Proposta para o alinhamento entre o plano estratégico institucional de um laboratório farmacêutico oficial e o departamento de ti

Saulo Moura da Silva, Tatiana Aragão Figueiredo, Jorge Lima de Magalhães

Resumo


As organizações, quer sejam públicas ou privadas, necessitam de estratégias bem definidas para seus negócios, bem como um plano de gestão de seus recursos. Para o setor farmacêutico, não é diferente, haja vista que se trata de um setor que movimenta US$ 1,3 trilhões anualmente Quintiles and IMS Health, Inc. [IQVIA] (2019). Os Laboratórios Farmacêuticos Oficias (LFO) entram nesse contexto, com maior responsabilidade, pois gerenciam recursos públicos como devolutiva à Sociedade de medicamentos negligenciados pelas empresas farmacêuticas privadas. Contudo, a estratégia também deve estar alinhada com os demais setores da corporação, já que é sabido que falta de alinhamento estratégico em empresas acaba fazendo com que muitos recursos humanos e financeiros sejam empregados em projetos e iniciativas não tão relevantes para o negócio. Nesse sentido, a Tecnologia da Informação (TI) deve estar não só nas corporações, como também alinhada ao negócio de fato. Na busca pelo alinhamento entre a área de TI e o núcleo do negócio de um LFO, este trabalho pretende propor um modelo de alinhamento estratégico, tomando por base pontos dos modelos de Broadbeck e Hoppen (2003) e Kearns e Sabherwal (2006) estruturados sob a ideia trazida pelo modelo sistemático de Moreira (2002). Como resultado, uma sistemática para o alinhamento foi montada, assim como aplicada de maneira parcial no LFO em questão. O presente trabalho, portanto, além de contribuir diretamente para a estratégia organizacional do LFO, também contribui socialmente para todas as demais empresas ou setores públicos que desejarem aplicar o método para otimizar seus processos e práticas gerenciais e estratégicas.

 

 


Palavras-chave


Gerenciamento estratégico; Gestão organizacional; Gestão do conhecimento; Indústria farmacêutica

Texto completo:

PDF

Referências


Affeldt, F. S., & Vanti, A. A. (2009). Alinhamento estratégico de tecnologia da informação: Análise de modelos e propostas para pesquisas futuras. JISTEM Journal of Information Systems and Technology Management, 6(2), 203–226. https://doi.org/10.4301/S1807-17752009000200004.

Anwar Aini, M., & Suryani, E. (2019). Strategic Planning of Information System/Infromation Technology (Case Study: Gresik Regency Government Environment). IPTEK Journal of Proceedings Series, 0(5), 536. https://doi.org/10.12962/j23546026.y2019i5.6427.

Arif, F. A. (2020). IS / IT Strategic Planning of Muhammadiyah 10 GKB Senior High School. Proceedings of the 1st Annual Management, Business and Economic Conference (AMBEC 2019). 1st Annual Management, Business and Economic Conference (AMBEC 2019), Batu, Indonesia. https://doi.org/10.2991/aebmr.k.200415.006.

Barros, F. G. (2014). Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI).

Bermudez, J. A. Z., Esher, A., Osorio-de-Castro, C. G. S., Vasconcelos, D. M. M. de, Chaves, G. C., Oliveira, M. A., Silva, R. M. da, & Luiza, V. L. (2018a). Assistência Farmacêutica nos 30 anos do SUS na perspectiva da integralidade. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 1937–1949. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.09022018.

Bermudez, J. A. Z., Esher, A., Osorio-de-Castro, C. G. S., Vasconcelos, D. M. M. de, Chaves, G. C., Oliveira, M. A., Silva, R. M. da, & Luiza, V. L. (2018b). Assistência Farmacêutica nos 30 anos do SUS na perspectiva da integralidade. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 1937–1949. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.09022018.

Brasil. (2008). Tribunal de Contas da União—Acórdão 1603/2008—Plenário. Ministro Relator: Guilherme Palmeira. http://www.mp.go.gov.br/portalweb/hp/12/docs/acordao_tcu_-_13-08-2008.pdf%3B.

Brasil, M. da Economia. S. E. de D., Gestão e Governo Digital. Secretaria de Gestão. (2020). Guia Técnico de Gestão Estratégica v1.0. ME; SEDGG; SEGES. https://www.gov.br/economia/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/guias-e-manuais/guia_gestao_estrategica_v1-0.pdf.

Brasil, M. da S. ([s.d.]). Laboratórios Oficiais. Recuperado 9 de agosto de 2019, de http://www.saude.gov.br/assistencia-farmaceutica/laboratorios-oficiais.

Brasil, M. da Saúde. I. de T. em F. (2016). Planejamento Estratégico 2016—2019 (p. 25).

Brodbeck, Â. F., & Hoppen, N. (2003). Alinhamento estratégico entre os planos de negócio e de tecnologia de informação: Um modelo operacional para implementação. Revista de Administração Contemporânea, 7(3), 9–33. https://doi.org/10.1590/S1415-65552003000300002.

Brugnera, T. L., Antunes, C. R., & Campagnaro, R. L. (2020). REFLEXÕES SOBRE O USO DO ECONOMIC VALUE ADDED NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO. 6(1), 13.

Camargo Dias, P. H. R. de, Sousa, J. C., & Dias, J. C. (2018). Um estudo de caso do planejamento estratégico do IFB. Revista ibero-americana de estudos em educação, 13(1), 89–106. https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n1.2018.9657.

Dias, A. S. da R. (2018). Plano Diretor De Tecnologia Da Informação Em Uma Organização Com Gestão De Ti Descentralizada: Uma Análise Em Unidades Técnico-Científicas Da Fiocruz [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia]. https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/27594/1/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20de%20Mestrado%20-%20Andrey%20Santana%20da%20Rocha%20Dias.pdf.

Dias, E. C. F. (2015). Alinhamento da estratégia aos processos de negócios em um laboratório farmacêutico oficial: Uma proposta para Farmanguinhos.

Falsarella, O. M., & Jannuzzi, C. A. S. C. (2017). Planejamento Estratégico Empresarial e Planejamento de Tecnologia de Informação e Comunicação: Uma abordagem utilizando projetos. Gestão & Produção, 24(3), 610–621. https://doi.org/10.1590/0104-530x481-16.

Figueiredo, T. A. (2015). Assistência farmacêutica no Sistema Único de Saúde e a carga de doença no Brasil. Escola Nacional de Saúde Pública.

Galas, E. S., & Ponte, V. M. R. (2006). O Balanced Scorecard e o alinhamento estratratégico da tecnologia da informação: Um estudo de casos múltiplos. Revista Contabilidade & FinanÃSas, 17, 37–51.

Gonçalves, C. A., Reis Neto, M. T., & Gonçalves Filho, C. (2012). Estratégia Empresarial—O Desafio das Organizações (1º ed). Saraiva.

Hitt, M. A., Ireland, R. D., & Hoskisson, R. E. (2019). Administração estratégica: Competitividade e globalização (12º ed). Cengage Learning.

Johann, A. G., Johann, E. R., & Johann, E. R. (2014). Alinhamento estratégico entre Tecnologia da Informação (TI) e o Negócio (NE): Estudo de caso no segmento de distribuição de peças de reposição de uma empresa de máquinas agrícolas. Universitas: Gestão e TI, 4(2). https://doi.org/10.5102/un.gti.v4i2.2892.

Joia, L. A., & Souza, J. G. A. de. (2009). Articulando modelos de alinhamento estratégico de tecnologia da informação. Cadernos EBAPE.BR, 7(2), 252–269. https://doi.org/10.1590/S1679-39512009000200006.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (2006). Alinhamento: Utilizando o balanced scorecard para criar sinergias corporativas. Elsevier Brasil.

Kearns, G. S., & Sabherwal, R. (2006). Strategic Alignment Between Business and Information Technology: A Knowledge-Based View of Behaviors, Outcome, and Consequences. Journal of Management Information Systems, 23(3), 129–162. https://doi.org/10.2753/MIS0742-1222230306.

Laia, M. M. de, Cunha, M. A. V. C. da, Nogueira, A. R. R., & Mazzon, J. A. (2011). Electronic government policies in Brazil: Context, ICT management and outcomes. Revista de Administração de Empresas, 51(1), 43–57. https://doi.org/10.1590/S0034-75902011000100005.

Magalhães, F. L. F., Gaspar, M. A., & Campos, J. G. F. de. (2018). INFORMATION TECHNOLOGY STRATEGIC PLANNING: ANALYSIS OF CONCEPTS, FRAMEWORKS AND PROCESSES PRESENTED IN TEXTBOOKS PUBLISHED IN BRAZIL. 3065–3094. https://doi.org/10.5748/9788599693124-13CONTECSI/PS-4083.

Magalhães, J. L. D. (2010). ESTRATÉGIA GOVERNAMENTAL PARA INTERNALIZAÇÃO DE FÁRMACOS & MEDICAMENTOS EM DOENÇAS NEGLIGENCIADAS. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Margotto, J. E. S. (2019). O Laboratório Químico Farmacêutico do Exército no âmbito das Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo. ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO.

Meirelles, H. L. (2014). Direito Administrativo Brasileiro (40. ed). Malheiros Editores.

Mendes, Á., Carnut, L., & Guerra, L. D. da S. (2018). Reflexões acerca do financiamento federal da Atenção Básica no Sistema Único de Saúde. Saúde em Debate, 42(spe1), 224–243. https://doi.org/10.1590/0103-11042018s115.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2010). Safári de Estratégia: Um Roteiro pela Selva do Planejamento Estratégico (2. ed). Bookman.

Moreira, E. (2002). Proposta de uma sistemática para o alinhamento das ações operacionais aos objetivos estratégicos, em uma gestão orientada por indicadores de desempenho. Universidade Federal de Santa Catarina.

Palmeira Filho, P. L., Pieroni, J. P., Antunes, A. M. de S., & Martins, J. V. B. (2012). O desafio do financiamento à inovação farmacêutica no Brasil: A experiência do BNDES Profarma. http://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/2595.

Paranaiba, M. S. de, & Foina, P. R. (2018). ALINHAMENTO ENTRE O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E O PLANO DIRETOR DA TI EM ÓRGÃOS PÚBLICOS FEDERAIS. Universitas: Gestão e TI, 7(1). https://doi.org/10.5102/un.gti.v7i1.3763.

Pauli, S., & Mello Barreto, L. F. B. P. (2011). Alinhamento Estratégico entre Negócios e TI. Segundo Encontro de Administração da Informação, 17.

Porter, M. E. (1986). Estratégia Competitiva: Técnicas para Análise de Indústrias e da Concorrência (7. ed). Campus.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (1998). A competência essencial da corporação. In M. PORTER & C. A. MONTGOMERY (Orgs.), Estratégia: A busca da vantagem competitiva. Campus.

Rezende, D. A. (2002). ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO AO PLANEJAMENTO EMPRESARIAL: proposta de um modelo e verificação da prática em grandes empresas brasileiras [Tese, Universidade Federal de Santa Catarina]. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/83083/PEPS2214-T.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Rezende, K. S. (2013). As parcerias para o desenvolvimento produtivo e estímulo à inovação em instituições farmacêuticas públicas e privadas. As parcerias para o desenvolvimento produtivo e estímulo à inovação em instituições farmacêuticas públicas e privadas, 176.

Santos, W. J. R. dos, Riboldy, R., Fonseca, S. A., & Bovo, J. M. (2006). A Tecnologia da Informação no Processo de Modernização Promovido pelo PMAT/BNDES no Município de São José do Rio Preto. Encontro de Administração Pública e Governança, 16.

Silva, D. D. J. (2012). LABORATÓRIOS OFICIAIS: ESTRATÉGIAS PARA O FUNCIONAMENTO DA BAHIAFARMA. LABORATÓRIOS OFICIAIS: ESTRATÉGIAS PARA O FUNCIONAMENTO DA BAHIAFARMA, 123.

Silva, E. (2014). Complexo Econômico-Industrial da Saúde. Tempus Actas de Saúde Coletiva, 8, 71. https://doi.org/10.18569/tempus.v8i1.1455.

Souza, A. L. P. de, Pitassi, C., Bouzada, M. A. C., & Gonçalves, A. A. (2015). A Rede Brasileira de Produção Pública de Medicamentos na perspectiva da gestão de cadeias de suprimentos: O papel das TIC. Revista de Administração Pública, 49(3), 615–641. https://doi.org/10.1590/0034-7612132157.

Teeratansirikool, L., Siengthai, S., Badir, Y., & Charoenngam, C. (2013). Competitive strategies and firm performance: The mediating role of performance measurement. International Journal of Productivity and Performance Management, 62(2), 168–184. https://doi.org/10.1108/17410401311295722.

Ticom, P. S. P. (2019). A importância dos contratos de transferência de tecnologia nos laboratórios farmacêuticos oficiais no Brasil: O caso Farmanguinhos/FIOCRUZ. Faculdade de Ciências Humanas e Sociaisda Universidade Fernando Pessoa.

Valente, D. L., & Brasil, C. V. de M. B. (2019). Análise de ferramentas administrativas para o planejamento estratégico. FESPPR PUBLICA, 3(1), 13.

Vasconcelos, D. M. M. de, Chaves, G. C., Azeredo, T. B., & Silva, R. M. da. (2017). Política Nacional de Medicamentos em retrospectiva: Um balanço de (quase) 20 anos de implementação. CiÃtextordfemeninencia & Saúde Coletiva, 22, 2609–2614.

Zanatta, J. M. (2018). Theory of structural contingency and strategic alignment: Discussion in the theoretical field of organizational studies. 4(7), 10.




DOI: https://doi.org/10.5585/iptec.v8i2.18660

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Inovação, Projetos e Tecnologias – IPTEC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC

e-ISSN: 2318-9851
www.revistaiptec.org

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional