Comparação entre dois instrumentos de avaliação de amplitude de movimento de ombro após Acidente Vascular Encefálico

Luciana Maria dos Reis, Gabriela Xavier Santos, Sabrina Gabriela Oliveira, Daiane Marques Ferreira, Carolina Kosour

Resumo


Introdução: Após o Acidente Vascular Encefálico (AVE), ocorre mudança no tônus muscular que implica em diminuição da amplitude de movimento (ADM) do ombro. O instrumento mais utilizado para medir a ADM é o goniômetro universal, porém, existem outros métodos, como a fotogrametria.

Objetivo: Avaliar a eficácia do Kinovea na avaliação da ADM de flexão e abdução do ombro pós-AVE.

Materiais e métodos: Participaram do estudo 19 voluntários pós-AVE crônico. A avaliação da ADM de flexão e abdução de ombro foi realizada através da goniometria e análises fotográficas pelo Kinovea.  As medidas máximas obtidas nas avaliações foram submetidas a verificação de normalidade pelo teste Shapiro Wilk, as variáveis calculadas foram comparadas pela Correlação de Pearson, com um nível de significância (α) de 0,05.

Resultados: As análises demonstraram correlação alta (r>0,954; p=0,000) para flexão de ombro e boa (r>0,627; p=0,004) para abdução de ombro.

Conclusão: O Kinovea apresentou boa eficácia em capturar a ADM de abdução e flexão de ombro nos indivíduos avaliados.


Palavras-chave


Acidente vascular encefálico; Fotogrametria; Goniometria articular; Ombro.

Texto completo:

PDF

Referências


Pompeu JE, Alonso TH, Masson IB, Pompeu SMA A, Torriani-Pasin C. Os efeitos da realidade virtual na reabilitação do acidente vascular encefálico: Uma revisão sistemática. Motricidade. 2014; 10(4): 111-122.

Lopes JM, Sanchis GJB, Medeiros JLAD, Dantas FG. Hospitalização por acidente vascular encefálico isquêmico no Brasil: estudo ecológico sobre possível impacto do Hiperdia. Rev. bras. epidemiol. 2016; 19: 122-134

Lozano R, Naghavi M, Foreman K, Lim S, Shibuya K, Aboyans V, et al. Global and regional mortality from 235 causes of death for 20 age groups in 1990 and 2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. The lancet. 2012; 380(9859): 2095-2128.

Hankey GJ. Secondary stroke prevention. Lancet Neurol. 2014; 13(2): 178-194.

Faria CD, Silva SM, Corrêa JC, Laurentino GE, Teixeira-Salmela LF. Identification of ICF participation categories in quality-of-life instruments utilized in cerebrovascular accident victims. Rev. panam. Salud pública. 2012; 31(4): 338-344.

Rodgers H. Stroke. Handbook of Clinical Neurology. 2013; 110: 427–433.

Manara JR, Taylor J, Nixon M. Management of shoulder pain after a cerebrovascular accident or traumatic brain injury. J Shoulder Elbow Surg. 2015; .24(5), 823-829437.

Vasudevan JM, Browne BJ. Hemiplegic shoulder pain: an approach to diagnosis and management. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2014; 25(2), 411-437

Brainin M, Zorowitz RD. Advances in stroke: recovery and rehabilitation. Stroke. 2013; 44(2): 311-313.

Ferreira DM, Carvalho LC, Kosour C, Santos ATS, Marin LF, Santos GX, et al. Inter-and intra-rater analysis of hemiparetic shoulder abduction using PhysioPlay™. Acta Fisiátrica. 2019; 26(3).

Arya KN, Pandian S, Vikas, Puri, V. Rehabilitation methods for reducing shoulder subluxation in post-stroke hemiparesis: a systematic review. Top Stroke Rehabil. 2018; 25 (1): 68-81.

Guzmán-Valdivia CH, Blanco-Ortega A, Oliver-Salazar MA, Carrera-Escobedo JL. Therapeutic motion analysis of lower limbs using Kinovea. Int J Soft Comput Eng. 2013; 3(2): 2231-307.

Costa HJB. Análise cinemática de pacientes com acidente vascular cerebral durante jogo de dardos em ambientes virtual e real [dissertação]. Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.

Krawczky B, Pacheco AG, Mainenti MR. A systematic review of the angular values obtained by computerized photogrammetry in sagittal plane: a proposal for reference values. J Manipulative Physiol Ther. 2014; 37(4): 269-275.

Ribeiro AFM, Bergmann A, Lemos T, Pacheco AG, Russo MM, de Oliveira L AS, et al. Reference values for human posture measurements based on computerized photogrammetry: a systematic review. J Manipulative Physiol Ther. 2017; 40(3): 156-168.

Choi KY. Analysis of facial asymmetry. Arch Craniofac Surg. 2015; 16(1): 1.

Marques AP. Manual de goniometria. 2a ed. Barueri: Manole, 2003.

Bullock MP, Foster NE, Wright C C. Shoulder impingement: the effect of sitting posture on shoulder pain and range of motion. Man Ther. 2005; 10(1): 28-37.

dos Santos DM, do Nascimento VC, Peressim LB. Proto movimentação natural: aplicação de protocolo em mulheres mastectomizadas. Revista de Trabalhos Acadêmicos da FAM. 2017; 2(1).

Ramos CV, Catela, D. Análise de recorrência da postura de sentado em bebé hipotónico de 9 meses de idade sob constrangimento funcional de alcançar e agarrar brinquedos. Atividade física em populações especiais. 2015; 1: 99-112.

Krüger G. Estudo Preliminar das Características Eletromiográficas da Articulação do Ombro no Saque Flat no Tênis: Comparação Entre as Técnicas Foot-back e Foot-up. Monografia (Trabalho de conclusão de curso em Educação Física) Universidade Federal de Santa Catarina, 2014.

Costa HJB. Análise cinemática de pacientes com acidente vascular cerebral durante jogo de dardos em ambientes virtual e real [dissertação]. Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.




DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v18n4.16680

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.