Impacto da dimensão gestação saudável e segura do projeto cuidando do futuro

Wédia Duarte Pereira, Andreia Castro de Sousa França, Wellyson da Cunha Araújo Firmo, Ana Cristina Rodrigues Saldanha

Resumo


A presente pesquisa teve como objetivo avaliar as ações de pré-natal, desenvolvidas antes e depois da implantação do Projeto Cuidando do Futuro (PCF), no município de Bacabal, Maranhão, considerando os indicadores prevista na dimensão gestação saudável e segura. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem quantitativa, desenvolvida a partir de dados do Sistema de Acompanhamento do Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento, das gestantes que iniciaram e finalizaram a assistência pré-natal nos anos de 2009 e 2011, um ano antes da implantação do PCF e um ano após, respectivamente, tendo como base os indicadores de qualidade propostos, pelo PCF. Para estudar o indicador de mortalidade infantil utilizaram-se dados do Sistema de Informação de Mortalidade e do Sistema de Informação de Nascido Vivo, sendo analisado pelo Programa Statistical Package for the Social Sciences, utilizando a correlação de Pearson para comparação das variáveis em estudo. Observou-se que o número de gestantes que realizaram sete ou mais consultas passou de 1,2% para 14,7%, notando-se um aumento na realização do pré-natal no primeiro trimestre de 11,7% para 66,5%. Em relação aos exames laboratoriais, em 2009, 10% das gestantes realizaram todos os exames, tendo um acréscimo para 13% em 2011 e o número de gestantes imunizadas ampliou-se de 51,6% para 79%. Com todos esses indicadores melhorados, observou-se uma redução da mortalidade infantil. Conclui-se que o PCF, gerou impacto positivo nas ações de pré-natal, ajudando a reduzir as taxas de mortalidade infantil.

Palavras-chave


Assistência pré-natal; Coeficiente de mortalidade infantil; Recém-nascido.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, C. A. L., & Tanaka, O. Y. (2009). Perspectiva das mulheres na avaliação do programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento. Revista de Saúde Pública, 43(1), 104-98.

Andreucci, C. B., & Cecatti, G. J. (2011). Desempenho de indicadores de processo do Programa de Humanização do pré-natal e nascimento no Brasil: uma revisão sistemática. Cadernos de Saúde Pública, 27(60), 1053-1064.

Andreucci, C. B., Cecatti, G. J., Macchetti, C. E., & Sousa, M. H. (2011). Sisprenatal como instrumento de avaliação da qualidade da assistência à gestante. Revista de Saúde Pública, 45(5), 863-854.

Brasil. (2000). Assistência Pré-Natal: Manual Técnico. Ministério da Saúde. Secretária de Politicas Pública. Departamento de Gestão de Políticas e Estratégias. Brasília.

Brasil. (2002). Programa de humanização do parto: humanização do pré-natal e nascimento. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. Ministério da Saúde. Brasília.

Brasil. (2005). Pré-natal e puerpério: Atenção qualificada e humanizada. Secretária de Atenção a Saúde. Departamento de ações programáticas Estratégicas. Manual Técnico. Ministério da Saúde. 3 ed. Brasília.

Brasil. (2006). Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada-manual técnico. Secretária da Atenção à Saúde. Departamento de Ações programáticas Estratégicas: Brasília. Ministério da Saúde.

Brasil. (2013). Departamento de Informática do SUS do Ministério da Saúde. Datasus. Recuperado em 20 julho, 2013, de http:/www.Datasus.gov.br/DATASUS/index.php

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em Administração. 7 ed. Porto Alegre: Bookman.

Duarte, C. M. R. (2007). Reflexos das políticas de saúde sobre as tendências da mortalidade infantil no Brasil: Revisão da literatura sobre a última década. Cadernos de Saúde Pública, 7(23), 1528-1511.

Donabedian, A. (2003). An introduction to quality assurance in health care. New York: Oxford University Press.

Figueiredo Filho, D. B., & Silva Júnior, J. A. (2009). Desvendando os ministérios do coeficiente de correlação de Pearson (r)*. Revista Política Hoje, 18(1), 146-115.

Firmo, W. C. A., Paredes, A. O., Almeida, A. C., Campos, M. C., Pimentel, M. I. C., & Pontes, S. R. S. (2013). Perfil dos exames laboratoriais realizados por gestantes atendidas no Centro de Saúde de Lago Verde, Maranhão, Brasil. J Manag Prim Health Care, 4(2), 86-77.

Gil, A. C. (2007). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gomes, J. O., & Santo, A. H. (1997). Mortalidade infantil em municípios da região centro-oeste paulista, Brasil, 1990 a 1992. Revista de Saúde Pública, 31(4), 341-330.

Maranhão. (2009). Termo de Adesão dos Municípios Contemplados pelo o projeto Cuidando do futuro. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social. Secretaria de Estado da Saúde. Secretaria Adjunta de Atenção Primária de Saúde. São Luís: SEDES/SES.

Maranhão. (2011). Relatório final de atividades técnicas do Projeto para redução da mortalidade infantil no Maranhão - Cuidando do Futuro. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social. Secretaria de Estado da Saúde. Secretaria Adjunta de Atenção Primária de Saúde. São Luís: SEDES/SES.

Moura, E. R. F., Holanda Júnior, F., & Rodrigues, M. S. P. (2003). Avaliação da assistência pré-natal oferecida em uma microrregião de saúde do Ceará, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 19(6), 1791-1799.

Nascimento, E. R., Paiva, M. S., & Rodrigues, Q. P. (2007). Avaliação da cobertura e indicadores do programa de humanização do pré-natal e nascimento no município de Salvador, Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 7(2), 191-197.

Peixoto, C. R., Freitas, L. V., Teles, L. M. R., Campos, F. C., Paula, P. F., & Damascenos, A. K. C. (2011). O pré-natal na atenção primária: o ponto de partida para reorganização da assistência obstétrica. Revista Enf UERJ, 19(2), 291-286.

Santana, J. S. (2010). Avaliação da Assistência Pré-natal em José de Freitas-pi através dos indicadores de processo do SISPRENATAL. Monografia de graduação, Faculdade Integrada Diferenciada, Teresina, PI, Brasil.

Santos Neto, E. T., Leal, M. C., Oliveira, A. E., Zandonade, E., & Gama, S. G. N. (2012). Concordância entre informações do cartão da gestante e da memoria materna sobre assistência pré-natal. Cadernos de Saúde Pública, 28(2), 256-266.

Schoeps, D., Almeida, M. F., Alencar, G. P., França Junior, I., Novaes, H. M. D., Siqueira, A. A. F., Campbell, O., & Rodrigues, L. C. (2007). Fatores de risco para mortalidade neonatal precoce. Revista de Saúde Pública, 41(6), 1022-1013.

Serruya, J. S., Cecatti, G. J., & Lago, T. G. (2004). O Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento do Ministério da Saúde no Brasil: Resultados iniciais. Cadernos de Saúde Pública, 20(5), 1281-1289.

Trevisan, M. R., Lorenzi, D. R. S., Araújo, N. M., & Esber, K. (2002). Perfil da Assistência Pré-natal entre Usuárias do Sistema Único de Saúde em Caxias do Sul. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 24(5), 299-293.

Victoria, C. G., Matijasevich, A., Silveira, M. F., Santos, I. S., Barros, A. J. D., & Barros, F. C. (2010). Socio-economic and ethnic group inequities in antenatal care quality in the public and private sector in Brazil. Health Policy Plan, 25(1), 253-260.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i1.13851

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde – RGSS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.