Racismo e política criminal: uma análise a partir do Documentário 13th – 13ª Emenda

Fernanda da Silva Lima, Sara de Araújo Pessoa

Resumo


Buscando trazer a contribuição do documentário “13ª Emenda” para a realidade brasileira, o objetivo deste trabalho é, nos limites da película, traçar paralelo entre racismo e política criminal nesses países. Utiliza-se de pesquisa bibliográfica com aporte nos fundamentos da teoria das relações raciais no Brasil e da Criminologia crítica. Parte-se da construção da ideia de superioridade da raça branca e, sem ignorar as distorções provocadas no Brasil com o mito da democracia racial, dos estereótipos que relacionam o negro a condutas criminosas. Aborda-se a seletividade e o racismo por trás de políticas criminais de guerra ao crime e do encarceramento.


Palavras-chave


criminologia crítica; política criminal; racismo.

Texto completo:

pdf

Referências


ALEXANDER, Michelle. A nova segregação: racismo e encarceramento em massa. Boitempo, 2017.

AMORIM, Diego Uchoa de. Teorias raciais no Brasil: um pouco de história e historiagrafia. Disponível em . Acesso em 10 set. 2017.

ANDRADE, Vera Regina Pereira. Pelas Mãos da Criminologia: o controle penal para além da (des)ilusão. Rio de Janeiro: Revan, 2012.

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. 6 ed. Rio de Janeiro: Renavan, 2011.

BRASIL. Constituição (1824). Constituição politica do imperio do Brazil. Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2015.

BRASIL. Lei de 16 de dezembro de 1830. Código criminal do império do Brazil. Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

BRASIL. Lei º 4 de 10 de junho de 1835. Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

BRASIL. Decreto nº 847 de 11 de outubro de 1890. Código Penal. Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

BRASIL. Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006. Disponível em: Acesso em 11 set. 2017.

BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei do Senado nº 513 de 2011 – Agenda Brasil. Estabelece normas gerais para a contratação de parceria público-privada para a construção e administração de estabelecimentos penais. 2011. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

BRASIL. Senado Federal. Portal da agência senado de notícias. Especialistas condenam proposta de privatização de presídios. Março de 2016. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

BUARQUE, Chico. As caravanas (feat. Rafael Mike). In: Caravanas. Rio de Janeiro: Biscoito fino, 2017. 1 CD. Faixa 9.

CARDOSO, Marcos Antônio. O movimento negro em Belo Horizonte: 1978-1998. Dissertação apresentada ao Mestrado do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em História. Área de concentração: Movimentos Sociais Orientadora: Profª. Dr.ª Regina Helena Alves da Silva. Belo Horizonte, 2001.

CHRISTIE, Nils. Los Limites del Dolor. Ciudad de Mexico: FCE, 1984.

CNJ. Novo diagnóstico de pessoas presas no Brasil. Brasília. Departamento de monitoramento e fiscalização do sistema carcerário e do sistema de execução de medidas socioeducativas. Junho de 2014. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

DE GIORGI, Alessandro. El Gobierno de la Excedencia: postfordismo y control de la multitud. Madrid: Traficantes de Sueños, 2006.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. O legado da raça branca. Vol. 1. Ensaio de interpretação sociológica. 5ª edição. São Paulo Editora Globo, 2008.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 35ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. 42 ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GARLAND. David. Cultura do Controle: crime e ordem social na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

G1. Com Lei de Drogas, presos por tráfico passam de 31 mil para 138 mil no país: Tráfico é crime que mais encarcera; aumento foi de 339% desde lei de 2006. Para especialistas, aplicação é falha e teve efeito perverso sobre usuários, 2015. Disponível em . Acesso em 11 set. 2017.

IBGE, PNAd 2014, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

INFOPEN. Levantamento Nacional de Informações penitenciárias. Brasília. Departamento Penitenciário Nacional: Ministério da Justiça. Dezembro de 2014. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

IPEA. Atlas da violência no Brasil. IPEA e FBSP, 2016. Disponível em: . Acesso em 11 set. 2017.

MARTINS, Gilberto; THEOPHILO, Carlos. Investigação Científica para Ciencias Sociais Aplicadas. São Paulo; Atlas, 2009.

MELOSSI, Dario; PAVARINI, Massimo. Cárcere e Fábrica: as origens do sistema penitenciário (séculos XVI-XIX). Rio de Janeiro: Revan, 2006.

RUSCHE, Georg; KIRCHHEIMER, Otto. Punição e Estrutura Social. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2004.

SOZZO, Maximo. Entrevista a Maximo Sozzo: “Que es el populismo penal?”. In: Revista URVIO. Quito-Equador: FLACSO, março 2012. p.117-122.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Informativo 604, 2010. Disponível em: .




DOI: https://doi.org/10.5585/rtj.v8i2.10763

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Fernanda da Silva Lima, Sara de Araújo Pessoa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Thesis Juris

e-ISSN: 2317-3580
http://revistartj.org.br

Revista Thesis Juris ©2020 Todos os direitos reservados.