Interferência do tabaco no sistema imunitário – estado atual e perspectivas – revisão da literatura

André Luis Giusti

Resumo


A cada dez minutos morre uma pessoa no mundo devido ao uso do tabaco e esse número está aumentando rápido, principalmente pelo consumo, concomitante, de outras drogas. Se essa tendência não se inverter, antes do ano 2020, 10 milhões de mortes ocorrerão em 70% dos países em desenvolvimento. O cigarro é uma das substâncias mais consumidas no Brasil. Cerca de 41,1% dos estudantes de escolas públicas e particulares já experimentaram cigarro; especificamente no Distrito Federal, esse número diminuiu para 28,7%. No Distrito Federal, a idade média de início do uso do cigarro é de 13 a 14 anos. Em relação aos estudantes de medicina, o tabagismo vem diminuindo no decorrer dos anos, mostrando tendência à estabilização. Na Universidade de Brasília (Unb), a prevalência de fumantes é de 14,7%. O tabaco, além de possuir uma série de substâncias, induz a inúmeras reações que acabam gerando imunodepressão, com o aumento das células de defesa. Existem diferenças entre a quantidade de cigarro fumado e as respostas geradas, fato ao qual se deve a alta complexidade tanto do tabaco quanto das respostas que ocorrem no homem.

Palavras-chave


Cigarro. Nicotina. Sistema imunitário. Tabaco.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v6i1.922

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2007 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional