Relação entre variáveis antropométricas, funcionalidade e massa muscular esquelética em idosas fisicamente ativas

Carla Eloise Costa, Fernanda Errero Porto, Anésio Francisquini Neto Neto, João Paulo de Oliveira, Ivo Leandro de Melo Passinato, Higor Barbosa Reck, Wendell Arthur Lopes

Resumo


Objetivo: correlacionar as medidas da circunferência da panturrilha (CP) e da circunferência do braço (CB) com a massa muscular esquelética (MME) e funcionalidade em idosas praticantes de atividades físicas regulares.

Métodos: amostra composta por 69 idosas. A CP e CB foram aferidas por meio de fita métrica inextensível. A estatura e o peso foram mensurados em balança digital. A MME foi estimada por meio da equação de Janssen et al. A funcionalidade estimada pelo Senior Fitness Test (SFT) e velocidade da marcha de 6 metros. Aplicou-se a estatística descritiva e a correlação de Pearson.

Resultados: correlação positiva e significante entre a CP e CB com a MME (r=0,61 e r=0,51, p<0,001, respectivamente). Quanto à funcionalidade, apenas o teste de flexão de braço se correlacionou com a CP e CB (r=0,31 e r=0,28, p<0,05, respectivamente).

Conclusão: a CP e CB se mostraram como boas preditoras da MME em idosas. Entretanto, as medidas de circunferência relacionadas à funcionalidade dos idosos, se mostram como fracas preditoras.


Palavras-chave


Envelhecimento; Composição Corporal; Força Muscular; Sarcopenia.

Texto completo:

PDF

Referências


Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. Population aging in Brazil: current and future social challenges and consequences. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016;19;(3):507-519.

Instituto brasileiro de geografia e estatística - IBGE. Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2015 breve análise da evolução da mortalidade no brasil. Disponível em .

Spirduso, W. Dimensões físicas do envelhecimento. Barueri, SP: Manole, 2005.

Andreotti RA, Okuma SS. São Paulo, Rev. paul. Educ. Fís., 46-66, 1999.

Cabrera MSA, Jacob WF. Obesidade em Idosos: Prevalência, Distribuição e Associação Com Hábitos e Co-Morbidades. Arq Bras Endocrinol Metab. 2001;45(5):494-501.

Argento, RSV. Benefits of the physical activities in the health and life quality of the elderly [Trabalho de Conclusão de Curso]. Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

Lana LD, Schneider RH. Síndrome de fragilidade no idoso: uma revisão narrativa. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014;17(3):673-680.

Lieber RL, Ward SR. Skeletal muscle design to meet functional demands. Philos Trans R Soc Lond, B, Biol Sc. 2011;366(1570):1466-1476.

Rosenberg IH. Sarcopenia: origins and clinical relevance. J Nutr. 1997;127(5):990S-991S.

Heymsfield SB, Gonzalez MC, Lu J, Jia G, Zheng J. Skeletal muscle mass and quality: evolution of modern measurement concepts in the context of sarcopenia. Proc Nutr Soc. 2015;74(4):355-66.

Cardozo NR et al. Estado nutricional de idosos atendidos por unidades de saúde da família em Pelotas-RS. BRASPEN J. 2017;32(1):94-8.

Janssen I, Heymsfield SB, Ross R. Low relative skeletal muscle mass (sarcopenia) in older persons is associated with functional impairment and physical disability. J Am Geriatr Soc. 2002; 50:889–896.

Onis M, Habicht JP. Anthropometric reference data for international use: recommendations from a World Health Organization Expert Committee. Am J Clin. 1996;64:650-8.

Rikli RE, Jones CJ. Teste de Aptidão física para idosos. – Barueri, São Paulo: Manole, 2008.

Van Kan GA et al. Gait speed at usual pace as a predictor of adverse outcomes in community-dwelling older people an International Academy on Nutrition and Aging (IANA) Task Force. J Nutr Health Aging. 2009;13(10):881-889.

Thomas JK, Nelson SJ, Silverman SJ. Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre, Artmed, 2012.

Lohman T. Advances in body composition assessment. Champaign, IL: Human Kinetics, 1992.

Quiñonez-Olivas CG, et al. Muscle mass measured using bioelectrical impedance analysis, calf circumference and grip strength in older adults. Medicina Universitaria. 2016;18(72):158-162.

Bohannon RW, Chu J, Steffl M. Association of older women’s limb circumferences and muscle mass as estimated with bioelectrical impedance. J. Phys. Ther. 2016;28:1016–1019.

Silva FR et al. Triagem nutricional de pacientes internados no serviço de emergência. BRASPEN J. 2017;32(4):353-61.

Peixoto LG et al. A circunferência da panturrilha está associada com a massa muscular de indivíduos hospitalizados. Rev Bras Nutr Clin. 2016;31(2):167-71.

Pagotto V, Santos KF, Malaquias SG, Bachion MM, Silveira EA. Calf circumference: clinical validation for evaluation of muscle mass in the elderly. Rev Bras Enferm. 2018;71(2):322-8.

Kawakami R, Murakami H, Sanada K, Tanaka N, Sawada SS, Tabata I, et al. Calf circumference as a surrogate marker of muscle mass for diagnosing sarcopenia in japanese men and women. Geriatr Gerontol Int. 2014;15(8):969-976.

Schaap LA et al. Changes in body mass index and mid-upper arm circumference in relation to all-cause mortality in older adults. Clin Nutr. 2017:1-8.

Kim S et al. Calf Circumference as a Simple Screening Marker for Diagnosing Sarcopenia in Older Korean Adults: the Korean Frailty and Aging Cohort Study (KFACS). J. Korean Med. Sci. 2018;33(20):1-10.

Cruz-Jentoft AJ. et al. Sarcopenia: European consensus on definition and diagnosis. Age Ageing. 2010;39(4):412-423.

Lopes RA, Carvalho BSA, Mourão DMP, Dias MG, Mitre NCD, Morais GA. Quedas de idosos em uma clínica-escola: prevalência e fatores associados. Conscientiae Saúde. 2010;9(3):381-388.




DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v18n3.13887

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.