Representatividade feminina na política: a eficácia do sistema de cotas e a reforma política

Fabricio Veiga Costa, SRA Dalvaney Aparecida de Araújo

Resumo


No Brasil existe um déficit de representatividade de gênero expresso na ínfima representatividade das mulheres nas esferas de poder. Isso constitui um reflexo da sociedade patriarcal brasileira. Para se tentar reverter esse cenário, instituiu-se as políticas de cotas nas Leis 9.100/95 e 9.504/97. Contudo, essa inserção não representou um aumento significativo. E, agora, na reforma política, outras propostas de cotas de inclusão da mulher vêm sendo desenhadas no Congresso Nacional. Em virtude disso, pretende-se analisar no presente artigo se essas inserções representarão avanços no combate a esse déficit ou se outras teorias como a participação paritárias devem ser adotadas para que ocorra, factualmente, a representatividade feminina no cenário político. A metodologia foi realizada pelo método indutivo hipotético numa abordagem crítico-comparativa, mediante pesquisa bibliográfica e documental.


Palavras-chave


Representatividade Feminina; Reforma Política; Sistema de Cotas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/rtj.v8i1.623

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Thesis Juris

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Revista Thesis Juris
ISSN da versão eletronica: 2317-3580
http://revistartj.org.br