Integralidade nos processos de dispensação de cadeiras de rodas: estudo de caso de um centro de referência em reabilitação

Andre Eduardo Mei, Maria Elisabete Rodrigues Freire Gasparetto, Eliana Chaves Ferretti, Helenice Yemi Nakamura

Resumo


A integralidade, um dos princípios do Sistema Único de Saúde, é visto como conceito complexo e polissêmico, de forma a ser associado a três grandes conjuntos de sentidos, entre eles, o conjunto relativo à integração e organização de diferentes serviços de modo a contribuir para a continuidade do cuidado. Este estudo teve por objetivo contribuir para a discussão da integralidade nos processos de dispensação de cadeiras de rodas a partir da experiência de um Centro de Referência em Reabilitação situado no interior do Estado de São Paulo. Realizou-se pesquisa qualitativa, por meio de estudo de caso holístico cuja unidade de análise foi a dispensação de cadeiras de rodas. Os dados foram coletados por meio da construção de fluxograma descritor e analisador, do grupo focal com as profissionais e da observação assistemática. A dispensação de cadeiras de rodas se mostrou como uma construção norteada pela integralidade, superando o modelo assistencialista e se consolidando como conduta técnica. Nesse contexto, assumiu alta responsabilidade, dado o grande volume de unidades dispensadas, e se fundamentou nas etapas de inscrição, montagem, entrega e orientações. Como ponto fraco, as profissionais perceberam lacunas nas ofertas assistenciais e no sistema logístico, e como ponto forte, a apropriação do processo licitatório. Destacou-se a dimensão da integralidade relativa à organização de serviços e práticas, sendo que existe necessidade de maior integração da dispensação com outros pontos de cuidado e da rede.


Palavras-chave


Gestão em Saúde; Cadeiras de Rodas; Integralidade em Saúde; Tecnologia Assistiva.

Texto completo:

PDF

Referências


Association for the Advancement of Assistive Technology in Europe (AAATE), European Assistive Technology Information Network (EASTIN). (n.d.). Service delivery systems for em:.

Barbour, R. (2009). Grupos focais. Porto Alegre: Artmed.

Brasil. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Campos, G.W.S. Clínica e Saúde Coletiva Compartilhadas: teoria Paidéia e reformulação ampliada do trabalho em saúde. (2012). In: G.W.S. Campos, M.C.S. Minayo, M. Akerman, M. Drumond Jr. & Y.M. Carvalho (orgs.). Tratado de Saúde Coletiva (pp. 39-78). São Paulo: Hucitec.

Caro, C.C., Faria P.S.P., Bombarda, T.B., Ferrigno, I.S.V., & Palhares MS. (2014). A dispensação de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção (OPM) no Departamento Regional de Saúde da 3ª Região do Estado de São Paulo. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 22(3), 521-529.

Cavalcanti, A., Galvão, C., & Miranda, S.G.S. Mobilidade. (2011). In: A. Cavalcanti & C. Galvão (orgs.). Terapia Ocupacional: teoria e prática (pp 427-434). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Eggers, S.L., Myaskovsky, L., Burkitt, K.H., Tolerico, M., Switzer, G.A., Fine, M.J., & Boninger, M.L. (2009). A Preliminary Model of Wheelchair Service Delivery. Arch. Phys. Med. Rehabil, 90,1030–1038.

Franco, T.B. (2013). Uso de fluxograma descritor e projetos terapêuticos para análise de serviços de saúde, em apoio ao planejamento: o caso de Luz (MG). In: T.B. Franco & E.E. Merhy (orgs.). Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: textos reunidos (pp 301-337). São Paulo: Hucitec.

Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. (n.d.). Perfil municipal de Campinas. Disponível em: http://www.imp.seade.gov.br/frontend/#/perfil.

Hartz, Z.M.A. & Contandriopoulos, A.P. (2004). Integralidade da atenção e integração de serviços de saúde: desafios para avaliar a implantação de um “sistema sem muros”. Cadernos de Saúde Pública, 20(supl. 2), 331-361.

Lei 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm.

Mattos, R.A. (2009). Os Sentidos da Integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: R. Pinheiro & R.A. Mattos (orgs.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde (pp.43-68). Rio de Janeiro: ABRASCO.

Mello, G.A. & Viana, A.L.A. (2012). Uma história de conceitos na saúde pública: Integralidade, coordenação, descentralização, regionalização e universalidade. História, Ciências, Saúde, 19(4), 1219-1239.

Mendes, E.V. (2011). As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Menicucci, T.M.G. (2014). História da reforma sanitária brasileira e do Sistema Único de Saúde: mudanças, continuidades e a agenda atual. História, Ciências, Saúde, 21(1), 77-92.

Merhy, E.E. (2013). Em busca do tempo perdido: A micropolítica do trabalho vivo em ato, em saúde. In: T.B. Franco & Merhy EE (orgs.). Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: textos reunidos (pp. 19-67). São Paulo: Hucitec.

Minayo MCS. (2010). O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec.

OMS. Organização Mundial da Saúde (2008). Guidelines on the provision of manual wheelchairs in less-resourced settings. Geneva: World Health Organization.

Organização Mundial da Saúde (2011). World report on disability. Malta: World Health Organization.

Organização Mundial da Saúde (2012a). Wheelchair Service Training Package: Reference Manual for Participants, Basic Level. Malta: World Health Organization.

Organização Mundial da Saúde (2012b). Wheelchair Service Training Package: Participants Workbook, Basic Level. Malta: World Health Organization.

Ossada, V.A.Y., Garanhani, M.R., Souza, R.B. & Costa, V.S.P. (2014). A cadeira de rodas e seus componentes essenciais para a locomoção de pessoas com tetraplegia por lesão da medula espinhal. Acta Fisiatrica, 21(4), 162-166.

Pereira, N. Jr. & Campos, G.W.S. (2014). O apoio institucional no Sistema Único de Saúde (SUS): os dilemas da integração interfederativa e da cogestão. Interface, 18(supl. 1), 895-908.

Portaria 1.272, de 25 de junho de 2013. Inclui Procedimentos de Cadeiras de Rodas e Adaptação Postural em Cadeira de Rodas na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPM) do Sistema Único de Saúde. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1272_25_06_2013.html

Portaria 1.272, de 25 de junho de 2013. Inclui Procedimentos de Cadeiras de Rodas e Adaptação Postural em Cadeira de Rodas na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPM) do Sistema Único de Saúde. Brasília: Diário Oficial da União, 26 jun. 2013.

Portaria 2.848, de 6 de novembro de 2007. Publica a Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses/Próteses e Materiais Especiais - OPM do Sistema Único de Saúde - SUS. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt2848_06_11_2007.html

Portaria MS/GM 818, de 5 de junho de 2001. Cria mecanismos para a organização e implantação de Redes Estaduais de Assistência à Pessoa Portadora de Deficiência Física. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2001/prt0818_05_06_2001.html

Portaria NS/SAS 116, de 9 de setembro de 1993. Incluir no Sistema de Informações Ambulatoriais de Sistema Único de Saúde- SAI/SUS a concessão deos equipamentos de órteses, próteses e bolsas de colostomia. Disponível em:

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/1993/prt0116_09_09_1993.html

Scliar, M. (2007). História do Conceito de Saúde. Physis, 17(1), 29-41.

Simioni, C. Gestão de Suprimentos. (2015). In: N. Ibanez, P.E.M. Elias, & P.H.D.A. Seixas (orgs.). Política e Gestão Pública em Saúde (pp.621-646). São Paulo: Hucitec.

Yin, R.K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i1.14378

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.