Análise da degradação da matriz extracelular na urina de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica

Regina Helena Marinho, Renata Salani, Alecsandra Aparecida dos Santos, Carla Malaguti, Simone Dal Corso, Carlos Alberto Silva

Resumo


Objetivos: Analisar os níveis de degradação da matriz extracelular (MEC) na urina de pacientes com DPOC e suas correlações com o prova de função pulmonar. Métodos: pacientes com DPOC (n=20) e indivíduos saudáveis (n=10) foram selecionados e submetidos à prova de função pulmonar por teste espirométrico. A degradação da MEC foi avaliada nas amostras de urina do grupo DPOC e controle por duas estratégias: dosagem de hidroxiprolina, para avaliar a degradação do colágeno; e, determinação da concentração dos fragmentos de elastina por ELISA, utilizando anticorpos anti-elastina. Resultados: A diferença entre a concentração dos níveis de hidroxiprolina não foi diferente em comparação ao grupo controle. Entretanto, observou-se que a concentração dos fragmentos de elastina em pacientes com DPOC foi extremamente significante (p=0,002) em relação ao grupo controle e se correlacionou negativamente com o parâmetro VEF1 da prova de função pulmonar. Conclusão: Esses resultados abrem perspectivas para a caracterização dos produtos de degradação da MEC por espectrometria de massas (MALDI-TOF/LC-MS/MS), uma tecnologia altamente específica e sensível para a determinação das seqüências de aminoácidos de peptídeos de interesse.

Palavras-chave


DPOC; Degradação da matriz extracelular; Elastina; Colágeno.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v8i4.1684

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2009 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.