Guia ilustrado de orientações a cuidadores de crianças com deficiências neuromotoras

Jenifer Silva de Souza, Keila Alessandra Baraldi Knobel

Resumo


Introdução: Limitações funcionais de crianças com deficiência neuromotora (CDN) as tornam dependentes de cuidados. Objetivo: Elaborar e avaliar um guia ilustrado de orientações para familiares de CDN a partir das necessidades dos cuidadores. Método: Estudo descritivo transversal prospectivo feito em famílias de CDN de sete a quarenta e dois meses de idade. Etapas: (1) entrevista com 15 famílias para investigar suas principais habilidades, dificuldades e dúvidas; (2) Elaboração de guia ilustrado; (3) 5 famílias usaram e avaliaram o guia; (4) Adequação do material. Os resultados foram ponderados por análise de conteúdo. Resultados: As principais dúvidas das famílias foram contempladas no guia que aborda: principais posicionamentos, e como posicionar as crianças, órteses, quarto, alimentação, banho, carregando seu filho, vestir, cuidados com quem cuida e, lazer, brinquedos e brincadeiras.  Conclusão: O guia foi considerado útil para facilitar o cotidiano das famílias, para reforçar orientações recebidas pelos profissionais de saúde e para levar novas informações sobre cuidados com essas crianças em casa.


Palavras-chave


Guias Informativos. Família. Desenvolvimento Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


Silva G, Romão J, Andrade E. Paralisia Cerebral e o impacto do diagnóstico para a família. Rev Inic Cient e Ext. 2019; 2(1):4-0.

Polita NB, Tacla MTGM. Rede e apoio social às famílias de crianças com paralisia cerebral. Esc Anna Nery. 2014; 18(1):75-81.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde. Censo Demográfico de Pessoas com Deficiência no Brasil. 2013. Disponível em: http://www.ibge.gov.br Acesso em 01 agosto 2015.

Silva DR, SILVA, Herzberg E. Parentalidade e constituição da imagem corporal: implicações para a criança com deficiência física. Bol Psicol, 2016, 67(145): 135-143.

Silva MB, Novaes MSP, Pirtouscheg Carolina, Martins LQ, et al. Assistência a crianças com atraso neuromotor: perfil epidemiológico e experiência interdisciplinar. Rev Med Minas Gerais 2015; 25 (Supl 6):17-22.

Rago ALP. Aprendendo a aprender... juntos: o trabalho em grupo no atendimento a crianças com deficiência visual e deficiência neuromotora. Constr. psicopedag. 2009. 17(15):111:130.

Secretaria de Educação Especial. Adaptações curriculares em ação: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais de alunos com deficiência física neuromotora. Brasília: MEC/SEESP, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp Acesso em 01 agosto 2015.

Almeida TCS, Ruedell AM, Nobre JRS, Tavares K. Paralisia Cerebral: Impacto no Cotidiano Familiar. Rev bras ci Saúde. 2015; 19(3):171- 178.

Shields L. What is “family-centered care”?. Eur J for Person Centered Healthcare. 2015; 3(2)139-144.

Amador DD, Marques FRB, Duarte AM, Balbino FS, Balieiro MMFG, Mandetta MA. Uso da narrativa como estratégia de sensibilização para o modelo do cuidado centrado na família. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(1):98-103.

Echer IC. Elaboração de manuais de orientação para o cuidado em saúde. Rev Latino-am Enfermagem. 2005; 13(5):754-7.

Liboni LS, Leite E, Sacramento FCR, Oliveira RFR, Correa CF. Impacto social de uma criança com paralisia cerebral na vida de um cuidador familiar. R. Enferm. UFJF. 2018; 4(1):39-50.

ONG Movimento Down. Síndrome de Down. Cartilha para a saúde. Disponível em: http://www.movimentodown.org.br Acesso em 01 agosto 2015.

Martinez CMS, Joaquim RHTV, Oliveira EB, Santos IC. Suporte informacional como elemento para orientação de pais de pré-termo: um guia para o serviço de acompanhamento do desenvolvimento no primeiro ano de vida. Rev Bras Fisioter., 2007. 11(1): 73-81.

Bardin L. Análise de Conteúdo. 4ª ed. Lisboa, Edições 70; 2004.

Smith J, Swallow V, Coyne I. Involving parents in managing their child's long-term condition-a concept synthesis of family-centered care and partnership-in-care. J Pediatr Nurs. 2015; 30(1):143-159.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. 2013. Disponível em: http://www.ibge.gov.br Acesso em 01 maio 2016.

Oliveira AKC, Matsukura TS, Mancini MC. Repertório funcional de crianças com paralisia cerebral. Rev Ter Ocup. 2015;26(3):390-8.

Mendonça DA, Fernandes MR, Espíndula AP. Treino materno para estimulação domiciliar sugere melhora no desenvolvimento motor de prematuros. ConScientiae Saúde. 2015; 14(3): 385-393.

Barbosa ASS, Santos LS, Santana AFSG, Monteiro LFT. A participação da família no trabalho de reabilitação da criança com microcefalia. Ciências Biológicas e de Saúde. 2017; 4 (2):189-202.

Sari FL, Marcon SS. Participação da família no trabalho fisioterapêutico em crianças com paralisia cerebral. Rev bras crescimento desenvolvi hum. 2008, 18(3):229-239.

Finnie NA. O manuseio em casa da criança com paralisia cerebral. São Paulo: Manole; 2000.

Redstone F, West JF. The importance of postural control of feeding: in children with neurological disorders. Pediatric Nursing; 2004. 30(2):97-100.

Dantas MSA, Pontes JF, Assis WD, Collet N. Facilidades e dificuldades da família no cuidado à criança com paralisia cerebral. Rev Gaúcha Enferm. 2012; 33(3):73-80.

Souza DS, Figueiredo BA, Silva ACD. O brincar de crianças com deficiência física sob a perspectiva dos pais. Cad. Bras. Ter. Ocup., 2017; 25(2):267-274.

Silva CMA, Cunha TT, Pfeifer LI, Tedesco SA, Sant'Anna MMM. Percepção de pais e terapeutas ocupacionais sobre o brincar da criança com paralisia cerebral. Rev Bra Ed Esp. 2016; 22(2): 221-232.

Smeha LN, Abaid JLW, Martins JS, Weber AS, Fontoura NM, Castagna L. Cuidando de um filho com diagnóstico de paralisia cerebral: sentimentos e expectativas. Psicol estud. 2017; 22(2):231-242.

Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (Pacs). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Acesso em 30 maio 2016.




DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v18n1.8617

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN da versão impressa: 1677-1028
ISSN da versão online: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.