Associação entre função física e incapacidade autorrelatada em idosos comunitários: uma abordagem de acordo com o Modelo de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde

Renata Antunes Lopes, Karouley Fernandes, Alessandra Freitas, Andressa Souza, Rafaela Oliveira

Resumo


Introdução: Deficiências como fraqueza muscular tendem a aumentar com o envelhecimento e a incapacidade pode ameaçar a qualidade de vida dos idosos. Objetivo: investigar se há correlação entre preensão manual e incapacidade em idosos comunitários. Métodos: Participaram 62 idosos (70,14 ± 6,29 anos). Foram investigados: idade, sexo, nível de escolaridade, estado civil, classe econômica, função física (força de preensão manual) e incapacidade pelo instrumento WHODAS 2.0. Estatística: descritiva e Coeficiente de Correlação de Spearman. Resultados: Os idosos apresentaram média de idade de 70,14 anos e, em sua maioria, eram do sexo feminino, casados, baixo grau de escolaridade e renda média-baixa. Observou-se correlação negativa estatisticamente significativa entre a incapacidade e força de pensão manual, assim como entre preensão manual e cognição e mobilidade no WHODAS. Os demais domínios do WHODAS não apresentaram correlação significativa com a preensão manual. Conclusão: A função física avaliada foi correlacionada com níveis de incapacidades nos idosos.


Palavras-chave


Idosos; Força Muscular; Incapacidade; Função

Texto completo:

PDF

Referências


Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev Bras Geriatr Gerontol.2016; 19( 3 ): 507-519.

Silva AP, Pureza DY, Landre CB. Síndrome da fragilidade em idosos com diabetes mellitus tipo 2. Acta Paul Enferm. 2015; 28(6):503-509.

Nepomuceno Marília Regina, Turra Cássio Maldonado. Tendências da expectativa de vida saudável de idosas brasileiras, 1998-2008. Rev. Saúde Públ. 2015; 49: 1.

Lana LD, Schneider RH. Síndrome de fragilidade no idoso: uma revisão narrativa. RBGG. 2014; 17(3): 673-80.

Organização Mundial da Saúde. Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. São Paulo: Edusp; 2003.

Oliveira DV, Júnior JRAN, Paulo DLV, Cavaglieri CR, Pereira DA et al. Comparação da capacidade funcional autorrelatada entre idosos brasileiros e japoneses institucionalizados. Rev Pesq Fisioter. 2016; 6(3): 268-75.

Duarte MR, Santos MLT, Batista MFG, Moura P. Rev Digital EF Desportes. 2014; 19(192)

Rubenstein LV Calkins DR, Greenfield S, Jette AM, Meenan RF et al. Health status assessment for elderly patients. Report of the Society of General Internal Medicine Task Force on Health Assessment. J Am Geriatr Soc.1989; (37): 562- 69.

Smeltzer SC, Bare BG. Tratado de enfermagem medico-cirúrgica. 2009;1(11).ed. Guanabara-Koogan.

Júnior CMP, Reichenheim ME. Uma revisão sobre instrumentos de avaliação do estado funcional do idoso. Cad Saúde Públ. 2005;21(1):07- 19.

Folstein MF, Folstein SE, McHugh PR. Mini-mental state: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiatric Res. 1975;12:189-98.

Üstün TB, Chatterji S, Kostanjsek N, Rehm J, Kennedy C, Epping-Jordan J, et al. WHO/NIH Joint Project. Developing the World Health Organization Disability Assesment Schedule 2.0. Bull WHO. 2010;88:815-23.

Silva C, Coleta I, Silva AG, Amaro A, Alvarelhão J et al . Adaptação e validação do WHODAS 2.0 em utentes com dor musculoesquelética. Rev Saúde Públ. 2013;47(4):752-8

Nielsen LM, Kirkegaard H, Østergaard LG, Bovbjerg K, Breinholt K, Maribo T. Comparison of self-reported and performance-based measures of functional ability in elderly patients in an emergency department: implications for selection of clinical outcome measures BMC Geriatr (2016) 16:199

Hammond R. Evaluation of physiotherapy by measuring outcome. Physiother. 2000; 86(4):170-2.

Kim CM, ENG JJ. The Relationship of Lower-Extremity Muscle Torque to Locomotor Performance in People With Stroke. Phys Ther. 2003; 83:49-57.

Kuh D, Bassey EJ, Butterworth S, Hardy R, Wadsworth ME .The Musculoskeletal Study Team. Grip strength, postural control, and functional leg power in a representative cohort of British men and women: associations with physical activity, health status, and socioeconomic conditions. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2005;60: 224-31.

Taekema DG, Gussekloo J, Maier AB,Westendorp RGJ, Craen AJM. Handgrip strength as a predictor of functional, psychological and social health. A prospective population based study among the oldest old. Age Ageing. 2010; 39: 331-37.

Marsh AP, Rejeski WJ, Espeland MA, Miller ME, Church TS et al. Muscle Strength and BMI as Predictors of Major Mobility Disability in the Lifestyle Interventions and Independence for Elders Pilot (LIFE-P). J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2011; 66(12):1376-83.

Hairi FM, Mackenbach JP, Andersen-Ranberg K et al. Does socio-economic status predict grip strength in older Europeans? Results from the SHARE study in non-institutionalised men and women aged 50+. J Epidemiol Community Health. 2010; 64(9):829-37.

Manini TM, Hong SL, Clark BC. Aging and muscle: a neuron’s perspective. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2013;16(1): 21-26.

Abe M, Hanakawa T. Functional coupling underlying motor and cognitive functions of the dorsal premotor cortex. Behav Brain Res. 2009; 198(1):13-23.

Olivier E, Davare M, Andres M, Fadiga L. Precision grasping in humans: from motor control to cognition. Curr Opin Neurobiol 2007; 17(6):644-648.

Matsudo SM, Matsudo VKR, Neto TLB, Araújo TL. Evolução do perfil neuromotor e capacidade funcional de mulheres fisicamente ativas de acordo com a idade cronológica. Revs Bras Med Esporte.2003; 9(6):365-76.

Carvalho J, Oliveira J, Magalhães J, Ascensão A, Mota J, Soares JMC. Força muscular em idosos II — Efeito de um programa complementar de treino na força muscular de idosos de ambos os sexos. Rev Port Cien Desp. 2004;4(1):58-65.

Benedetti TRB, Meurer ST, Borges LJ, Conceição R, Lopes MA, Morini S. Associação entre os diferentes testes de força em idosos praticantes de exercícios. Fit Perf J. 2010;9(1):52-57.

Bohannon RW, Magasi SR, Bubela DJ, Ying-ChinWang, Gershon RC. Grip and knee extension muscle strength reflect a common construct among adults. Muscle nerve 46: 555–558, 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas [Internet]. Censo Demográfico 2010 [cited 2019 March 21].




DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v18n2.11142

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN da versão impressa: 1677-1028
ISSN da versão online: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.