Comparação do índice de massa muscular e força muscular de joelho em idosos através da dinamometria isocinética e teste senta e levanta em 30 segundos

Graziela Morgana Silva Tavares, Daniela Virote Kassick Müller, Maria Gabriela Valle Gottlieb

Resumo


Objetivo: comparar o índice de massa muscular e força muscular de flexores e extensores de joelho entre mulheres e homens idosos. Métodos: estudo descritivo, transversal e comparativo com 105 idosos (37 homens e 68 mulheres). A avaliação constou de variáveis antropométricas, mensuração de força muscular dos flexores e extensores de joelho por dinamometria isocinética e teste senta e levanta 30 segundos (TSL30). Os dados foram analisados pelo teste t para amostras independentes com nível de significância de 95% (p<0,05). Resultados: foram evidenciadas diferenças estatisticamente significantes no índice de massa muscular, pico de torque, percentual de fadiga, trabalho e potência dos flexores e extensores dos joelhos nas velocidades de 60 e 180º/seg. Conclusão: homens idosos, mesmo apresentando maior diminuição de massa muscular quando comparados às mulheres da mesma faixa etária, apresentam a força, potência e resistência à fadiga com maiores níveis quando avaliados pela dinamometria isocinética. Entretanto, quando a força é analisada através de uma atividade funcional, como o TSL30, observou-se que, independente do sexo, idosos apresentam valores semelhantes.


Palavras-chave


Idosos; Força Muscular; Dinamômetro de Força Muscular; Joelho

Texto completo:

PDF

Referências


Borges GM, Ervatti LR, Jardim AdP. Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI : subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro De Geografia e Estatística - IBGE; 2015. 156p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv93322.pdf

De Luca d'Alessandro E, Bonacci S, Giraldi G. Aging populations: the health and quality of life of the elderly. Clin Ter. 2011;162(1):e13-8. Disponível em: http://www.seu-roma.it/riviste/clinica_terapeutica/apps/autos.php?id=845

Schneider RH, Irigaray TQ. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia (Campinas). 2008;25:585-93. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2008000400013

Lacourt MX, Marini LL. Decréscimo da função muscular decorrente do envelhecimento e a influência na qualidade de vida do idoso: uma revisão de literatura. RBCEH. 2006:114-21. https://doi.org/10.5335/rbceh.2012.51

Gottlieb MG, Closs VE, Rosemberg LS, Borges CA, Baptista RR, Tavares GM, et al. Lack of association of body composition and functionality variables with metabolic syndrome in the elderly. Metab Syndr Relat Disord. 2014;12(7):397-401. https://doi.org/10.1089/met.2014.0012

de Araújo APS, Bertolini SMMG, Martins Junior J. Alterações morfofisiológicas decorrentes do processo de envelhecimento do sistema musculoesquelético e suas consequências para o organismo humano Perspectivas online: biológicas e saúde. 2014;12(22-34). https://doi.org/10.25242/8868412201442

Davini R, Nunes CV. Alterações no sistema neuromuscular decorrentes do envelhecimento e o papel do exercício físico na manutenção da força muscular em indivíduos idosos. Braz J Phys Ther. 2003;7(3):201-7.

Garcia PA, Dias JMD, Dias RC, Santos P, Zampa CC. Estudo da relação entre função muscular, mobilidade funcional e nível de atividade física em idosos comunitários. Braz J Phys Ther. 2011;15:15-22. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=235019132003

Puthoff ML, Nielsen DH. Relationships Among Impairments in Lower-Extremity Strength and Power, Functional Limitations, and Disability in Older Adults. Phys Ther. 2007;87(10):1334-47. https://doi.org/10.2522/ptj.20060176

Misu S, Doi T, Asai T, Sawa R, Tsutsumimoto K, Nakakubo S, et al. Association between toe flexor strength and spatiotemporal gait parameters in community-dwelling older people. J Neuroeng Rehabil. 2014;11:143. https://doi.org/10.1186/1743-0003-11-143

Carvalho J, Oliveira J, Magalhães J, Ascensão A, Mota J, Soares JMC. Força muscular em idosos II — Efeito de um programa complementar de treino na força muscular de idosos de ambos os sexos. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2004;4(1):58–65.

Jones CJ, Rikli RE, Beam WC. A 30-s chair-stand test as a measure of lower body strength in community-residing older adults. Res Q Exerc Sport. 1999;70(2):113-9. https://doi.org/10.1080/02701367.1999.10608028

Cho KH, Bok SK, Kim Y-J, Hwang SL. Effect of Lower Limb Strength on Falls and Balance of the Elderly. Ann Rehabil Med. 2012;36(3):386-93. https://dx.doi.org/10.5535/arm.2012.36.3.386

Terreri ASAP, Greve JMD, Amatuzzi MM. Avaliação isocinética no joelho do atleta. Rev Bras Med Esporte. 2001;7(5):170-4. https://doi.org/10.1590/S1517-86922001000500005

Cardiologia SBd, Hipertensão SBd, Nefrologia SBd. V Diretrizes brasileiras de hipertensão arterial. Rev bras hipertens. 2006;13(4):260-312.

Lee RC, Wang ZM, Heo M, Ross R, Janssen I, Heymsfield SB. Total-body skeletal muscle mass: development and cross-validation of anthropometric prediction models1–3. Am J Clin Nutr 2000;72:796–803. https://doi.org/10.1093/ajcn/72.3.796

Janssen I, Heymsfield SB, Baumgartner RN, Ross R. Estimation of skeletal muscle mass by bioelectrical impedance analysis. J Appl Physiol. 2000; 89(2): 465-71. https://doi.org/10.1152/jappl.2000.89.2.465

Deschenes MR. Effects of aging on muscle fibre type and size. Sports Med. 2004;34(12):809-24. https://doi.org/10.2165/00007256-200434120-00002

Kauffman TL. Manual de reabilitação geriátrica. Rio de Janeiro, RJ. Guanabara Koogan. 2001.

Sowers MR, Crutchfield M, Richards K, Wilkin MK, Furniss A, Jannausch M, et al. Sarcopenia is related to physical functioning and leg strength in middle-aged women. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2005;60(4):486-90. https://doi.org/10.1093/gerona/60.4.486

Pícoli TdS, Figueiredo LLd, Patrizzi LJ. Sarcopenia e envelhecimento. Fisioter Mov. 2011;24:455-62. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000300010

Campbell AJ, Robertson MC, Gardner MM, Norton RN, Buchner DM. Falls prevention over 2 years: a randomized controlled trial in women 80 years and older. Age ageing. 1999;28(6):513-8. https://doi.org/10.1093/ageing/28.6.513

Matsudo SM, Matsudo VKR, Barros Neto TL. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Rev Bras Ciên e Mov. 2000;8(4):21-32. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/372/424

Janssen I, Heymsfield SB, Wang ZM, Ross R. Skeletal muscle mass and distribution in 468 men and women aged 18-88 yr. J Appl Physiol (1985). 2000;89(1):81-8. https://doi.org/10.1152/jappl.2000.89.1.81

Fechine BRA, Trompieri N. O processo de envelhecimento: As principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. InterScience Place. 2012;1(7):106-94. Disponível em: http://www.interscienceplace.org/isp/index.php/isp/article/view/196/194

Iannuzzi-Sucich M, Prestwood KM, Kenny AM. Prevalence of sarcopenia and predictors of skeletal muscle mass in healthy, older men and women. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2002;57(12):M772-7. https://doi.org/10.1093/gerona/57.12.M772

Baptista RR, Vaz MA. Arquitetura muscular e envelhecimento: adaptação funcional e aspectos clínicos; revisão da literatura. Fisioter Pesq. 2009;16:368-73. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/108130

Szulc P, Duboeuf F, Marchand F, Delmas PD. Hormonal and lifestyle determinants of appendicular skeletal muscle mass in men: the MINOS study. Am J Clin Nutr. 2004;80(2):496-503. https://doi.org/10.1093/ajcn/80.2.496

Orsatti FL, Dalanesi RC, Maestá N, Náhas EAP, Burini RC. Redução da força muscular está relacionada à perda muscular em mulheres acima de 40 anos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2011;13(1):36-42. http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2011v13n1p36

Silva TAA, Frisoli A, Pinheiro MM, Szejnfeld VL. Sarcopenia Associada ao Envelhecimento: Aspectos Etiológicos e Opções Terapêuticas. Rev Bras Reumatol. 2006;46(6):391-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbr/v46n6/06.pdf




DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v18n2.11460

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN da versão impressa: 1677-1028
ISSN da versão online: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.