As ondas do feminismo e seu impacto no mercado de trabalho da mulher

Carolina Bastos de Siqueira, Elda Coelho de Azevedo Bussinguer

Resumo


Este artigo analisa as mudanças que se operaram no processo de inserção da mulher no mercado de trabalho brasileiro, a partir das ondas do feminismo, desde sua aurora liberal, até a percepção atual do feminismo pós-estruturalista. Visa identificar as ondas do feminismo e seus objetos de estudo/reivindicações, correlacionando com a inserção da mulher no mercado de trabalho, e analisar qual o impacto, se é que houve, das ondas do feminismo, em suas diferentes matrizes, no mercado de trabalho da mulher. Recorre-se à matriz metodológica do materialismo histórico-dialético, pois confronta as teorias feministas, no plano do ideal, com os fatos ocorridos na história. Conclui-se que, apesar da profunda mudança no mercado de trabalho, esta tem relação mais próxima com as alterações perpetuadas pelo capitalismo com os ideais neoliberais e não está propriamente conectada com o movimento feminista.


Palavras-chave


Movimento feminista; Mercado de trabalho da mulher; Trabalho feminino

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIN, Zuleika M. F. A participação política da mulher no início da industrialização em São Paulo. Revista de História (114), São Paulo, 1983, pp. 61-84. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/62062/64898. Acesso em: 19 fev. 2019.

BARROS, Alice Monteiro de. Cidadania, relações de gênero e relações de trabalho. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, Belo Horizonte, v. 47, n. 77, 2008, pp. 67-83.

CISNE, Mirla. Feminismo e consciência de classe no Brasil. São Paulo: Cortez, 2014.

DEL PRIORE, Mary. Uma breve história do Brasil. São Paulo: Ed. Planeta do Brasil, 2010.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 151-172, Dec. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142003000300010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 05 fev. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142003000300010.

ENGELS, Friedrich. Caracteres da monogamia. In: ENGELS, F; MARX, K.; LÊNIN, V. Sobre a mulher. 3. ed. São Paulo: Global, 1981, pp. 22-27. Coleção Bases, v. 17.

ENGELS, Friedrich. O Materialismo Histórico e a Família. In: ENGELS, F; MARX, K.;

FRASER, Nancy. O feminismo, o capitalismo e a astúcia da história. Revista Outubro (26), 2016, pp.31-56. Disponível em: http://outubrorevista.com.br/wp-content/uploads/2016/07/02_Nancy-Fraser.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

GIULANI, Paola Cappellin. Os movimentos de trabalhadoras e a sociedade brasileira. In: PRIORE, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 10. ed. 5. reimp. São Paulo: Contexto, 2017.

GONCALVES, Eliane; PINTO, Joana Plaza. Reflexões e problemas da "transmissão" intergeracional no feminismo brasileiro. Cadernos Pagu (36), Campinas, 2011, pp. 25-46. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext& pid=S0104-83332011000100003&lng=pt&nrm=isso-. Acesso em: 15 set. 2018.

GUIMARÃES, Nadya Araújo; BRITO, Murillo Marschner Alves de Brito. Mercantilização no feminino: a visibilidade do trabalho das mulheres no Brasil. In: ABREU, Alice Rangel de Paiva; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa. Gênero e trabalho no Brasil: perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo, 2016.

IBGE. Indicadores IBGE: pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento, 2018. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/Home/estatística/indicadores/trabalhoerendimento/pnad_continua/default.shtm. Acesso em: 21 mar. 2019.

IBGE. Indicadores IBGE: pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua. Rio de Janeiro: IBGE - Coordenação de Trabalho e Rendimento, 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?=&t=series-historicas. Acesso em: 12 fev. 2020.

KERGOAT, Danièle. O cuidado e a imbricação das relações sociais. In: ABREU, Alice Rangel de Paiva; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa. Gênero e trabalho no Brasil: perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo, 2016.

LÊNIN, V. Sobre a mulher. 3. ed. São Paulo: Global, 1981. Coleção Bases, v. 17.

MACHADO, Michelle Maria Costa. A importância da condição humana na promoção do direito fundamental de proteção ao trabalho da mulher no ordenamento jurídico brasileiro. Direito Unifacs: revista eletrônica mensal (212), Salvador, 2018, pp. 1-26. Disponível em: https://revistas.unifacs.br/index.php/redu/article/viewFile/5236/3352. Acesso em: 27 fev. 2019.

MURANI, Margaret; MERON, Monique. Como contar o trabalho das mulheres? In: ABREU, Alice Rangel de Paiva; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa. Gênero e trabalho no Brasil: perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo, 2016.

NARVAZ. Martha Giudice; KOLLER, Sílvia Helena. Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política. Psicologia em estudo, Maringá, v. 11, n. 3, 2006, pp. 647-654.

ONU. ONU MULHERES BRASIL. Trabalho de cuidados oscila entre 10 e 39% do PIB de países, considera ONU Mulheres. Brasília: Onu Mulheres Brasil, 2017. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/noticias/trabalho-de-cuidados-oscila-entre-10-e-39-do-pib-de-paises/. Acesso em: 27 fev. 2019.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Trad. Angela M. S. Correa. São Paulo: Contexto, 2007.

RUBIN, Gayle. Políticas do sexo. Trad. Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

SCOTT, Joan W. O enigma da igualdade. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 11-30, abr. 2005. Disponível em: http://scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2005000100002&Ing=em&nrm=iso. Acesso em: 10 fev. 2020.

SIQUEIRA, Carolina Bastos; BUSSINGER, Elda Coelho de Azevedo. Estruturalismo e pós-estruturalismo: uma análise comparativa das contribuições teóricas feministas de Simone de Beauvoir e Judith Butler. Anais do XI Seminário Internacional Fazendo Gênero [recurso eletrônico]: 13th. Women’s Worlds Congress (Org. Jair Zandoná, Ana Maria Veiga e Cláudia Nichnig). Florianópolis: UFSC, 2018. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499196025_ARQUIVO_Artigo-13MundodaMulheres.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1999. (Coleção tudo é história: 145)

UNICAMP. Mulheres: mundo do trabalho e autonomia econômica (Cadernos de Formação). São Paulo, Instituto de Economia da UNICAMP e Equipe do Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho – CESIT/IE, 2017. Disponível em: http://www.eco.unicamp.br/images/arquivos/Caderno-3-web.pdf. Acesso em: 21 mar. 2019.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação do direito das mulheres. Trad. Ivania Pocinho Motta. São Paulo: Boitempo: Iskra, 2016. Livro digital.




DOI: https://doi.org/10.5585/rtj.v9i1.14977

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Thesis Juris

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Thesis Juris

e-ISSN: 2317-3580
http://revistartj.org.br

Revista Thesis Juris ©2020 Todos os direitos reservados.