Auditoria e a prática do enfermeiro auditor: uma revisão integrativa da literatura

Magali Beatris da Silva Monteiro, Maria Angela Boccara De Paula

Resumo


Considerando a constante incorporação tecnológica pelo sistema de saúde brasileiro, a auditoria de enfermagem é uma especialidade em expansão na área da saúde e para a qual o enfermeiro auditor atua em instituições de saúde, pública ou privada, conforme Resolução COFEN n. 266/2001, visando atender as metas e objetivos administrativos, que refletem na qualidade da assistência prestada. Objetivou-se identificar publicações relacionadas à auditoria e a prática do enfermeiro auditor em periódicos científicos desde o seu reconhecimento pelo COFEN. Trata-se de revisão integrativa da literatura realizada nas bases de dados da CAPES, LILACS e SCIELO, no período de outubro de 2001 a dezembro de 2018. Foram utilizados artigos publicados no Brasil e no idioma português, sendo selecionados nove estudos que mostraram que o enfermeiro auditor desenvolve as atividades de auditoria em instituições de saúde, pública ou privada, principalmente por meio da análise retrospectiva dos registros de enfermagem no prontuário, visando o controle de custos operacionais e redução de glosas relacionadas aos insumos, anotações e técnicas de enfermagem, que influenciam a eficácia da gestão e assistência ao paciente, destacando-se também, a necessidade de maior investimento em educação permanente junto aos profissionais de enfermagem. Assim, a auditoria de enfermagem é uma importante ferramenta de gestão que é realizada frequentemente pelo enfermeiro auditor, a partir do método retrospectivo dos dados no prontuário do paciente, para promover controle de custos operacionais que influenciam, direta e indiretamente, a qualidade da assistência, lucratividade e sustentabilidade de instituições de saúde.

 


Palavras-chave


Auditoria de Enfermagem; Enfermeiro; Gestão em Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Abea (2018). Associação Brasileira de Enfermeiros Auditores. Atividades do Enfermeiro Auditor. Recuperado em 15 dezembro, 2018 de http://www.abea.org.br.

Amestoy, S. C., Backes, V. M. S., Thofehrn, M. B., Martini, J. G., Meirelles, B. H. S. & Trindade, L. L. (2013). Percepção dos enfermeiros sobre o processo de ensino-aprendizagem da liderança. Texto Contexto Enfermagem, 22(2): 468-75.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

Blank, C. Y., Sanches, E. N. & Leopardi, M. T. (2013). A prática do enfermeiro auditor hospitalar na região do Vale do Itajaí. Revista Eletrônica Enfermagem, 15(1), 233-242. Recuperado em 2 junho, 2018 de http://www.revenf.bvs.br/pdf/ree/v15n1/27.pdf.

Brasil (2009). Ministério da Saúde. Portaria nº. 1 996/GM/MS. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Brasília: MS. Recuperado em 08 abril, 2019 de http://portal.anvisa.gov.br/documents/33856/396770/Pol%C3%ADtica+Nacional+de+Educa%C3%A7%C3%A3o+Permanente+em+Sa%C3%BAde/c92db117-e170-45e7-9984-8a7cdb111faa.

Camelo, S. H. H., Pinheiro, A., Campos, D. & Oliveira, T. L. (2009). Auditoria de enfermagem e a qualidade da assistência à saúde: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica de Enfermagem, 11(4), 1018-1025. Recuperado em 14 abril, 2018 de https://www.fen.ufg.br/revista/v11/n4/pdf/v11n4a28.pdf.

Camilo, M. S.; Mota, E. A. (2018). Análise dos registros e anotações de enfermagem: uma revisão integrativa. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, 24(3), 66-71.

Caveião, C. Montezeli, J. H., Peres, A. M., Hey, A. P., Sales, W. B. & Costa, T. D. (2015). Competências requeridas do enfermeiro auditor para a prática profissional: revisão integrativa. Revista de Enfermagem UFPE, 9(10), 9584-9593.

Ceccin, R. B. (2005). Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 10(4), 975-986.

Ceccin Burg, R. B. (2005). Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 9(16), 161-177.

Ceccin, R. B.; Feuerwerker, L. C. M. (2004). O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1), 41-65.Recuperado em 20 janeiro, 2019 de https://www.scielosp.org/pdf/physis/2004.v14n1/41-65/pt.

Conselho Federal de Enfermagem (2001). Resolução n. 266/2001, de 05 de outubro de 2001. Aprova as atividades do enfermeiro auditor. Recuperado em 16 janeiro, 2018 de http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-2662001_4303.html.

Conselho Federal de Enfermagem (2009). Resolução n. 358/2009, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Recuperado em 15 novembro, 2018 de http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html.

Conselho Federal de Enfermagem (2012). Resolução n. 429/2012. Dispõe sobre o registro das ações profissionais no prontuário do paciente, e em outros documentos próprios da enfermagem, independente do meio de suporte - tradicional ou eletrônico. Recuperado em 16 janeiro, 2018 de http://www.coren-ro.org.br/resolucao-cofen-no-4292012_2155.html.

Conselho Federal de Enfermagem (2017). Resolução n. 0564/2017. Aprova o novo Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Recuperado em 10 março, 2018 de http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-5642017_59145.html/print/.

Costa, L. P. & Fossatti, P. (2015). Capacitação do Enfermeiro Auditor na Gestão em Saúde: Importância e Realidade. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde [RAHIS], 12(2), 70-80.

Delory-Momberger, C. A. (2016). Pesquisa biográfica ou a construção compartilhada de um saber do singular. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto) Biográfica, 1(1), 133-147.

Fazzolo Scarparo, A., Ferraz, C. A., Dias Pedreschi Chaves, L., Silva Gabriel Rotta, C. (2009). Abordagem Conceitual de Métodos e Finalidade da Auditoria De Enfermagem. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 10(1), 124-130.

Feldman, L. B., Gatto, M. A. F. &, Cunha, I. C. K. O. (2005). História da evolução da qualidade hospitalar: dos padrões a acreditação. Acta Paulista Enfermagem, 18(2), 213-239.

Fonseca, A. S., Yamanaka, N. M. A., Barison, T. H. A. S. & Luz, S. F. (2005). Auditoria e o uso de indicadores assistenciais: uma relação mais que necessária para a gestão assistencial na atividade hospitalar. O Mundo da Saúde, 29(2), 161-169.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4 ed.) São Paulo: Atlas.

Gunther, H. (2006). Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: Esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2), 201-210.

Koerich, C., Lanzoni, G. M. M., Coimbra, R., Tavares, K.S. & Erdmann, A.L. (2019). Recursos e competências para gestão de práticas educativas por enfermeiros: revisão integrativa. Revista Gaúcha de Enfermagem, 40(e20180031), 1-17.

Kurcgant, P. (1991). Administração em enfermagem. São Paulo, SP: EPU.

Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Conselho Federal de Enfermagem.

Linch, G., Lima, A., Souza, E., Nauderer, T., Paz, A. & Costa, C. (2017). Impacto de uma intervenção educativa na qualidade dos registros de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 25(e2938), 1-8.

Loureiro, L. H., Costa, L. M., Marques, V. L. & Hoyashi, C. M. T. (2018). Como a auditoria de enfermagem pode influenciar na qualidade assistencial. Revista Práxis, 10(19), 91-102.

Medrado, S. S. R. & Moraes, M. W. (2011). Auditoria de enfermagem em centro cirúrgico: atuação do enfermeiro auditor. Revista SOBECC, 16(1), 56-63.

Mendes, K. S. S., Silveira, R. C. C. P.; Galvão, C. M. (2008). Revisão Integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, 17(4), 758 - 764, out-dez.

Mezzomo, A. A. (1982). Serviço do prontuário do paciente: organização e técnica. São Paulo: Centro São Camilo de Desenvolvimento em Administração da Saúde.

Minayo, M. C. S. (2009). Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. (Cap. 5, pp. 9-29). Rio de Janeiro: Vozes.

Motta, A. L. C. (2003). Auditoria de enfermagem nos hospitais e operadoras de planos de saúde. São Paulo: Iátria.

Morais, C. G. X., Batista, E. M. S. B., Castro, J. F. L., Assunção, S. S. & Castro, G. M. O. (2015). Registros de enfermagem em prontuário e suas implicações na qualidade assistencial segundo os padrões de acreditação hospitalar: um novo olhar da auditoria. Revista Acreditação. 5(9), 64-84.

Nogueira de Sá, A. C. M. G., Ferreira, E. R. O., Xavier, J. C. & Alves, C. M. (2018). Contribuições da Educação Permanente para qualificação da assistência de enfermagem em um hospital público. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 22(1), 87-94.

Paim, C. R. P. & Ciconelli, R. M. (2007). Auditoria de avaliação da qualidade dos serviços de saúde. Revista de Administração de Saúde, 9(36), 85-91.

Pereira, P. M., Petry, P., Porto, A. R. & Thofehrn, M. B. (2010). A importância do enfermeiro auditor na qualificação da assistência profissional. Revista Enfermagem UFPE, 4(2), 504-509.

Pinto, K. A. & Melo, C. M. M. (2010). A Prática da Enfermeira em Auditoria em Saúde. Revista da Escola de Enfermagem USP, 44(3), 671 – 678. Recuperado em 24 de abril, 2018 de www.ee.usp.br/reeusp/.

Riolino, A. N. & Kliukas, G. B. V. (2003). Relato de experiência de Enfermeiras no campo de auditoria de prontuário: uma ação inovadora. Revista Nursing, 6(65), 35-38.

Rothbarth, S.; Wolff, L. D. G.; Peres, A. M. (20009). O desenvolvimento de competências gerenciais do enfermeiro na perspectiva de docentes de disciplinas de administração aplicada à enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, 18(2), 321-329.

Santos, Santana, Vieira, Garcia & Trippo, C. A. Santana, E. J. S., Vieira, R. P., Garcia, E. G. & Trippo, K. V. (2012). Auditoria e o enfermeiro como ferramentas de aperfeiçoamento do SUS. Revista Baiana Saúde Pública, 36(2), 539-559.

Scarparo, A. F., Ferraz, C. A., Chaves, L. D. P. & Gabriel, C. S. (2010). Tendências da Função do Enfermeiro Auditor no Mercado em Saúde. Texto e Contexto Enfermagem, 19(1), 85-92.

Silva, G. M. & Seiffert, O. M. L. B. (2009). Educação continuada em enfermagem: uma proposta metodológica. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(3), 362-366.

Siqueira, P. L. F. (2014). Auditoria em saúde e atribuições do enfermeiro auditor. Caderno Saúde e Desenvolvimento, 3(2), 5-19.

Sociedade Brasileira de Enfermeiros Auditores em Saúde (2018). Atribuições do enfermeiro auditor. Recuperado em 01 de junho, 2018 de http://www.sobeas.org.br.

Souza, M.T.; Silva, M.D. & Carvalho, R. (2010). Revisão Integrativa: O que é? Como fazer? Einstein, 8(1), 102-106.

Treviso, P., Peres, S. C., Silva, A. D., Santos, A. A. (2017). Competências do enfermeiro na gestão do cuidado. Revista de Administração em Saúde, 17(4), 1-15.

Viana, C. D., Bragas, L. Z. T., Lazzari, D. D., Garcia, C. T. F. & Moura, G. M. S. (2016). Implantação da auditoria concorrente de enfermagem: um relato de experiência. Texto Contexto Enfermagem, 25(1), 1-7.

Vosgerau, D. S. A. R. & Romanowski, J. P. (2014). Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista Diálogo Educacional, 14(41), 165-189.

Whittemore, R.; Knafl, K. (2005). The integrative review: updated methodology.Journal of Advanced Nursing, 52(5), 546–553.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i1.15909

Apontamentos



Direitos autorais 2020 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.