Pós-positivismo e a sua relação com o princípio da boa-fé objetiva na formação do pensamento jurídico

Luiz Eduardo Gunther, Eduardo Milleó Baracat, Rodrigo Thomazinho Comar

Resumo


Trata o presente artigo da análise do pós-positivismo, suas principais características e o momento histórico de sua formação, com relação a maneira de se relacionar com elementos principiológicos e, em que medida, a utilização dos princípios contribuiu para um novo caminho na formação do pensamento jurídico atual. Além do estudo principal, passando por uma pesquisa histórica, mister se fazer uma abordagem das duas principais correntes que antecedem tal corrente jusfilosófica: o jusnaturalismo e o positivismo, passando por sua descrição e principais características, com intuito de contextualizar e justificar a formação do pós-positivismo. Será feita a análise, ainda, dos princípios e, em razão de sua crescente importância, o tema ganha um enfoque destacado, em razão de sua contribuição na formação desta nova corrente do pensamento jurídico posto que serve de elemento de hermenêutica para superação dos conflitos e de subsunção da norma ao caso concreto, passando pela questão das cláusulas gerais e dos conceitos indeterminados contidos na lei.


Palavras-chave


Pós-Positivismo; Boa-fé Objetiva; Positivismo; Jusnaturalismo; Princípios.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR JÚNIOR, Ruy Rosado de. Cláusulas abusivas no Código do Consumidor. In: MARQUES, Cláudia Lima (coord.). Estudos sobre a proteção do consumidor no Brasil e no Mercosul. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1994.

BOBBIO, Norberto et al. Dicionário de Política. Volume I. Brasília: Editora Brasília, 1998.

BARROSO, Luís Roberto. A nova interpretação constitucional: ponderação, direitos fundamentais e relações privadas / Luís Roberto Barroso (organizador). 3 ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

BARROSO, Luís Roberto; BARCELLOS, Ana Paula. O Começo da História. A Nova Interpretação Constitucional e o Papel dos Princípios no Direito Brasileiro. BARROSO, Luís Roberto (coord.). A Nova Interpretação Constitucional: ponderação, direitos fundamentais e relações privadas. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

BONAVIDES. Paulo. Curso de Direito Constitucional. ed. 24. Ed. Malheiros. São Paulo: 2009.

BRASIL. Código Civil. Disponível em: . Acesso em: 7 mar.2018.

DELGADO, Maurício Godinho. Curso de direito do trabalho. 6 ed. São Paulo: LTr, 2007.

DINIZ, Maria Helena. Dicionário Jurídico. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2008. v. 2.

DWORKIN, Ronald. O Império do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. Levando os Direitos a sério. Tradução de Nelson Boeira. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

MARTINS-COSTA, Judith. A boa-fé no direito privado. São Paulo: RT, 2000.

SILVA, José Antônio Ribeiro de Oliveira. Magistratura e temas fundamentais do direito.1 ed. São Paulo: LTR, 2011.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

SOUZA NETO, Cláudio Pereira de; SARMENTO, Daniel. Direito constitucional: teoria, história e métodos de trabalho. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

VALE, André Rufino do. Aspectos do neoconstitucionalismo. Revista Brasileira de Direito Constitucional – RBDC n. 09 – jan./jun. 2007.

WALD, Arnoldo. O novo Código Civil e o solidarismo contratual. Revista de direito bancário, do mercado de capitais e da arbitragem. São Paulo: Revista dos Tribunais. a.6, n.21, p.14-47, jul - set. 2003.




DOI: https://doi.org/10.5585/rtj.v8i1.12818

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Luiz Eduardo Gunther, Eduardo Milleó Baracat, Rodrigo Thomazinho Comar

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Revista Thesis Juris
ISSN da versão eletronica: 2317-3580
http://revistartj.org.br