Recuperação cardiopulmonar em atletas de Rugby em Cadeira de Rodas: efeito de nível competitivo e classificação funcional

Alexssander de Souza Mello, Patrícia dos Santos Vigário, Jeter Pereira de Freitas, Thiago Lemos, Míriam Raquel Meira Mainenti

Resumo


Introdução: o Rugby em Cadeira de Rodas (RCR) é uma modalidade com grande demanda energética. Objetivo: comparar a recuperação cardiopulmonar de atletas de RCR de elite internacional (EI, n=16) e nacional (EN, n=06), além de investigar a correlação entre a recuperação e a classificação funcional (CF) dos atletas.

Métodos: o teste de esforço cardiopulmonar foi realizado em cicloergômetro para membros superiores, com análise dos gases expirados. Consumo de oxigênio (VO2) e ventilação pulmonar (VE) foram avaliados no pico do esforço e na recuperação (primeiro, segundo e terceiro minutos). 

Resultados: EI apresentou uma maior recuperação do VO2 e da VE. Correlações fortes e muito fortes foram encontradas entre CF e recuperação percentual de VO2 para EN, enquanto que, no EI, as correlações foram fracas e regulares.

Conclusão: Atletas com maior volume de prática do RCR (EI) têm maior capacidade de recuperação cardiopulmonar. Sugere-se que o tempo de treinamento pode minimizar a influência da CF na capacidade de recuperação do atleta.


Palavras-chave


Pessoas com deficiência; Quadriplegia; Consumo de oxigênio; Ventilação pulmonar

Texto completo:

PDF

Referências


IWRF - International Wheelchair Rugby Federation. Introduction to Wheelchair Rugby. 2012. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2015.

IWRF - International Wheelchair Rugby Federation. A Laypersons Guide to Wheelchair Rugby Classification. 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2015.

Barfield JP, Malone LA, Arbo C, Jung AP. Exercise Intensity During Wheelchair Rugby Training. J Sports Sci. 2010; 28(4): 389-98.

Rhodes JM, Mason BS, Malone LA, Goosey-Tolfrey VL. Effect of Team Rank and Player Classification on Activity Profiles of Elite Wheelchair Rugby Players. J Sports Sci. 2015; 33(19): 2070-8.

West CR, Campbell IG, Shave RE, Romer LM. Resting Cardiopulmonary Function in Paralympic Athletes with Cervical Spinal Cord Injury. Med Sci Sports Exerc. 2012; 44(2): 323-9.

Balady GJ, Arena R, Sietsema K, Myers J, Coke L, Fletcher GF et al. Clinician's Guide to Cardiopulmonary Exercise Testing in Adults: A Scientific Statement From the American Heart Association. Circulation. 2010; 122(2):191-225.

ACSM - American College of Sports Medicine. ACSM’s Guidelines for Exercise Testing and Prescription, 9th ed, Philadelphia: Wolters Kluwer/ippincott Williams & Wilkins Health, 2013.

Campos LFCC. Comparação entre métodos para mensuração da potência aeróbia em atletas tetraplégicos. [Dissertação de Mestrado]. Campinas: Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação Física, UNICAMP; 2013.

Guazzi M, Adams V, Conraads V, Halle M, Mezzani A, Vanhees L, et al. Clinical recommendations for cardiopulmonary exercise testing data assessment in specific patient populations. Eur Heart J. 2012; 33(23): 2917-27.

Goosey-Tolfrey VL, Castle P, Webborn N. Aerobic Capacity and Peak Power Output of Elite Quadriplegic Games Players. Br J Sports Med. 2006; 40(8): 684-7.

Goosey-Tolfrey VL, Leicht C, Lenton J, Diaper N, Mason B. The BASES Expert Statement on Assessment of Exercise Performance in Athletes with a Spinal Cord Injury. TSES. 2013; 37(2): 8-9.

Janssen TW, Dallmeijer AJ, Veeger DJ, Van der Woude LH. Normative values and determinants of physical capacity in individuals with spinal cord injury. 2002. J Rehabil Res Dev. 2002; 39(12): 29-39.

IWRF - International Wheelchair Rugby Federation. International Rules for the Sport of Wheelchair Rugby.2015. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2015.

Simões RP, Bonjorno Jr JC, Beltrame T, Catai AM, Arena R, Broghi-Silva A. Slower heart rate and oxygen consumption kinetic responses in the on- and off-transient during a discontinuous incremental exercise: effects of aging. Braz J Phys Ther. 2013; 17(1): 69-76.

Baumgart JK, Brurok B, Sandbakk Ø. Peak oxygen uptake in Paralympic sitting sports: A systematic literature review, meta- and pooled-data analysis. PLoS ONE. 2018; 13(2): e0192903.

Flores LJF, Gorla JI, Campos LFCC, Gouveia RB, Silva AAC, Pena LGS. Avaliação da Potência aeróbia de praticantes de Rugby em Cadeira de Rodas através de um teste de quadra. Motriz. 2013; 19(2): 368-77.

Taskin H, Erkmen N, Cicioglu I. The Examination of the Heart Rate Recovery after Anaeróbic Running in Soccer Players. Coll Antropol. 2014; 38(1): 207-11.

ACSM - American College of Sports Medicine. Exercise and Hypertension – Position Stand. Med Sci Sports Exerc. 2004; 36(3): 533-53.

Callegari-Jacques, SM: Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artemed, 2003.

Fagard RH. Exercise characteristics and the blood pressure response to dynamic physical training. Med Sci Sports Exerc. 2001; 33(6): 484-92.

Romero SA, Minson CT, Halliwill JR. The cardiovascular system after exercise. J Appl Physiol. 2017; 122(4): 925–32.

Menezes-Reis R, Ribeiro VB, Tourinho HF. Respostas Fisiológicas ao Exercício Físico em Atletas Cadeirantes com Lesão Medular. Conscientiae saúde. 2015; 14(1): 161-8.

Molik B, Laskin JJ, Kosmol A, Marszalek J, Morgulec N, Frick T. Relationships Between Anaerobic Performance, Field Tests, and Functional Level of Elite Female Wheelchair Basketball Athletes. Hum Mov. 2013; 14(4): 366-71.




DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v18n4.14963

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.