Construção de identidades e a teologia feminista como integrante de uma revolução cultural na defesa dos direitos reprodutivos e sexuais no Brasil

Noli Bernardo Hahn, Bianca Strücker

Resumo


Neste artigo, a construção de identidades e a teologia feminista como integrante de uma revolução cultural, especificamente na defesa de direitos reprodutivos e sexuais, é o tema central. Ao longo da história, as relações de gênero foram sendo moldadas para servir aos interesses do patriarcado, configurando-se como construções culturais de identidades, envolvendo relações de poder, o que resultou na opressão e submissão das mulheres e na naturalização destas relações. A teologia feminista surge como um movimento de revolução cultural, pois, dentro de instituições religiosas, locais que costumam ser propulsores do patriarcado, buscam romper com estereótipos de gênero e lutam por direitos e espaços femininos. Neste contexto, a discussão acerca da interrupção voluntária de gravidez, em um estado formalmente laico, como no Brasil, não necessariamente deveria perpassar pela visão religiosa da temática. Entretanto, sabendo da relevância cultural, jurídica e legislativa que a visão religiosa pode exercer sobre temas de sexualidade, a teologia feminista vem para contribuir com o debate, porque respeita o lugar feminino de mulheres que fazem parte de organizações religiosas e lhe dá voz para fazer uma leitura teológico-religiosa e feminina sobre o aborto. Utiliza-se o modo de raciocínio dedutivo e o método de abordagem sócio-histórico-analítico, para, através da teologia feminista, traçar discussões e possibilidades de entendimento da referida temática.

Palavras-chave


Gênero; Teologia feminista; Aborto.

Texto completo:

pdf

Referências


ANGELIN, Rosangela; GIMENEZ, Charlise Paula Colet. O conflito entre direitos humanos, cultura e religião sob a perspectiva do estupro contra mulheres no brasil. In: Revista Direito em Debate, v. 26, n. 47, p. 242-266, 21 set. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos. trad. Sérgio Milliet. 3. ed. vol. 1. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

BÍBLIA SAGRADA. Bíblia Sagrada. Tradução de Domingos Zamagna [et al]. Petrópolis: Vozes, 1995.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

BRASIL. Congresso Nacional. Projeto de Lei PL 6583/2013. Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2019.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. 12. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CASTELLS. Manuel. O poder da identidade. Trad. Klauss Brandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CATOLICAS. Católicas pelo direito de decidir. ONG. São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2019.

COFEN. Uma mulher morre a cada 2 dias por aborto inseguro, diz Ministério da Saúde. 03. Ago. 2018. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2019.

DINIZ, Debora; MEDEIROS, Marcelo; MADEIRO, Alberto. Pesquisa Nacional de Aborto 2016. In: Ciência e Saúde Coletiva. n. 22 (2). Fev. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2018.

FRASER, Nancy. A justiça social na globalização: Redistribuição, reconhecimento e participação. In.: Revista Crítica de Ciências Sociais. v. 63. Out. 2002. pp 7-20.

FRASER, Nancy. Reconhecimento sem ética? In: Lua Nova [online]. n. 70, 2007. pp. 101-138. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2019.

GEBARA, Ivone Teologia, feminismo e filosofia. In: Revista Cult. ed. 133. 31 mar. 2010. Disponível em: . Acesso em 20 fev. 2019.

GIBELLINI, Rosino. A Teologia do Século XX. Tradução de João Paixão Netto. São Paulo: Loyola, 1998.

GOHN, Maria da Glória. Novas teorias dos movimentos sociais. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2010.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 7 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

HAHN, Noli Bernardo. A afirmação do Sujeito (de direitos) num processo de Resistência: a emergência do Sujeito humano como liberdade e como criação. XXIV ENCONTRO NACIONAL DO CONPEDI. Florianópolis/SC, 2015. Disponível em:

. Acesso em: 15 mar. 2019.

MADERS, Angelita Maria; ANGELIN, Rosângela. A construção da equidade nas relações de gênero e o movimento feminista no Brasil: avanços e desafios. In: Cadernos de Direito. v. 10 (19). jul. – dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2019.

MARIANO, Silvana Aparecida. O sujeito no feminismo e o pós-estruturalismo. In: Estudos Feministas. Florianópolis, 13(3): 320, set-dez 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2012.

ROSADO-NUNES, Maria José. Direitos, cidadania das mulheres e religião. In: Tempo Social, v. 20, n. 2, pp. 67-81, 1 nov. 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2019.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, Patriarcado, Violência. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular; Fundação Perseu Abramo, 2015.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Porto Alegre: Educação e Realidade, 1995.

STANTON, Elizabeth Cady. Woman’s Bible. Boston: Norstheasthen University Press, 1993.

STF. Teóloga afirma que aborto é uma questão de saúde pública. 06 ago. 2018. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2019.

TOURAINE, Alain. Iguais e Diferentes: podemos viver juntos? Lisboa: Piaget, 1997.

ŽIŽEK, Slavoj. O violento silêncio de um novo começo. In: David Harvey [...] et al. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. São Paulo: Boitempo, Carta Maior, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5585/rtj.v8i2.14275

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Thesis Juris

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Thesis Juris

e-ISSN: 2317-3580
http://revistartj.org.br

Revista Thesis Juris ©2020 Todos os direitos reservados.