Associação da capacidade funcional com nível de exercício físico de idosos

Thiago Neves, Laudyceia Mioto Silva, Anna Carolina Daltro Pereira, Juari José Regis

Resumo


Introdução: O envelhecimento aliado ao sedentarismo tem como consequência, a diminuição do desempenho motor na realização das atividades da vida diária (AVD).  

Objetivo: Associar a capacidade funcional com o nível de exercício físico de idosos, participantes de um grupo de convivência da cidade de Diamantino, Mato Grosso, Brasil.  

Métodos: Estudo transversal com 94 idosos (≥ 60 anos) participantes de um grupo de convivência da cidade de Diamantino, Mato Grosso, Brasil. Utilizou-se um questionário para coletar informações sobre perfil sociodemográfico, comportamentais, condições de saúde física, nível de exercício físico (EF), além dos instrumentos que que mediram as atividades básicas (ABVD) e instrumentais (AIVD) da vida diária. O teste Qui-quadrado foi utilizado para analisar a associação dos níveis de EF com as ABVD e AIVD.

Resultados: A média de idade foi de 69,16±7,59 anos, com o IMC elevado, classificando-os com excesso de peso. Houve maior predominância de mulheres, viúvas, mulatas/caboclas/pardas, baixa escolaridade e renda, com problemas cardiovasculares evidentes. Encontrou-se idosos com níveis insuficientes de EF (20,2%). O nível satisfatório de exercícios físicos foi associado com as AIVD, mas não com as ABVD.

Conclusão: Ao avaliar a capacidade funcional e o estilo de vida dos idosos, pode-se buscar e planejar estratégias que retardem o aparecimento das incapacidades, e viabilizem a reabilitação quando estas forem detectadas. Além de estimular a prática de EF que atinja os níveis aceitáveis e consequentemente influencie na qualidade de vida dos idosos.


Palavras-chave


Expectativa de Vida Ativa; Exercício; Idoso.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization - WHO. World report on ageing and health. World Health Organization; 2015. 247 p.

Qadir U. UN Development Programme (UNDP). Human Development Report 2015-Work for Human Development. Pak Dev Rev. 2015;54(3):277–8.

Castro AA De. Qualidade de vida e capacidade funcional em idosos adeptos a educação física gerontológica. :39–55.

Iezzoni LI. Using administrative data to study persons with disabilities. Milbank Q. 2002 Jan;80(2):347–79.

Rosa TE da C, Benício MHD, Latorre M do RD de O, Ramos LR. Fatores determinantes da capacidade funcional entre idosos. Rev Saude Publica. 2003 Feb;37(1):40–8.

Abla O, Palmert MR. Reversal of LCH-related diabetes insipidus and reappearance of posterior pituitary bright spot with low-dose chemotherapy. Pediatr Blood Cancer [Internet]. 2012/01/10. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?cmd=Retrieve&db=PubMed&dopt=Citation&list_uids=22223352

Alves LC, Leite I da C, Machado CJ. Conceituando e mensurando a incapacidade funcional da população idosa: uma revisão de literatura. Cien Saude Colet. 2008 Aug;13(4):1199–207.

Katz S. Studies of Illness in the Aged. JAMA. 1963 Sep 21;185(12):914.

Lawton MP, Brody EM. Assessment of older people: self-maintaining and instrumental activities of daily living. Gerontologist. 1969;9(3):179–86.

Crimmins EM, Hayward MD, Saito Y. Changing Mortality and Morbidity Rates and the Health Status and Life Expectancy of the Older Population. Demography. 1994 Feb;31(1):159.

Andreotti RA, Okuma SS. Validating a test battery of activities of daily living for physically independent elderly. Rev Paul Educ Física [Internet]. 1999 Jun 20;13(1):46. Available from: https://www.revistas.usp.br/rpef/article/view/137759

Marinho da Silveira M, Silva Tavares GM, Zuppa C, Wetters Portuguez M, Gomes da Silva Filho I, Attilio De Carli G, et al. Análise da qualidade de vida de idosos frequentadores de oficinas de informática. ConScientiae Saúde. 2013;12(4).

Silva WF, Almeida AR, Santos DT, Silveira MB. Os benefícios da atividade física para qualidade de vida dos idosos em um clube da terceira idade na cidade de Porterinha, MG. Rev Dig Buenos Aires. 2010;15:149.

da Silveira MM, Pasqualotti A, Colussi EL. Envelhecimento e usuários de informática: repercussões de um programa ergonômico. Estud Interdiscip sobre o Envelhec. 2012;19(1).

Lopes dos Santos R, Virtuoso Júnior JS. Confiabilidade da versão brasileira da escala de atividades instrumentais da vida diária. Rev Bras em Promoção da Saúde. 2008;21(4).

Leite MT, Winck MT, Hildebrandt LM, Kirchner RM, Silva LAA da. Qualidade de vida e nível cognitivo de pessoas idosas participantes de grupos de convivência. Rev bras geriatr gerontol. 2012;15(3):481–92.

Vieira MC, Santarosa LMC. O uso do computador e da Internet e a participação em cursos de informática por idosos: meios digitais, finalidades sociais. In: Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE). 2009.

Doll J, Buaes CS. Aprendizagem em cursos de inclusão digital para pessoas adultas e idosas. Rev Bras Ciências do Envelhec Hum. 2010;6(3).

Bez MR, Pasqualotti PR, Passerino LM. Inclusão digital da terceira idade no centro Universitário Feevale. In: Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE). 2006. p. 61–70.

Areosa SC, Bevilacqua P, Werner J. Representações sociais do idoso que participa de grupos para terceira idade no município de Santa Cruz do Sul. Estud Interdiscip sobre o Envelhec. 2003;5.

Vagetti GC, de Oliveira V, Pereira Silva M, Pacífico AB, Rocha Alves Costa T, de Campos W. Associação do índice de massa corporal com a aptidão funcional de idosas participantes de um programa de atividade física. Rev Bras Geriatr e Gerontol. 2017;20(2).

Leite-cavalcanti C, Rios-asciutti LS. Prevalência de doenças crônicas e estado nutricional em um grupo de idosos brasileiros. 2009;11(6):865–77.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2009: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. MS Brasília; 2009.

Siqueira FV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, et al. Atividade física em adultos e idosos residentes em áreas de abrangência de unidades básicas de saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saude Publica [Internet]. 2008 Jan;24(1):39–54. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2008000100005&lng=pt&tlng=pt

Cassou AC, Fermino RC, Santos MS, Rodriguez-Añez CR, Reis RS. Barreiras para a atividade física em idosos: uma análise por grupos focais. Rev da Educ Física/UEM [Internet]. 2008 Dec 15;19(3):353–60. Available from: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/3675

Quadros Junior AC de, Lamonato ACC, Gobbi S. Nível de escolaridade não influencia nível de atividade física em idosos. Mot Rev Educ Física. 2011;202–8.

van Lenthe FJ, Brug J, Mackenbach JP. Neighbourhood inequalities in physical inactivity: the role of neighbourhood attractiveness, proximity to local facilities and safety in the Netherlands. Soc Sci Med. 2005;60(4):763–75.

Costa EC, Kyosen Nakatani AY, Bachion MM. Capacidade de idosos da comunidade para desenvolver Atividades de Vida Diária e Atividades Instrumentais de Vida Diária. Acta Paul Enferm. 2006;19(1).

Nakatani AYK, Costa EFDA, Teles SA, Silva LB, Rêgo MAB, Silva e Souza AC, et al. Perfil sócio-demográfico e avaliação funcional de idosos atendidos por uma equipe de saúde da família na periferia de Goiânia, Goiás. Rev Soc Bras Clín Méd. 2003;1(5):131–6.

Maciel ÁCC, Guerra RO. Influência dos fatores biopsicossociais sobre a capacidade funcional de idosos residentes no nordestes do Brasil. Rev bras epidemiol. 2007;10(2):178–89.

Cordeiro J, Del Castillo BL, de Freitas CS, Gonçalves MP. Efeitos da atividade física na memória declarativa, capacidade funcional e qualidade de vida em idosos. Rev Bras Geriatr e Gerontol. 2014;17(3):541–52.

Boggio E da SB, Santos FC, Souza CM, Silva MF, Rosa PV, Rosa LHT. Análise dos fatores que interferem na capacidade funcional de idosos residentes em uma comunidade de Porto Alegre. Estud Interdiscip sobre o Envelhec. 2015;20(1).

Thomas AG, Dennis A, Bandettini PA, Johansen-Berg H. The effects of aerobic activity on brain structure. Front Psychol. 2012;3.

Del Duca GF, Hallal PC, Nahas MV, da Silva MC, da Silva KS. Aspectos comportamentais e de saúde associados à incapacidade funcional em idosos: estudo de base populacional-DOI: 10.4025/reveducfis. v20i4. 7265. J Phys Educ. 2009;20(4):577–85.

Borges MRD, Moreira ÂK. Influências da prática de atividades físicas na terceira idade: estudo comparativo dos níveis de autonomia para o desempenho nas AVDs e AIVDs entre idosos ativos fisicamente e idosos sedentários. Motriz Rev Educ Física UNESP. 2009;15(3):562–73.

Boyle PA, Buchman AS, Wilson RS, Bienias JL, Bennett DA. Physical Activity Is Associated with Incident Disability in Community‐Based Older Persons. J Am Geriatr Soc. 2007;55(2):195–201.

Rossi Barbosa B, Marques de Almeida J, Rossi Barbosa M, Rossi-Barbosa LAR. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Cien Saude Colet. 2014;19(8).




DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v18n3.13755

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.