Planejamento em organizações de saúde – uma análise da aplicação de métodos de planejamento em quatro hospitais

Rebeca Rene Graf, Ana Maria Malik, Kim Mishima Uehara Mishima Uehara

Resumo


O planejamento no setor da saúde em geral, e em especial nos hospitais, configura-se como um ponto que deixa a desejar na realidade brasileira. Esta premissa acompanha trabalhos do setor, nos quais se identificam baixa preocupação com a eficiência e pouca profissionalização na estrutura organizacional. De modo geral, a utilização de técnicas de planejamento ainda é incipiente no setor. Algumas delas são recém-chegadas na área da saúde e derivam de outras áreas como, por exemplo área econômica. Outras técnicas são advindas de países desenvolvidos no setor da saúde, mas que no Brasil ainda estão em fase inicial de incorporação. Esse estudo foi realizado em quatro casos, dois em hospitais públicos e dois em hospitais privados, que mostram diferenças de gestão, talvez não devidas especificamente à propriedade.

 

 


Palavras-chave


Planejamento Hospitalar; Gestão Hospitalar; Gestão em Saúde; Tamanho das Instituições de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Antares; GVsaúde. (2014). Repensando o hospital: motores de mudança e/ /respostas inovadoras. Barcelona, Antares. Recuperado em 13 julho de 2019, de https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/15022/Repensando%20o%20ho spital.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Araujo, I. C. A., Barbosa, A. C. Q., Miranda, A. P., Souza, M.D. & Nogueira, I. S., (2015). A questão da gestão de recursos humanos (GRH) nos hospitais de pequeno porte (HPP) do Brasil. Anais do 11° Congresso Brasileiro da ABRASCO (Goiania).

Bahia, L., Scheffer, M., Dal Poz, M., & Travassos, C. (2016). Planos privados de saúde com coberturas restritas: atualização da agenda privatizante no contexto de crise política e econômica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 32 (12), pp.1 – 4.

Berwick, D. M., Nolan, T. W., & Whittington, J. (2008). The Triple Aim: Care, Health, And Cost. Health Affairs, 27 (3), pp. 759-769. Recuperado em 22 junho de 2018, de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18474969

Bloom, N., & Reenen, J. V. (2007). Measuring and Explaining Management Practices Across Firms and Countries. Q Journal of Economics,122 (4), pp. 1351-1408. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://worldmanagementsurvey.org/wp- content/images/2010/07/Measuring-and-Explaining-Management-Practices-Across-Firms- and-Countries-Bloom-and-Van-Reenen.pdf

Bloom, N., & Reenen, J. V. (2010). Why do management practices differ across firms and countries?. Journal of Economy Prospect, 24 (1), pp. 203-224. Recuperado em 22 de junho de 2018, de https://nbloom.people.stanford.edu/sites/g/files/sbiybj4746/f/jep.pdf

Bodenheimer, T., & Sinsky, C. (2014). From Triple to Quadruple Aim: Care of the Patient Requires Care of the Provider. Annals of family medicine, 12 (6). pp. 573 - 6. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.annfammed.org/content/12/6/573.full .

Brito, L. A. L., Malik, A. M., Brito, E. P. Z., Bulgacov, S. & Andreassi, T. (2013). A competitividade dos hospitais privados de São Paulo. Relatório de Pesquisa, FGV-EAESP.

Bromiley, P. & Raud, D. (2014). Towards a practice-based view of strategy. Strategic Management Journal, 35 (8), pp.1249-1256. Recuperado em 22/06/2018, de https://cloudfront.escholarship.org/dist/prd/content/qt1z04d5mw/qt1z04d5mw.pdf

Bulgacov, S., Souza, Q. R., Prohmann, J. I., Coser, C., & Baraniuk, J. (2007). Administração Estratégica: Teoria e Prática. São Paulo, Ed. Atlas,1, p.120.

Carrera, M.M.B. (2012). Parceria público privada na saúde no Brasil: Estudo de caso do Hospital do Subúrbio de Salvador – Bahia. Dissertação de Mestrado na Escola de Administração de Empresas de São Paulo/FGV.

Cleverley, W. O. & Harvey, R. (1992). Competitive strategy for successful hospital management. Hospital & Health Services Administration,37 (1), p. 53. Recuperado em 22/06/2018, de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10116113

Economist Intelligence Unit. (2016). Value-based healthcare: a global assessment. The Economist. Recuperado em 22/06/2018, de http://vbhcglobalassessment.eiu.com/wp- content/uploads/sites/27/2016/09/EIU_Medtronic_Findings-and-Methodology.pdf

Escrivão Junior, A. (2007). Uso da informação na gestão de hospitais públicos. Ciência e Saúde Coletiva, 12(3), pp. 655 - 66. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-1232007000300015&script=sci_abstract&tlng=pt

Ferreira, J. W. C. (2011). Ampliação dos serviços hospitalares privados na cidade de São Paulo. Uma estratégia ou uma aposta? Tese de Doutorado. FGV/EAESP.

Instituo Brasileiro De Governança Corporativa - IBGC. (2014). Governança corporativa em saúde. São Paulo, St Paul. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.ibgc.org.br/userfiles/files/GC_saude.pdf

La Forgia, G. M. & Couttolenc, B. F. (2009). Desempenho hospitalar brasileiro: em busca da excelência. São Paulo: Singular.

La Forgia & Couttolenc, 2009; Lima, S.M.L., Barbosa, P.R., Portela, M.C., Uga, M.A.D., Vasconcellos, M.M. & Gerschman, S. (2004). Caracterização gerencial dos hospitais filantrópicos no Brasil. Caderno Saúde Pública. (5). pp.1249 - 1261. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102311X2004000500019&script=sci_abstract&tlng= pt

Marinho, A., Cardoso, S. S., & Almeida, V.V. (2009). Brasil e OCDE: avaliação da eficiência em sistemas de saúde. Texto para discussão 1370. Brasília, IPEA.

Meliones, J.N., Ballard, R., Liekweg, R. & Burton, W. (2001). No mission no margin: it´s that simple. J Health Care Finance. Spring, 27(3), pp. 21 - 29. Recuperado em 22 de junho de 2018, de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14680030

Mendes, A. N. (2016a). A saúde pública brasileira num universo “sem mundo”: a austeridade da Proposta de Emenda Constitucional 241/2016, Cadernos de Saúde Pública, 32 (12), p. 1. Recuperado em 22/06/2018, de https://www.scielosp.org/article/csp/2016.v32n12/e00188916/pt/

Mendes, M. (2016b, outubro). A PEC 241 e a saúde. Ministério da Saúde. pp.1-21. Recuperado em 22/06/2018, de http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/outubro/20/1.%20a%20%20Apresenta%C3%A7%C3%A3o_Sa%C3%BAde-19-10-16_V9.pdf

Nielsen, C. & Lund, M. (2012). Business model: networking, innovating and globalizing. Ventus Publishing Aps.

Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR. (2016). TIC saúde 2015, São Paulo, CETIC.br Recuperado em 22/06/2018, de http://cetic.br/media/docs/publicacoes/2/tic_saude_2015_livro_eletronico.pdf

Onie, R.D., Perla, R. J., & Lee, T. H. (2016). Population health: the ghost aim. NEJM catalyst, December 14. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://catalyst.nejm.org/population-health-ghost-aim/

Pedroso, M. C. & Malik, A. M. (2012). Cadeia de valor da saúde: um modelo para o sistema de saúde brasileiro. Ciência e Saúde Coletiva, 17, pp. 2757-2772. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n10/24.pdf

Pena, F.P.M & Malik, A.M. (2003). Administração estratégica em hospitais. SP, relatório de pesquisa NPP 21/2003.

Pereira, S. R., Paiva, P. B., Souza, P. R. S., Siqueira, G.& Pereira, A. R. (2012). Sistemas de informações para a gestão hospitalar. Journal of Health Informatics, 4(4). Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi- sbis/article/view/206

Qin, Y. (2006). Making innovation in management and formulation of competitive strategies of the hospital. Academic Journal of PLA. Posgraduate Medical School, 2.

Queiroz, A. C. S., Albuquerque, L. G. & Malik, A. M. (2013). Gestão estratégica de pessoas e inovação: estudos de caso no contexto hospitalar. Revista de Administração, 48, p. 658-670. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.scielo.br/pdf/rausp/v48n4/03.pdf

Ramos, M.C.A., Cruz, L.P., Kishima, V.C., Pollara, W.M., Lira, A.C.O. & Couttolenc, B.F. (2015). Avaliação de desempenho de hospitais que prestam atendimento pelo sistema público de saúde, Brasil. Revista de Saúde Pública, 49, p 1-10. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.scielo.br/pdf/rsp/v49/pt_0034-8910-rsp-s0034-89102015049005748.pdf

Richard, P. J., Devinney, T. M., Yip, G. S., & Johnson, G. (2009). Measuring organizational performance: towards methodological best practices. Journal of Management, 35, p. 718. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.research.lancs.ac.uk/portal/en/publications/measuring-organizational- performance-towards-methodological-best-practice(d5cd2294-2538-4797-8544- 384cd9621992)/export.html

Rogers, E. M. (2003). Diffusion of innovations. 5th ed. New York: Free Press.

Schaltegger, S., & Wagner, M. (2011). Sustainable entrepreneurship and sustainability innovation: categories and interactions. Business strategy and the environment, 20(4), pp. 222-237.

Souza, A.A., Guerra, M., & Lara, C.O. ( (2009). Controle de gestão em organizações hospitalares. Revista de Gestão da USP, 16 (3), pp. 15-29.

Takahashi, A.C.D. (2011) Análise do modelo de remuneração hospitalar no mercado de saúde suplementar paulistano. Dissertação de Mestrado na Escola de Administração de Empresas de São Paulo/FGV.

Vecina Neto, Jr. G. & Malik, A. M. (2007). Tendências na assistência hospitalar. Ciência & Saúde Coletiva, 12 (4), pp. 825 - 839.

Veloso, G.G., Bandeira, R.M., & Malik, A.M. (2013). Analysis of the Value-Based Health Care Delivery model in light of strategy theories. Alcance, 20 (4), pp. 495-512. Recuperado em 22 de junho de 2018, de http://www.spell.org.br/documentos/ver/31282/analise-dos-fundamentos-do-modelo-value- based-health-care-delivery-a-luz-das-teorias-deestrategia/i/en/




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i3.13374

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde – RGSS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.