Rede hospitalar pública em Portugal: resultados de diferentes modelos organizacionais

Alexandre Morais Nunes

Resumo


Os hospitais públicos em Portugal, com o objetivo de aumentar a sua produtividade, eficiência e qualidade, passaram por várias reformas ao longo dos últimos 17 anos. Como resultado, existem diferentes modelos organizacionais (Hospitais, Centros Hospitalares e Unidades Locais de Saúde) e dois estatutos jurídicos (o empresarial - E.P.E. e outro em parceria público-privada - PPP). O presente artigo tem por objetivo apresentar e comparar os resultados dos hospitais públicos nos diferentes modelos de organização e estatuto jurídico, em 2015, tendo por base os indicadores de acesso, desempenho/eficiência e qualidade. Como método recorreu-se à revisão da literatura e à análise dos indicadores de acesso, eficiência e qualidade coletados junto dos sistemas de informação do Ministério da Saúde. Como principais resultados, relativamente ao modelo organizacional, os Centros Hospitalares apresentam ótimos resultados na assistência, os hospitais em parceria público-privada apresentam os melhores resultados quanto ao tempo de permanência e à utilização da capacidade instalada (geral e em ambulatório). No entanto, as Unidades Locais de saúde apresentam os melhores resultados na articulação com a atenção primária, na cirurgia de ambulatório, no cumprimento dos tempos máximos de resposta e no controlo da infeção. E conclusão, dos vários modelos, verifica-se que é nas Unidades Locais de Saúde que se pode encontrar um equilibro entre acesso, eficiência, produtividade, desempenho, qualidade e controle de custos.


Palavras-chave


Hospitais público; Gestão Hospitalar; Acesso; Desempenho; Eficiência; Qualidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Administração Central do Sistema de Saúde. Benchmarking hospitais. Disponível em http://benchmarking.acss.min-saude.pt/monitormensal.aspx. Acedido a 10 de setembro de 2018.

Campos, A. (2008). Reformas da saúde – o fio condutor. Coimbra: Edições Almedina.

Campos, A., & Ramos, F. (2005). Contas e ganhos na saúde em Portugal. Dez Anos de Percurso. In Desafios para Portugal – Seminários da Presidência da República (p. 157-223). Lisboa: Casa das Letras.

Devers, K., Shortell, S., Gillies, R., Anderson, D., Mitchell, J., & Morgan, K. (1994). Implementing organized delivery systems: an integration scorecard. Health Care Management Review, 19, 7-20.

Direção-Geral de Saúde (DGS) (2001). Glossário de Conceitos para Produção de Estatísticas em Saúde. Lisboa: DGS.

Grone, O., & Garcia-Barbero, M. (2016). Integrated care: a position paper of the WHO European Office for integrated health care services. International Journal of Integrated, 1(1), 1-10.

Instituto Nacional de Estatística (INE) (2018). Serviço de metainformação. Disponível em http://smi.ine.pt/Conceito. Consultado a 10 de setembro de 2018.

Ministério Da Saúde (2010). Relatório do Grupo Técnico para a Reforma da Organização Interna dos Hospitais. A organização interna e a governação dos hospitais. Lisboa: Ministério da Saúde.

Moreno, C. (2010). Como o Estado gasta o nosso dinheiro. Lisboa: Caderno editores.

Nunes, A. (2016). Reformas na Gestão Hospitalar: análise nos efeitos da empresarialização [tese]. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa.

Pereira, L. (2005). A reforma estrutural da saúde e a visão estratégica para o futuro. Lisboa: Gradiva.

Decreto-Lei n.º 233/2005. Transforma em entidades públicas empresariais os hospitais com a natureza de sociedade anónima, o Hospital de Santa Maria e o Hospital de São João e cria o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, E. P. E., o Centro Hospitalar de Setúbal, E. P. E., e o Centro Hospitalar do Nordeste, E. P. E., e aprova os respectivos Estatutos. Diário da República n.º 249, I Série A, 29 de dezembro, p.7323.

Decreto-Lei n.º 284/99. Estabelece o regime aplicável aos centros hospitalares e grupos de hospitais do Serviço Nacional de Saúde. Diário da República n.º 172, I Série A, de 26 de julho, p.4683

Lei n.º 27/2002. Aprova o novo regime jurídico da gestão hospitalar e procede à primeira alteração à Lei n.º 48/90, de 24 de agosto. Diário da República nº 258, I Série A, 8 de novembro, p.7150.

Simões, J. (2004). As parcerias público-privadas no sector da saúde em Portugal. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 4, 79-90.

Tribunal de Contas (2009). Auditoria ao Programa de Parcerias Público Privadas da Saúde - Primeira vaga de hospitais. Período 2001-2004. Relatório n.º 15. Lisboa: Tribunal de Contas.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i1.13286

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde – RGSS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.