Análise de viabilidade financeira da radioterapia do SUS: estudo de caso em Belo Horizonte

Daniel Pereira Alves de Abreu, Antônio Artur de Souza, Simone Evangelista Fonseca, Sabrina Espinele da Silva

Resumo


Dados do Ministério Público apontam o câncer como a segunda maior causa de morte por enfermidade no país. Dentre as formas de terapia para essa doença, destaca-se a radioterapia, procedimento que emprega o uso de radiação para eliminação ou controle das células cancerígenas. O objetivo do trabalho foi analisar a viabilidade da manutenção deste tipo de tratamento para pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), tendo em vista uma defasagem no reajuste a tabela desde 2008 até maio de 2019. Foi utilizada uma abordagem quantitativa via uso de indicadores financeiros e simulações de múltiplos cenários com base em um estudo de caso de uma clínica de radioterapia credenciada ao SUS em Belo Horizonte. A coleta de dados ocorreu diretamente com planilhas de controle da instituição e suas demonstrações contábeis de 2017 e 2018. Como conclusão da pesquisa, constatou que, com a alteração da forma de repasse do SUS, o potencial de crescimento da clínica analisada foi potencializado, bem como reduziu uma parte de seus riscos. Entretanto, foi identificado também que dependência significativa de receitas advindas de convênios particulares, bem como a inexistência de viabilidade caso a clínica atendesse apenas pacientes do SUS considerando os valores de repasse de 2008.


Palavras-chave


Viabilidade financeira; SUS; Radioterapia

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Brasil. (2018) Pesquisa mostra que quase 70% dos brasileiros não têm plano de saúde particular. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-02/pesquisa-mostra-que-quase-70-dos-brasileiros-nao-tem-plano-de-saude-particular. Acessado em 16/03/2019.

Araújo, L. P., Sá, N. M. & Moraes Atty, A. T. (2016). Necessidades atuais de radioterapia no SUS e estimativas para o ano de 2030. Revista Brasileira de Cancerologia, 62(1), 35–42.

Blois, L. A. & Moreira, E. F. P. (2014). Análise de custos–benefícios de implantação de serviço de radioterapia para tratamento de câncer com equipamentos do tipo LINAC (aceleradores lineares). Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, 16(4), 193–198.

Bócoli, K. H., Veiga, D. F., Cabral, I. V., Carvalho, M. P. D., Novo, N. F., Veiga Filho, J. & Ferreira, L. M. (2013). Surgical treatment of skin carcinomas in the Brazilian Unified Health System: costs analysis. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 40(6), 449–452.

Borba, V. R. (2006). Do planejamento ao controle de gestão hospitalar: instrumento para o desenvolvimento empresarial e técnico. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Brasil. Lei nº. 8.080, de 19 de setembro de 1990. (1990). Presidência da República do Brasil.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à saúde. Portaria N 263 de 22 de fevereiro de 2019. (2019). Atualiza os procedimentos radioterápicos da Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário oficial da União, p. 43.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 346, de 23 de junho de 2008. (2008). Diário Oficial da União.

Bruni, A. L., Famá, R. & Siqueira, J. D. O. (1998). Análise do risco na avaliação de projetos de investimento: uma aplicação do método de Monte Carlo. Caderno de pesquisas em Administração, 1(6), 1.

Calcina, C. S. G., De Almeida, A. & Rocha, J. R. O. Análises de protocolos de braquiterapia, por alta taxa de dose, do controle de qualidade de alguns serviços locais, baseados no TG40, TG56 e ARCAL XXX. Radiologia Brasileira, v. 34, n. 4, p. 225–232, 2001.

Castro, A. P. D., Neves, V. R. & Aciole, G. G. (2011). Diferenças regionais e custos dos procedimentos de fisioterapia no Sistema Único de Saúde do Brasil, 1995 a 2008. Revista Panamericana de Salud Pública, 30, 469–476.

Denzin, N. K., Lincoln, Y. S. & Giardina, M. D. (2006). Disciplining qualitative research. International journal of qualitative studies in education, 19(6), 769–782.

Ehrhardt, M. C. & Brigham, E. F. (2012). Administração financeira: teoria e prática. São Paulo: Cengage Learning.

Entringer, A. P., Pinto, M. F. T. & Gomes, M. A. D. S. M. (2019). Análise de custos da atenção hospitalar ao parto vaginal e à cesariana eletiva para gestantes de risco habitual no Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 24, 1527–1536.

Figueiredo, M. F. (2015). Direito à saúde. Bahia, Editora Juspodivm 4.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de empresas, 35(3), 20–29.

Gujarati, D. N. & Porter, D. C. (2011). Econometria Básica-5. Amgh Editora.

Instituto Nacional De Câncer. (2017). ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do câncer.

Halperin, E. C. (2004). The discipline of radiation oncology. W: Perez and Brady’s (red.) Principles and practice of radiation oncology.

Hardaway, R. B. (2000). Ten financial components of a successful hospital/system. Trustee, 53(10), 16–16.

La Forgia, G. M. & Couttolenc, B. F. (2009). Desempenho hospitalar no Brasil. São Paulo: Singular.

Lana, A. P. (2018). Análise dos custos diretos da assistência oncológica no Sistema Único de Saúde.

Malagón-Londoño, G., Morera, R. G. & Laverde, G. P. (2003). Administração Hospitalar. Buenos Aires: Editorial Médica Panamericana, 2.

Maricica, M. & Georgeta, V. (2012). Business failure risk analysis using financial ratios. Procedia – Social and Behavioral Sciences, 62, p. 728–732.

Martins, G. D. A. (2002). Manual para elaboração de monografias e dissertações.

Médici, A. C. (2001). Hospitais universitários: passado, presente e futuro. Rev Assoc Med Bras, 47(2), 149–56.

Nader, G. (2014). Radiobiologia: princípios básicos aplicados à prática clínica. Diagn. tratamento, 19(1).

Paim, J. S. (2009). O Que é SUS. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Pires, M. B. N., de Oliveira, R., de Alcantara, C. C. V. & Abbas, K. (2017). A Relação entre a Remuneração do Sistema Único de Saúde, os Custos dos Procedimentos Hospitalares e o Resultado: Estudo nas Santas Casas de Misericórdia do Estado de São Paulo. RAHIS, 14(3).

Santos, N. P., Kos, S. R. & Klein, L. (2018). Paralelo entre o valor repassado pelo SUS e o custo dos procedimentos em um hospital beneficente. ABCustos, 13(3).

Santos, R. V., Borgert, A. & Borgert, E. A. (2017). Relação entre os custos de um hospital universitário e o reembolso do Sistema Único de Saúde-SUS. In: Anais do Congresso Brasileiro de Custos-ABC.

Solla, J. & Chioro, A. (2008). 17. ATENÇÃO AMBULATORIAL ESPECIALIZADA.

Souza, A. A., Xavier, A. G., Matos Lima, L. C. & Guerra, M. (2013). Análise De Custos Em Hospitais: Comparação Entre Os Custos De Procedimentos De Urologia E Os Valores Repassados Pelo Sistema Único De Saúde. ABCustos, 8(1).

Souza, A. A., Guerra, M., Lara, C. O. & Gomide, P. L. R. (2008). Controle de gestão em organizações hospitalares. XII Congresso de Contabilidade e Auditoria, Portugal. Anais...

Sousa, A. F. M. D. (2019). Custos cirúrgicos versus repasse do SUS: Conhecendo a realidade do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia.

Stewart, J. (2003). The national health service in Scotland, 1947–74: Scottish or British?. Historical Research, 76(193), 389–410.

Vieira, F. S. & Piola, S. F. (2016). Restos a pagar de despesas com ações e serviços públicos de saúde da União: impactos para o financiamento federal do Sistema Único de Saúde e para a elaboração das contas de saúde (No. 2225). Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Weston, J. F. & Brigham, E. F. (2000). Fundamentos da administração financeira. 10 ed. São Paulo: Makron

Wolff, L. D. G. (2005). Um modelo para avaliar o impacto do ambiente operacional na produtividade de hospitais brasileiros.(Tese de Doutorado).

Young, S. D., O'byrne, S. F., Young, D. S., Young, S. & O'Byrne Stephen. (2000). EVA and value-based management. McGraw-Hill Professional Publishing.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i1.16343

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.