Gestão de processos na administração pública: o caso da Diretoria de Cálculos e Perícias do município de Belo Horizonte

Lyllian Nietzsch Lima Melo, Daniel Francisco Bastos Monteiro

Resumo


Este estudo tem como objetivo analisar como o processo de trabalho dos calculistas é desenvolvido na Diretoria de Cálculos e Perícias da Procuradoria Geral do Município de Belo Horizonte. Optou-se por desenvolver um trabalho de abordagem qualitativa, utilizando o estudo de caso como estratégia de pesquisa. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas e observação não participante direta. Foram entrevistados cinco calculistas, integrantes do quadro funcional da Diretoria de Cálculos, e selecionou-se uma amostra não probabilística intencional. Os dados coletados foram analisados e interpretados a partir da técnica de Análise de Conteúdo. Como principais resultados, constatou-se que, para ter distribuição equânime dos pedidos de conferência entre os calculistas, as ações judiciais teriam que ser mapeadas e agrupadas em níveis, de baixa, média e alta complexidade. Também foi identificada a necessidade de criação de uma equipe de suporte aos procuradores para realizar uma análise minuciosa das ações judiciais visando indicar as atividades a serem executadas e estabelecer prazos a serem cumpridos. E, por fim, evidenciou-se a necessidade de aprimorar a comunicação e integrar as partes envolvidas na execução das ações judiciais. A pesquisa concluiu que o mapeamento e a padronização dos processos devem ser realizados levando em consideração o conhecimento de cada servidor e buscando representar um conjunto de soluções adequadas à otimização de recursos e redução de prazos, proporcionando, assim, produtos e resultados com qualidade e eficiência.


Palavras-chave


Gestão Pública; Gestão de Processos; Administração Pública

Texto completo:

PDF

Referências


Association of Business Process Management Professionals. (2013). Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios. Corpo Comum de Conhecimento. (1a ed.). São Paulo: BPM Brazil.

Adair, C. B. & Murray, B. A. (1996). Revolução total dos processos. São Paulo: Nobel.

AXELOS. (2016). Introduction to P3M3. Recuperado em 11.10.2020 de:

https://www.axelos.com/getmedia/9552436e-ee38-443d-afd9-37d445ce5157/Intro-to-P3M3.aspx

BELO HORIZONTE. (2019). Lei n.º 11.065. Recuperado em 18.10.2020 de: http://www.cmbh.mg.gov.br

BELO HORIZONTE. (2017). Organograma da Procuradoria Geral do Município. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte As empresas são grandes coleções de processos. Recuperado em 21.10.2020 de: https://prefeitura.pbh.gov.br/sites/default/files/noticia/ORG_PGM.pdf

BELO HORIZONTE. (2017). Decreto n.º 16.683. Recuperado em 21.10.2020 de: http://www.cmbh.mg.gov.br

BELO HORIZONTE. (2007). Decreto Municipal n.º 12.603. Recuperado em 20.10.2020 de: http://www.cmbh.mg.gov.br

BELO HORIZONTE. (1998). Portaria nº 3.574. Recuperado em 10.09.2020 de: http://www.cmbh.mg.gov.br

BRASIL. (2014). Lei 13.105. Código de Processo Civil. Recuperado em 10.09.2020, de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13105.htm

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. (2014) Gespública. Guia de Gestão de Processos.

Brocke, J. V. & Rosemann M. (2013). Manual de BPM: Gestão de Processos de Negócio. (1a ed.). São Paulo: Bookman.

Carlomagno, M. & Rocha, L. (2016). Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, 7(1), 173–188.

Catelli, A. & Santos, E. (2004). Mensurando a criação de valor na gestão pública. Revista de Administração Pública, 38(3), 423–450.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução Luciana de Oliveira da Rocha. (2a ed.). São Paulo: Artmed.

Crawford, J. K. (2002). The strategic project office: A guide to improving organizational performance. Marcel Dekker Inc.

Cruz, C. F; Ferreira, A. C. S.; Silva, L. M. & Macedo, M., A. S. (2012). Transparência da gestão pública municipal: um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 46(1), 153–176.

Davenport, T. H. (1994). Reengenharia de processos. (2a ed.) Rio de Janeiro: Campus.

Denhart, R. B. (2012). Teorias da administração pública. Tradução Francisco G. Heidemann. São Paulo: Cengage Learning.

De Sordi, J. O. (2005). Gestão por processos: Uma abordagem da moderna administração. (2a ed.). São Paulo: Saraiva.

Dixon, J. (2012). Hype Cycle for Business Process Management. Recuperado em 10.10.2020 de: https://www.gartner.com/doc/2096519?ref=mrktg-srch.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. (2a ed.). São Paulo: Bookman.

Gonçalves, J. E. L. (2000). As empresas são grandes coleções de processos. Revista de Administração de Empresas, 40(1), 6–9.

Glesne, C. (2015). Becoming qualitative researchers: An introduction. 5th edition. London: Pearson.

Harrington, H. J. (1993). Aperfeiçoando processos empresariais: Estratégia revolucionária para o aperfeiçoamento da qualidade, da produtividade e da competitividade. Makron Books.

Huntress, J. (2006). The Current State of BPM Technology: A taxonomy and strategy. BPM Institute.

Longaray, A. A.; Munhoz, P. R.; Silveira, L. S.; Lunardi, G. L. & Duarte, S. (2017). Proposta de Mapeamento de Processos Usando a BPMN: Estudo de Caso em uma Indústria da Construção Naval Brasileira. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 10 (Ed. Especial 2), 247–275.

Martins, G. A. (2008). Estudo de caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em pesquisa no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2), 9-18.

Marzall, L.; dos Santos, L. & Godoy, L. (2016). Inovação no projeto de produto como fator para redução de custos logísticos e de produção. Revista Produção Online, 16(1), 342–365.

Mattar, F. N. (2001). Pesquisa de marketing. (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Matias-Pereira, J. (2010). A governança corporativa aplicada no setor público brasileiro. Administração Pública E Gestão Social, 2(1), 109–134. Recuperado em 05.10. 2020 de: https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4015.

Mendonça, R. R. S. de. (2014). Processos Administrativos. Departamento de Ciências da Administração/UFSC. (3a ed.) Brasília: Capes.

Kelm, M.; Baggio, D.; Kelm, M.; Griebeler, M. & Sausen, J. (2015). A inovação como estratégia competitiva das organizações: um ensaio teórico. Revista de Administração IMED, 4(3), 274–285.

Palvarini, B. C. (2009) O que é Gespública. Brasília. Recuperado em 11.10.2020 de: https://pt.slideshare.net/UltimaRatio1/o-que-a-gespublica.

Paim, R.; Caulliraux, H. M. & Cardoso, R. (2008). Process management tasks: a conceptual and practical view. Business Process Managament Journal, 14 (5) 694–723.

Pimenta, M. L. & Silva, A. L. (2012). Desafios da integração interfuncional: O papel da formalidade e da informalidade. In: XXXVI Encontro Nacional da Anpad. Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: Anpad, 25–36.

Pradella, S. (2013). Gestão de processos: Uma metodologia redesenhada para a busca de maior eficiência e eficácia organizacional. Revista Gestão & Tecnologia. [S.l.], 13(2), 94–121.

PMI. (2013). Project Management Professional (PMP) Handbook. Newton Square: Project Management Institute.

Roesch, S. M. A. (1999). Projetos de estágio e de pesquisa em administração. (3a ed.) São Paulo: Atlas.

Rosemann, M. (2006). Potential pitfalls of process modeling: Part A. In: Business Process Management Journal, 12(2), 249–254.

Santana, R. S. C. & Silva, J. C. S. (2012). A contribuição do modelo de excelência em gestão pública no processo de aprendizagem organizacional: o caso da Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A. Gestão e Sociedade, 6(13), 47–68.

Sá, A. L. (2011). Perícia Contábil. (2a ed.) São Paulo: Atlas.

Silva, A. L. (2011). Dinâmica de integração interfuncional entre marketing, logística e produção: novos caminhos para a gestão de operações. São Paulo: FAPESP.

Thiry-Cherques, H. R. (2009). Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento. Revista PMKT, 3(2), 20–27.

Vergara, S. C. (2013). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. (15a ed.) São Paulo: Atlas.

Warrington, E. (1977). Tree Vies of the New Public Administration. Public Administration and Development.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: Planejamento e métodos. (5a ed.). São Paulo: Bookman.

Zaiden, J. A. S. (2013). Escritório de processos: Otimizando a gestão pública do Estado de Goiás. In: Congresso Consad de Gestão Pública. Brasília.

Zanelli, J. C. (2002). Pesquisa qualitativa em estudos de gestão de pessoas. Estudos da Psicologia, 7, 79–88.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v11i3.18469

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org

GeP – Revista Gestão e Projetos ©2021 Todos os direitos reservados

Esta obra está licenciada com uma licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional