Autopercepção e conhecimento sobre saúde bucal de moradores de uma comunidade carente do município de Porto Alegre-RS

Márcia Cançado Figueiredo, Daniel Demétrio Faustino-Silva, Andressa da Silveira Bez

Resumo


Neste estudo avaliamos a autopercepção e o conhecimento sobre a saúde bucal de uma população carente, anterior à implantação de um Programa de Promoção de Saúde Bucal. Trata-se de um estudo descritivo transversal, da Unidade Básica de Saúde (UBS) Timbaúva, do bairro Mário Quintana, de Porto Alegre-RS, em 2007, com dados coletados de um questionário estruturado com perguntas fechadas, testado em um estudo piloto. Os questionários foram preenchidos por 185 pais ou responsáveis de crianças matriculadas na escola da comunidade. Os resultados mostram que apenas 31,98% foram ao dentista por causa de dor de dente. Com relação a autopercepção da saúde bucal, 63,78% tiveram experiência de cárie; 40%, sangramento gengival à escovação e 32,43%, dente permanente extraído. 95,13% têm uma escova em casa e 9,73% compartilha-a. Sobre o dentifrício, 98,37% declararam utilizá-lo, e quanto ao consumo de doces, 50,81% consomem em grande quantidade. Portanto, estratégias de promoção de saúde devem estar pautadas no conhecimento prévio e nas autopercepções da saúde, para que as ações educativas possam reverter em melhorias.

Palavras-chave


Atitudes e prática em saúde; Educação em saúde; Higiene bucal. Promoção da saúde; Saúde bucal.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v7i1.934

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2008 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional