Racismo: Uma Questão de Saúde Pública e de Gestão na Perspectiva de Gênero

Claudia Aparecida Avelar Ferreira

Resumo


As iniquidades em saúde estão associadas as demandas socioeconômicas, raciais e de gênero, e a mulher negra encontra-se em condições de desvantagem devido o mito da democracia racial, não recebendo um tratamento humanizado como as mulheres brancas. O objetivo do estudo foi fazer uma revisão de literatura sobre o racismo e as consequências na saúde em termos de gênero alinhado a gestão usando como método a revisão narrativa. O racismo institucional fortalece as mazelas contra as mulheres negras demonstrando a necessidade de uma gestão eficiente em saber lidar com os grupos considerados minoritários no sistema capitalista , tendo como proposta uma liderança inclusiva, para treinar, capacitar e fortalecer o diálogo sobre a desnaturalização do racismo e reduzir o índice de doenças prevalentes nesta população e também o absenteísmo. Como o racismo é histórico e as vicissitudes de um preconceito de marca sugere-se desconstruir este mito de democracia racial de forma continua nas instituições públicas,privadas e filantrópicas, através da reestruturação das políticas públicas , valorização e reconhecimento do potencial das mulheres e principalmente mulheres negras.

Palavras-chave


Raça; Racismo institucional; Gestão; Saúde pública; Adoecimento.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/rev.%20gest.%20sist..v7i2.384

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde – RGSS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Sist. Saúde
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br