Recuperação de papel reciclável: aspectos da reciclagem em ambiente hospitalar

Maria Antonietta Leitão Zajac, Stella Bispo de Melo, Milena de Moura Regis, Cristina Alves dos Santos Lovatte

Resumo


A maior parte dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) é composta por resíduos similares aos domiciliares, portanto a segregação correta desses resíduos evita a não contaminação dos resíduos comuns e diminui o potencial risco à saúde pública, além de propiciar a recuperação dos resíduos passíveis de reciclagem. Os objetivos deste estudo foram promover a recuperação de papel e avaliar o descarte de resíduos passíveis de reciclagem ou o reaproveitamento dos recipientes de resíduos infectantes, na maternidade de um Hospital Público, localizado no Município de São Paulo. A iniciativa de recuperação de papéis recicláveis ocorreu em duas etapas: período sem orientação e período sob orientação. No período sem orientação houve a perda do resíduo reciclável, em decorrência do potencial de contaminação pela presença de resíduos infectantes. Por outro lado, no período sob orientação a contaminação destes resíduos foi evitada embora houve a segregação inadequada de outros resíduos passíveis de reciclagem, como o plástico. Nos recipientes do grupo A (resíduo infectante), foram registradas 340 ocorrências de resíduos passíveis de reciclagem ou de reaproveitamento. As irregularidades na etapa de segregação demonstram a necessidade de programas de educação continuada permanente sobre a importância da reciclagem e da segregação adequada dos RSS.

Palavras-chave


Gestão de Resíduos de Serviços de Saúde. Reciclagem; Reaproveitamento de Papel. Sustentabilidade. Treinamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Ali, M., Wang, W., & Chaudhry, N. (2016). Management of wastes from hospitals: A case study in Pakistan. Waste Management & Research, 34(1), 87-90.

Alves, S. B., Souza, A. C. S., Tipple, A. F. V., Rezende, K. C. D., Rezende, F. R. & Rodrigues, E. G. (2012). Manejo de resíduos gerados na assistência domiciliar pela estratégia de saúde da família. Revista Brasileira de Enfermagem, 65(1), 128-134.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) - NBR 10.004 de 2004 (2004). Resíduos sólidos: classificação. 71 p. Rio de Janeiro, RJ: Autor.

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais [ABRELPE]. (2015). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil 2015. 89 p. São Paulo, SP: Autor.

Bataghin, F. A., Gonçalves, M. A., Ikuta, F. A., Vargas, I. A., & Costa, M. A. B. (2016). O papel da Vigilância em Saúde no gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde no Estado do Mato Grosso do Sul. Revista Interdisciplinar de Tecnologias e Educação, 2(1), 169-183.

Besen, G. R., Ribeiro, H., Günther, W. M. R., & Jacobi, P. R. (2014). Coleta seletiva na região metropolitana de São Paulo: impactos da política nacional de resíduos sólidos. Ambiente & Sociedade, 17(3), 259-278.

Botelho, A. (2012). The impact of education and training on compliance behavior and waste generation in European private healthcare facilities. Journal of Environmental Management. 98, 5-10.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2006). Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde [Manual]. 180 p. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Compromisso Empresarial para Reciclagem [CEMPRE] - Manual de Gerenciamento Integrado (2018). Disponível em < http://cempre.org.br/upload/Lixo_Municipal_2018.pdf > Recuperado em 30 de maio de 2018.

Dias GL; Sarturi F; Camponogara S; et al. (2017), Analysis of the medical waste production rate in a teaching hospital. Revista de Pesquisa: Cuidado e Fundamental online, 9(1):92-98.

Fundação Estadual de Meio Ambiente [FEAM]. (2008). Manual de gerenciamento de resíduo de saúde [Manual]. 88 p. Belo Horizonte, MG: FEAM. Disponível em < http://www.feam.br/images/stories/2015/RSS/manual%20de%20gerenciamento%20de%20rss_feam.pdf > Recuperado em 4 setembro, 2016.

Ferreira, I. D. (2014). Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde: orientações para os serviços em odontologia. Monografia (Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental), Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil.

Figueiredo, F. F. (2012). O desenvolvimento da indústria da reciclagem dos materiais no Brasil: Motivação econômica ou benefício ambiental conseguido com a atividade? Revista electrónica de geografía y ciencias sociales, 16(387).

Furukawa, P. de O., Cunha, I. C.K.O, & Pedreira, M.da L. G. (2016). Avaliação de ações ecologicamente sustentáveis no processo de medicação. Revista Brasileira de Enfermagem. 69(1), 23-29.

Garcia, L. P. & Zanetti-Ramos, B. G. (2004). Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde: uma questão de biossegurança. Cadernos de Saúde Pública, 20(3), 744-752.

Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa (p. 35). Porto Alegre: UFRGS.

Gonella, J. dos S. L., Oliveira, C. V. M. de, Lamarca, D. S. F. & Braga, S. S., Jr. (2015). Diagnóstico da reciclagem de papel no cenário brasileiro: uma análise quantitativa da economia de recursos naturais. Revista Científica ANAP Brasil, 8(13), 38-55.

Indústria Brasileira de Árvores [IBÀ]. (2015). Reciclagem. Disponível em < http://iba.org/pt/sustentabilidade/reciclagem > Recuperado em 26 maio, 2018.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2012). Indicadores de desenvolvimento sustentável. Estudos & pesquisas de Informação Geográfica 9. Rio de Janeiro, RJ: Autor> Recuperado em 26 maio, 2018.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada [IPEA]. (2012). Diagnóstico de educação ambiental em resíduos sólidos (Relatório de Pesquisa/2012), Brasília, DF: Autor> Recuperado em 26 maio, 2018.

Instituto de Pesquisa Econômica Avançada [IPEA]. (2010). Pesquisa sobre pagamento por serviços ambientais urbanos para gestão de resíduos sólidos (relatório de pesquisa/2010), Brasília, DF: Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais (DIRUR) e Autor >Recuperado em 26 maio, 2018.

Jerônimo, R. N. T. e Souza, R. V. C. (2015). Psicologia Ambiental: Um estudo acerca da resistência frente à mineração em Içara, SC. Psicologia & Sociedade, 27(1), 80-86.

Kumar R, Somrongthong R, & Ahmed J.(2016). Impact of waste management training intervention on knowledge, attitude and practices of teaching hospital workers in Pakistan. Pakistan journal of medical sciences, 32(3), 705.

Lasch, F. A., & Wolff, D. B. (2010). Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde: um estudo de caso. Disciplinarum Scientia| Naturais e Tecnológicas, 11(1), 64-86.

Lei n. 6.437, de 20 de agosto de 1977 (1977). Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências. Diário Oficial da União.

Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010 (2010). Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União.

Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 (1998). Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União.

Marques, M. D. & Ferreira, O. M. (2006). Resíduos de serviços de saúde: ambiente, influência e geração. Universidade Católica de Goiás, Departamento de Engenharia Ambiental, Goiânia, GO, Brasil.

Mendonça, I. V., Oliveira, L. P., Gomes, S. C. S., Takayanagui, A. M. M., & Caldas, A. de J. M. (2018). Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde: uma questão de planejamento/health care wastes management: a planning issue. Revista de Pesquisa em Saúde, 18(1).

Ministério do Meio Ambiente. (n. d.). A política dos 5R’s. Disponível < http://www.mma.gov.br/informma/item/9410 > Recuperado em 26 maio, 2018.

Moreschi, C., Rempel, C., & Backes, D. S. (2015). A percepção de docentes de cursos de graduação da área da saúde acerca dos resíduos de serviços de saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, 38(3), 647-664.

Oliveira, J. M. de (2002). Análise do gerenciamento de resíduos de serviços de saúde nos hospitais de Porte Alegre. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil.

Pugliesi, E. (2010). Estudo da evolução da composição dos resíduos de serviços de saúde (RSS) e dos procedimentos adotados para o seu gerenciamento integrado, no hospital Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Carlos – SP. Tese de Doutorado, Escola de Engenharia de São Carlos – EESC, Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, Brasil.

Renju, R., Delvin T. R., e Vandanarani, Me (2018). Biomedical waste management in Ayurveda hospitals e current practices & future prospectives. Journal of Ayurveda and Integrative Medicine, SO975-9476(17), 30212-7.

RDC - Resolução da Diretoria Colegiada n. 222, de 28 de março de 2018 (2018). Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília, 2018. Regulamenta as Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e dá outras providências. Disponível em < http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/3427425/RDC_222_2018_.pdf/c5d3081d-b331-4626-8448-c9aa426ec410 > Recuperado em 27 maio, 2018.

RDC Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente n. 358, de 29 de abril de 2005 (2005). Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Disponível em < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=462 > Recuperado em 27 maio, 2018.

CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente – Resolução n. 275, de 25 de abril de 2001 (2001). Estabelece o código de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificação de coletores e transportadores, bem como nas campanhas informativas para a coleta seletiva. Disponível em < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=273 > Recuperado em 27 maio, 2018.

Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente n. 006, de 19 de setembro de 1991 (1991). Dispõe sobre o tratamento de resíduos sólidos provenientes de estabelecimentos de saúde, portos e aeroportos. Disponível < http://www.mma.gov.br/port/conama/legislacao/CONAMA_RES_CONS_1991_006.pdf > Recuperado em 27 maio, 2018.

Salomão, I. S., Trevizan, S. D. P. & Günther, W. M. R. (2004). Segregação de resíduos de serviços de saúde em centros cirúrgicos. Revista de engenharia sanitária e ambiental, 9(2), 108-111.

São Paulo. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal da Fazenda (2017). Taxa de resíduos sólidos de serviços de saúde (TRSS) (2017). http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/fazenda/servicos/taxaderesiduos/index.php?p=2366>Recuperado em 30 abril, 2017.

Silva, N. M. da & Rampelotto, E. M. (2012). Segregação dos resíduos sólidos hospitalares. Monografias Ambientais, 5(5), 1174-1183.

Sodré, M. S., & Lemos, C. F. (2017). O Cenário do Gerenciamento de Resíduos dos Serviços de Saúde no Brasil. In Forum Internacional de Resíduos Sólidos-Anais (Vol. 8, No. 8).

Souza, E. L. de (2015). Contaminação ambiental pelos resíduos de serviços de saúde. Revista Fafibe online, 8 p. http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistafafibeonline/sumario/10/19042010093412.pdf. Recuperado em 07 junho, 2018.

Souza, F. P., Jacintho M. G., Silva I. T. P. & Viana, K. P. G. (2013). Viabilidade da aplicação da logística reversa no gerenciamento dos resíduos dos serviços de saúde: um estudo de caso no hospital X. Perspectiva online: ciências exatas e engenharia, 3(6), 56-72.

Souza, T. C., Oliveira, C. F. D., & Sartori, H. J. F. (2015). Diagnostic management of medical waste in public establishments of municipalities that receive Ecological ICMS in the State of Minas Gerais. Engenharia Sanitaria e Ambiental, 20(4), 571-580.

Vergara, S. C. (2012). Métodos de coleta de dados no campo (Cap. 3, 2a ed., p. 77). São Paulo: Atlas, 98.

Yadav, V., Karmakar, S., Dikshit, A.K. & Bhurjee (2018). Interval-valued facility location model: An appraisal of municipal solid waste management system. Journal of Cleaner Production. 171, 250-263.

Zajac, M. A. L., Fernandes, R. O., David, C. J. & Aquino, S. (2016). Logística reversa de resíduos da classe D em ambiente hospitalar: monitoramento e avaliação da reciclagem no Hospital Infantil Cândido Fontoura. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GEAS, 5(1), 78-93.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i2.14924

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.