOnline - Revista Eletrônica de Ciências Sociais, (23), 295-314.

Stewart, K., Powell, M., & Greer, R. (2009). An alternative to conventional sanitary protection: would women use a menstrual cup?. Journal of Obstetrics and Gynaecology, 29(1), 49-52.

Walther, L., & Schouten, J. W. (2016). Next stop, Pleasure Town: Identity transformation and women's erotic consumption. Journal of Business Research, 69(1), 273-283.




DOI: https://doi.org/10.5585/remark.v19i2.17774

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Brasileira de Marketing

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de Marketing – ReMark

e-ISSN: 2177-5184
https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=remark&page=index

Rev. Bras. Mark. - ReMark ©2020 Todos os direitos reservados.