O papel das unidades de pronto atendimento: análise do desempenho da primeira UPA do município de Pelotas-RS

Rodrigo Serpa Pinto, Tainá Stocker, Tania Marisa de Lima

Resumo


A superlotação das emergências hospitalares de grande parte dos hospitais públicos brasileiros foi umas das justificativas do Ministério da Saúde para a criação das Unidades de Pronto Atendimento (UPA) no país. A UPA tem como objetivo prestar apoio intermediário aos hospitais e às Unidades Básicas de Saúde, evitando que casos de menor complexidade sejam encaminhados para as emergências hospitalares, tendo como uns dos efeitos a diminuição da superlotação dos prontos-socorros. Assim, este artigo objetiva verificar o desempenho, incluindo a forma de organização da primeira unidade de UPA habilitada no município de Pelotas, no período de julho de 2016 e julho de 2017. Busca-se identificar os possíveis impactos da UPA no Pronto Socorro do município e à comunidade local. Trata-se de um estudo de caráter exploratório, quali-quantitativo. Com isso, verificou-se que a UPA em estudo no período especificado efetuou 73.333 atendimentos no acolhimento, sendo que 68.255 pacientes passaram pelo atendimento médico evidenciando que a Unidade tem apresentado resultados positivos, relacionados à redução, em média, a 80 atendimentos diários, dos acolhimentos do Pronto Socorro local, além de proporcionar aos usuários serviços específicos, por possuir uma estrutura simplificada com raio-X, eletrocardiografia, pediatria, laboratório de exames e leitos de observação, atendimentos muitas vezes difíceis de obter em outras unidades hospitalares. Contudo, a continuação do estudo é necessária, em vista da abertura de outra unidade no município para o ano de 2018, o que apresentará novos resultados aos estudos vinculados às Unidades e ao Pronto Socorro.


Palavras-chave


Gestão em Saúde; Unidades de Pronto Atendimento; Desempenho.

Texto completo:

PDF

Referências


Gil, A. C. (1989). Métodos e técnicas de pesquisa social (2.ed.). São Paulo: Atlas.

Granja, G. F., Viana, A. L. d’ A., Ibañes, N. & Pavone Zoboli, E. L. C. (2013). Análise da Política Nacional de Atenção às Urgências no SUS: avanços e desafios na efetivação das Redes de Atenção à Saúde. 2º Congresso brasileiro de política, planejamento e gestão em saúde. Universalidade, Igualdade e Integralidade da saúde: um projeto possível, Belo Horizonte, MG, Brasil, 02.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017). Portal do IBGE. Recuperado em 03 novembro, 2017, de https://www.ibge.gov.br

Ibañez, N. (2013) Os hospitais e a Rede de Atenção às Urgências e Emergências: Desafios. Conselho Nacional Secretários de Saúde, 3(7), 39-43.

Konder. M. T., & O’dwyer, G. (2015). As Unidades de Pronto - Atendimento na Política Nacional de Atenção às Urgências. Revista de Saúde Coletiva, 2(25), 525-545.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2003). Fundamentos metodologia científica (5 ed.). São Paulo: Atlas.

Souza Minayo, MC. (Org.). (2002). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade (21 ed. pp 7-67). Petrópolis: Vozes.

Governo do Brasil (2011). Portal Brasil. Recuperado em 03 novembro, 2017, de http://www.brasil.gov.br › Saúde › 2011 › 08

Machado. C. V., Lima. L. D., O’Dwyer. G., Andrade. C. L. T., Baptista. T. W.F., Pitthan. R. G. V., & Ibañes. N. (2016). Gestão do trabalho nas Unidades de Pronto Atendimento: estratégias governamentais e perfil dos profissionais de saúde. Cad. Saúde Pública 2(32), pp. 01-14.

Ministério da Saúde (2014). Portal da saúde. Recuperado em 03 novembro, 2017, de u.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/959-sas-raiz/dahu-raiz/urgencia e-emergencia/l2-urgencia-e-emergencia/13396-unidade-de-pronto-atendimento-24-horas-UPA-24h

Ministério da Saúde (2017). Portal da saúde. Recuperado em 03 novembro, 2017, de http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas/UPA/diretrizes-UPA-24h

O’dwyer, G. & Mattos, R. A. (2013). O cuidado integral e a atenção às urgências: o Serviço de Atendimento Móvel de Urgências no Estado do Rio de Janeiro. Saúde e Sociedade, 22(1), pp.199-210. Recuperado em 06 outubro, 2017, de https://www.scielosp.org/article/sausoc/2013.v22n1/199-210/

O’dwyer, G. (2010, agosto). A gestão da atenção às urgências e o protagonismo federal. Ciência & Saúde Coletiva, 15(5), pp. 2395-2404. Recuperado em 06 outubro, 2017, de http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n5/v15n5a14.pdf

Oliveira, S. N., Ramos, B. J., Piazza, M., Do Prado. M. L., Reibnitz, K. S. & Souza, A. C. (2015, janeiro - março). Unidade de Pronto Atendimento – UPA 24h: Percepção da enfermagem. Texto e Contexto Enfermagem 24(1), pp. 238-344. Recuperado em 10 novembro, 2017, de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=71438421029

Portaria n. 1600, de 07 de julho de 2011 (2011). Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no SUS. Brasília, DF. Recuperado em 06 novembro, 2017, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1600_07_07_2011.html

Portaria n.1601, de 07 de julho de 2011 (2011). Estabelece diretrizes para a implantação do componente Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h) e o conjunto de serviços de urgência 24 horas da Rede de Atenção às Urgências, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília DF. Recuperado em 07 novembro, 2017 de http://bv sms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1601_07_07_2011_rep.html

Portaria n.10 de 3 de janeiro de 2017 (2017). Redefine as diretrizes de modelo assistencial e financiamento de UPA 24h de pronto atendimento como componente da rede de atenção às urgências, no âmbito do sistema Único de Saúde. Brasília DF. Recuperado em 07 novembro, 2017 de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0010_03_01_2017.html

Rocha, A. F. S. (2005). Determinantes da procura de atendimento de urgência pelos usuários nas unidades de pronto atendimento da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. Dissertação de Mestrado, Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, BH, Brasil. Disponível: http://www.enf.ufmg.br/pos/defesas/310M.PDF

Saissu, K. M. A. (2013). Unidades de pronto atendimento: uma avaliação normativa das UPA’s do Distrito Federal. Monografia de Graduação, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. Disponível: http://bdm.unb.br/handle/10483/5324.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i2.14922

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.