Avaliação do estresse físico e psicológico de praticantes de esporte de orientação

Keithy Krabbe de Almeida, Nayara Costa Araujo, Miguel Junior Sordi Bortolini, Eduardo Luzia França, Aníbal Monteiro de Magalhães Neto

Resumo


Introdução: a orientação é um esporte de corrida de resistência composto por componentes físicos e cognitivos. Objetivos: avaliar as alterações no nível de estresse e a intensidade do exercício físico em atletas de Orientação. Métodos: foram selecionados 40 praticantes do esporte. Aplicou-se a Escala de Percepção de Esforço adaptada e o questionário de Lipp nos atletas antes e depois da corrida. Utilizou-se na análise dos dados o teste t e análise estatística de média e erro padrão. Resultados: houve aumento significativo no nível de esforço físico e da sintomatologia de estresse físico nos participantes após a corrida. Conclusão: a Orientação pode ser considerado um esporte de alta intensidade e causa aumento dos níveis de estresse físico em seus praticantes. Esta resposta ao estresse pode afetar o desempenho dos orientistas. Estes resultados permitiram-nos ter uma melhor compreensão da resposta ao estímulo do organismo e, posteriormente, melhorar o treinamento desses atletas.


Palavras-chave


Esforço físico; Estresse fisiológico; Adaptação

Texto completo:

PDF

Referências


Žákovská A, Knechtle B, Chlíbková D, Miličková M, Rosemann T, Nikolaidis PT. The Effect of a 100-km Ultra-Marathon under Freezing Conditions on Selected Immunological and Hematological Parameters. Front Physiol 2017;12(8): 638. doi: 10.3389/fphys.2017.00638.

Lopes DPS, Muniz I PR, Silva RA. A. Intensidade de exercício físico e imunomodulação: impactos em infecções das vias aéreas. Saúde e Pesqui. 2016;9(1):175-186.

Lovallo W R. Stress and Health: Biological and Psychological Interactions. SAGE Publications, 3.ed. United States of American; 2015.

Verardi CEL, Miyazak MCOS, Nagamine KK, Lobo APS, Domingos NAM. Esporte, stress e burnout. Estud. psicol. (Campinas) 2012;29(3):305-313. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2012000300001.

Robazza C et al. Psychophysiological responses of junior orienteers under competitive pressure. Ardigò LP, ed. PLoS One 2018;13(4). doi: 10.1371/journal.pone.0196273.

Creagh U, Reilly T. Physiological and biomechanical aspects of orienteering. Sports Med. 1997;24(6):409–418.

Roos L, Taube W, Zuest P, Clénin G, Wyss T. Musculoskeletal Injuries and Training Patterns in Junior Elite Orienteering Athletes. Biomed Research International 2015. http://dx.doi.org/10.1155/2015/259531.

Etchepare LC, Pereira ÉF, Villis JMC, Zinn JL. Perfil físico de atletas de orientação. Rev Educ Fís UEM 2003;14(2): 65-71.

Millet G, Divert C, Banizette M, Morin JB. Changes in running pattern due to fatigue and cognitive load in orienteering. J Sports Sci 2010;27: 1-8. doi: 10.1080/02640410903406190.

Hébert-losier K, Platt S, Hopkins WG. Sources of Variability in Performance Times at the World Orienteering Championships. Med Sci Sports Exerc 2015;47(7):1523-1530. doi: 10.1249/MSS.0000000000000558.

Borg G. Escalas de Borg para a Dor e Esforço Percebido. Manole: São Paulo; 2000.

Lipp MEN. Inventário de sintomas do stress para adultos. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2000.

Scherr J, Wolfarth B, Christle JW, Pressler A, Wagenpfeil S, Halle M. Associations between Borg’s rating of perceived exertion and physiological measures of exercise intensity. Eur J Appl Physiol 2013;113(1):147-55. doi: 10.1007/s00421-012-2421-x.

Tiggemann CL, Pinto RS, Kruel LFM. A Percepção de Esforço no Treinamento de Força. Rev Bras Med Esporte 2010;16(4):301-309. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922010000400014.

Visker J, Rider T, Humphers-Ginther A. Ministry-Related Burnout and Stress Coping Mechanisms Among Assemblies of God-Ordained Clergy in Minnesota. J Relig Health 2017;56(3):951-961. doi: 10.1007/s10943-016-0295-7.

Krause N. Assessing the relationships among stress, god-mediated control, and psychological distress/well-being: Does the level of education matter? J Soc Psychol 2018; 24:1-13. doi: 10.1080/00224545.2018.1431604.

Dhabhar, FS The short-term stress response – Mother nature’s mechanism for enhancing protection and performance under conditions of threat, challenge, and opportunity. Front. Neuroendocrinol. 2018:18. doi: 10.1016/j.yfrne.2018.03.004.

Disley J I. Tackle Orienteering. London: Stanley Paul; 1980.

Cerin E, Szabo A, Hunt N, Williams C. Temporal patterning of competitive emotions: A critical review. J Sports Sci, 2000;18:605-626. doi: 10.1080/02640410050082314.

Almeida RACS. Análise preliminar da influência anaeróbia no desempenho de atletas de orientação, Rev. Cient. da FIEP. Special Edition Article I 2010;80.

Lipp MEN. O manejo do stress. Em B. Range (Org.), Psicoterapia comportamental e cognitiva: Pesquisa, prática, aplicações e problemas. Campinas: Editorial Psy II; 1995.

Paixão JA. Esporte de aventura como conteúdo possível nas aulas de educação física escolar. Motrivivência, Florianópolis 2017;29(50):170-182. doi: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2017v29n50p170.




DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v18n2.11644

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN da versão impressa: 1677-1028
ISSN da versão online: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.