Percepção das mulheres sobre a qualidade da assistência de enfermagem durante o parto

Karine Ribeiro Nunes, Danilo Soares Monte-Mor

Resumo


O objetivo principal deste estudo é identificar quais dimensões da qualidade do atendimento do enfermeiro afetam a satisfação da mulher no parto. Foi realizada uma pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, com uma amostra de 549 mulheres. Os dados foram coletados por meio de um questionário contendo 44 afirmações acompanhadas de uma escala de concordância. O questionário foi formulado com seis construtos: Interação do Enfermeiro e cuidados; Competência e Profissionalismo; Interação com os outros profissionais; Tempo de atendimento e Ambiente; Profissionalismo e Responsabilidade profissional e Satisfação com atendimento do enfermeiro. Os resultados evidenciam que competência e profissionalismo, interação com o enfermeiro, tempo de atendimento, ambiente e responsabilidade profissional estão relacionados positivamente com a satisfação, o que sugere que características associadas à qualidade do atendimento são determinantes para contribuir com a satisfação das mulheres que vivenciaram a parturição.


Palavras-chave


Profissionais de Enfermagem. Cuidados de Enfermagem. Satisfação do Paciente.

Texto completo:

PDF

Referências


Aldana, J. M., Piechulek, H., & Al-Sabir, A. (2001). Client satisfaction and quality of health care in rural Bangladesh. Bulletin of the World Health Organization, 79(6), 512-517.

Araújo, E. C. D., Modesto, A. P., & Cunha, J. X. P. D. (2010). A comunicação enfermagem-paciente percebida pelo doente crítico durante seu internamento na unidade de terapia intensiva. Nursing (São Paulo), 14(149), 518-523.

Arraras, J. I., Illarramendi, J. J., Viudez, A., Ibáñez, B., Lecumberri, M. J., Cruz, S., … & Salgado, E. (2013). Determinants of patient satisfaction with care in a Spanish oncology Day Hospital and its relationship with quality of life. Psycho-Oncology, 22(11), 2454-2461.

Barbosa, G. P., Giffin, K., Angulo-Tuesta, A., Gama, A. D. S., Chor, D., D’Orsi, E., & Reis, A. C. G. V. D. (2003). Parto cesáreo: quem o deseja? Em quais circunstâncias?. Cadernos de Saúde Pública, 19(6), 1611-1620.

Bishai, D. M., Cohen, R., Alfonso, Y. N., Adam, T., Kuruvilla, S., & Schweitzer, J. (2016). Factors contributing to maternal and child mortality reductions in 146 low-and middle-income countries between 1990 and 2010. PLoS One, 11(1), e0144908.

Carneiro, L. M. A., Nascimento Paixão, G. P., Sena, C. D., Souza, A. R., Silva, R. S., & Pereira, A. (2015). Parto natural X parto cirúrgico: percepções de mulheres que vivenciaram os dois momentos. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 5(2), 1574-1585.

Carraro, T. E., Kuerten, P., Prado M. L., & Wal, M. L. (2008). Cuidado e Tecnologia: Aproximações Através do Modelo de Cuidado. Cuidado e tecnologia: aproximações através do Modelo de Cuidado. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(1), 113-116.

Çelik, S., & Hisar, F. (2012). The influence of the professionalism behaviour of nurses working in health institutions on job satisfaction. International Journal of Nursing Practice, 18(2), 180-187.

Coculescu, B. I., & Coculescu, E. C. (2015). Improving the quality of Health Care in the Romanian public health system-a priority in the reform process.

Costa, A. C. R., & Farias, S. A. (2003). Emoções e satisfação em compras on-line: o “ser” é humano em ambientes intermediados por computadores. Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Atibaia, SP, Brasil, 28.

Davi, R. M. B., Torres, G. D. V., Caldas, R. D. M., & Dantas, J. D. C. (2008). Enfermeiras obstétricas na humanização do alívio da dor de parto: um relato de experiência. Nursing (São Paulo), 11(124), 424-429.

Diaz-Tello, F. (2016). Invisible wounds: obstetric violence in the United States. Reproductive health matters, 24(47), 56-64.

Lorenzini Erdmann, A., & Freitag Pagliuca, L. M. (2013). O conhecimento em enfermagem: da representação de área ao Comitê Assessor de Enfermagem no CNPq. Revista Brasileira de Enfermagem, 66, 51-59.

Ford, J. B., Hindmarsh, D. M., Browne, K. M., & Todd, A. L. (2015). Are women birthing in New South Wales hospitals satisfied with their care?. BMC research notes, 8(1), 106.

Guo, S., Munshi, D., Cockburn-Wootten, C., & Simpson, M. (2014). Cultural dilemmas of choice: Deconstructing consumer choice in health communication between maternity-care providers and ethnic Chinese mothers in New Zealand. Health communication, 29(10), 1020-1028.

Hinno, S., Partanen, P., & Vehviläinen-Julkunen, K. (2011). Hospital nurses’ work environment, quality of care provided and career plans. International nursing review, 58(2), 255-262.

Hoffmeister M C., Scapineli J., Klück M., Lunardi, D.E.R., Fujita, D.A., Resta, M.B., Figueiredo R.V., & Mendes X. M. (2015). O perfil dos partos cesáreos em um hospital universitário. Clinical & Biomedical Research [serial online], 35(1), 35-42.

Inojosa, R. M., & Farran, N. (1994). Qualidade em serviços públicos: um caso de mudança. Revista de Administração Pública, 28(4), 76-96.

Izumi, S., Baggs, J. G., & Knafl, K. A. (2010). Quality nursing care for hospitalized patients with advanced illness: Concept development. Research in nursing & health, 33(4), 299-315.

Jentsch, B., Durham, R., Hundley, V., & Hussein, J. (2007). Creating consumer satisfaction in maternity care: the neglected needs of migrants, asylum seekers and refugees. International Journal of Consumer Studies, 31(2), 128-134.

Jogerst, K., Callender, B., Adams, V., Evert, J., Fields, E., Hall, T., … & Simon, L. (2015). Identifying interprofessional global health competencies for 21st-century health professionals. Annals of global health, 81(2), 239-247.

Karadzinska-Bislimovska, J., Basarovska, V., Mijakoski, D., Minov, J., Stoleski, S., Angeleska, N., & Atanasovska, A. (2014). Linkages between workplace stressors and quality of care from health professionals’ perspective–Macedonian experience. British journal of health psychology, 19(2), 425-441.

Kieft, R. A., Brouwer, B. B., Francke, A. L., & Delnoij, D. M. (2014). How nurses and their work environment affect patient experiences of the quality of care: a qualitative study. BMC health services research, 14(1), 249.

Leggat, S. G. (2007). Effective healthcare teams require effective team members: defining teamwork competencies. BMC Health Services Research, 7(1), 17.

Lothian, J. A. (2009). Safe, healthy birth: What every pregnant woman needs to know. The Journal of Perinatal Education, 18(3), 48-54.

Martins, L.F.V., Meneghim, M. C., Martins, L.C., & Pereira, A.C. (2014). Avaliação da qualidade nos serviços públicos de saúde com base na percepção dos usuários e dos profissionais. Revista da Faculdade de Odontologia-UPF, 19(2).

Matos, E., & Pires, D. (2006). Teorias administrativas e organização do trabalho: de Taylor aos dias atuais, influências no setor saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, 15(3).

Maurer, M., Firminger, K., Dardess, P., Ikeler, K., Sofaer, S., & Carman, K. L. (2016). Understanding Consumer Perceptions and Awareness of Hospital-Based Maternity Care Quality Measures. Health services research, 51(S2), 1188-1211.

McLachlan, H. L., Forster, D. A., Davey, M. A., Farrell, T., Flood, M., Shafiei, T., & Waldenström, U. (2016). The effect of primary midwife-led care on women’s experience of childbirth: results from the COSMOS randomised controlled trial. BJOG: An International Journal of Obstetrics & Gynaecology, 123(3), 465-474.

Mendes, I. A. C., Trevizan, M. A., Mazzo, A., Godoy, S. D., & Arena Ventura, C. A. (2011). Marketing profissional e visibilidade social na enfermagem: uma estratégia de valorização de recursos humanos. Texto & Contexto Enfermagem, 20(4), 788-795.

Montgomery, A., Todorova, I., Baban, A., & Panagopoulou, E. (2013). Improving quality and safety in the hospital: The link between organizational culture, burnout, and quality of care. British journal of health psychology, 18(3), 656-662.

Nadai, P., & Silveira, N. (2016). Maternidade Contemporânea: um estudo exploratório sobre vulnerabilidade e consumo. Revista Foco, 9(1), 293-311.

Narchi, N. Z., Cruz, E. F., & Gonçalves, R. (2013). O papel das obstetrizes e enfermeiras obstetras na promoção da maternidade segura no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(4), 1059-1068.

Ortiz, E., & Clancy, C. M. (2003). Use of information technology to improve the quality of health care in the United States. Health Services Research, 38(2), 11-22.

Redshaw, M., Miller, Y. D., & Hennegan, J. (2014). Young women’s experiences as consumers of maternity care in Queensland. Birth, 41(1), 56-63.

Rocha, A., & Ferreira da Silva, J. (2006). Marketing de serviços: retrospectiva e tendências. Revista de administração de Empresas, 46(4), 1-9.

Rocha, E. S. B., & Trevizan, M. A. (2009). Gerenciamento da qualidade em um serviço de enfermagem hospitalar. Revista Latino-americana de enfermagem, 17(2), 240-245.

Silva, J. A. D., & Santos, A. M. L. (2011). Relacionamento interpessoal entre equipe de enfermagem e paciente no cotidiano da UTI: revisão de literatura. Nursing (Säo Paulo), 14(159),427-433.

Traesel, E. S., & Merlo, Á. R. C. (2011). Trabalho imaterial no contexto da enfermagem hospitalar: vivências coletivas dos trabalhadores na perspectiva da Psicodinâmica do Trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 36(123), 40-55.

Urdan, A. T. (2001). A qualidade de serviços médicos na perspectiva do cliente. Revista de Administração de Empresas, 41(4), 44-55.

Weston, M., & Roberts, D. (2013). The influence of quality improvement efforts on patient outcomes and nursing work: A perspective from chief nursing officers at three large health systems. Online journal of issues in nursing, 18(3), 1-10.

Winck, D. R., & Brüggemann, O. M. (2010). Responsabilidade legal do enfermeiro em obstetrícia. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(3), 464-469.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i2.14920

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.