Competências requeridas em equipes de projetos ágeis: um estudo de caso em uma Edtech

Laila Cristina Couto Gonçalves, Silvia Alves Assumpção de Oliveira, Jéssica de Carvalho Amaral Pacheco, Paula Karina Salume

Resumo


Diferentes métodos de gerenciamento de projetos - abordagem tradicional e ágil - exigem características distintas da equipe, especialmente num contexto intensivo de tecnologia que requer alto desempenho. Neste sentido, o presente artigo busca identificar quais competências têm sido demandadas aos profissionais que atuam em projetos, no âmbito de abordagens ágeis, a fim de orientar gestores de projetos a formar equipes de alta performance, capazes de entregar valor, maior produtividade e lucratividade para as organizações. Para isso, foi realizado um estudo de caso em uma edtech, empresa startup educacional, através de entrevistas semiestruturadas, presenciais e virtuais, com colaboradores da empresa que compõem dois squads distintos. As entrevistas permitiram conhecer o perfil e as competências de cada profissional entrevistado, além de sua visão em relação ao ambiente de trabalho circunscrito em processos ágeis de gerenciamento de projetos e necessidade de equipes de alta performance. A pesquisa revelou que as principais competências valorizadas no time são: conhecimento técnico e da abordagem de projetos, comunicação, saber trabalhar em equipe, capacidade de execução, flexibilidade, liderança, colaboração e proatividade. Conclui-se que o time está no caminho de ser uma equipe de alta performance, porém ainda é necessário que os membros incorporem mais as práticas ágeis entendendo o real valor que as mesmas geram para os clientes, por meio do desenvolvimento dos seus produtos.


Palavras-chave


Projetos; Abordagem ágil; Equipes de alta performance; Competências.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, C. C., Campagnac, L. A.,& Farias Filho, J. R. (2008). Em busca do perfil ideal de gerente para alcançar o sucesso dos projetos.Congresso Nacional de Excelência em Gestão – CNEG,Niterói, RJ, Brasil, 4.

Amaral, D. C., Conforto, E. C., Benassi, J. L. G., &Araujo, C. (2011). Gerenciamento ágil deprojetos: aplicação em produtos inovadores. Saraiva, SP, Brasil.

Bardin, L. (2011).Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barato, J. N. (1998). Competências essenciais e avaliação do ensino universitário. Brasília: Ed. da UnB.

Balle, A. R. (2011). Análise de Metodologias Ágeis: Conceitos, Aplicações e Relatos sobre XP e Scrum. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) – Instituto de Informática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Betti, Sandra. (2011). Formando equipes de alta performance. Recuperado em 14 abril, 2018, de https://endeavor.org.br/equipes-de-alta-performance-como-chegar-la/

Boerg, J. (2018). Kanban em 10 passos. Revista InfoQ Brasil.Recuperado em 10 novembro, 2018, de http://www.gianfratti.com/WP/wp-content/uploads/2018/04/InfoQBrasil-Kanban10Passos.pdf

Borges, A. (2017, maio). Especialização profissional: entenda a importância da sua carreira. Recuperado em 01 novembro, 2018, de http://igceducacao.com.br/postagem-blog/especializacao-profissional-entenda-importancia-para-sua-carreira/

Bryman, A. (1989).Research methods and organization studies. London: Unwin Hyman: London.

Camara, I. (2018).Edtech: revolução na área educacional.Ebook.Recuperado em10 novembro, 2018, de https://www.startse.com

Carvalho, M., & Laurindo, F. (2003). Estratégia para competitividade (1a ed.). São Paulo: Futura.

Carvalho, B. V.,&Mello, C. H. P. (2009). Revisão, análise e classificação da literatura sobre o método de desenvolvimento de produtos ágil Scrum. Anais do Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - SIMPOI, São Paulo, SP, Brasil, 12.

Chiavenato, I. (2004). Gestão de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Cruz, F. (2013). Scrum e PMBOK unidos no gerenciamento de Projetos (1a ed.). Rio de Janeiro: Editora Brasport.

Cruz, F. (2014, dezembro).A comunicação da escuta.Recuperado em 29 outubro, 2018 de http://www.fabiocruz.com.br/comunicacao-escuta/

Durand, T. (1998). Forms of incompetence. International conference on competence-based management (Vol. 4). Oslo: Norwegian School of Management.

Dyer, W. G.,&Dyer, J. H. (2011).Equipes que fazem a diferença (Team Building):Estratégias comprovadas para desenvolver equipes de alta performance. São Paulo: Saraiva.

Fórum Econômico Mundial. (2016). 10 competências que todo profissional vai precisar até 2020. Recuperado em 14 abril, 2018 de https://exame.abril.com.br/carreira/10-competencias-que-todo-professional-vai-precisar-ate-2020/

Gava, R. (2009). Proatividade de mercado: construção de um modelo teórico.Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS, Brasil.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo (Vol. 35, pp. 20- 29).

Harvard Business School – HBS. (1997).Project management manual. Boston: Harvard Business School.

Highsmith, J.et al.(2001). Manifesto for Agile Development. USA. Recuperado em14 abril, 2018 de http://agilemanifesto.org/

Juran, J. M., & Godfrey, A. B. (1998). Juran’ Quality Handbook (5aed.). Mc Graw-Hill.

Kniberg, H., &Ivarsson, A. (2012). Scaling Agile @ Spotify with Tribes, Squads, Chapters and Guilds. Recuperado em 18 novembro, 2018, de https://www.infoq.com/br/articles/spotify-escalando-agile

Le Boterf, G. (1995). De la compétence - essai sur unattracteurétrange. In: Les éditionsd'organisations. Paris: QuatrièmeTirage.

Leme, R. (2005). Aplicação Prática de Gestão de Pessoas por competências. Editora Qualitymark.

Lima, N. C. (2012).Aplicação da gestão ágil no gerenciamento de projetos. Linguagem Acadêmica: Batatais.

López-Bao, J. V.,Palomares, F.,Rodríguez, A., &Ferreras, P. (2011). Intraspecific interference influences the use of prey hotspots. Oikos.

Magill, R. A. (2000).Aprendizagem motora: conceitos e aplicações.São Paulo: Edgard Blücher.

Mariano, A. D. (2008). Gerenciamento de portfólio de projetos: fatores críticos de sucesso e impactos sobre os resultados organizacionais.Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Marques, J. R. (2016, abril). O que é adaptabilidade.Recuperado em 01 novembro, 2018, de http://www.ibccoaching.com.br/portal/o-que-e-adaptabilidade/

Martin, S. B. (1997, outubro). Redes sociais e flexibilidade do trabalho: uma análise comparativa.Revista Latinoamericana de EstudiosdelTrabajo,6, pp. 9-38.

Miguel, P. A. C. (2007, abril). Estudo de caso na engenharia de produção: estruturação e recomendações para sua condução.Revista Produção, 1, pp. 216-229.

Motta, P. R. M. (2004). Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. Rio de Janeiro: Record.

Nonaka, I., &Takeuchi, H. (1997). Criação do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus.

Olabuenaga, J.I. R.,Ispizua, M.A. (1989).La descodificacion de la vida cotidiana: metodos de investigacioncualitativa. Bilbao: Universidad de deusto.

Paradela, T.,Peeters, S. (2014)."Trabalhar ou ficar em casa?": Perspectivas do Trabalho Remoto.Recuperado em06 julho, 2018, de http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2001_TR41_0374.pdf

Parry, S.B. (1996, June). The Quest for Competences. Training, Mineeapolis, 7, pp.48-56.

Prahalad, C. K., &Hamel, G. (1990, June). The core competence of the corporation.Harvard Business Review, 3,pp. 79-91.

Prado, D. (2009).Gerenciamento de portfólios, programas e projetos nas organizações. Nova Lima: INDG Tecnologia e Serviços.

Prikladnicki, R.,Willi, R.,&Milani, F. (2014). Métodos ágeis para o desenvolvimento de software. Porto Alegre: Bookman.

Project Management Institute - PMI. (2017). PMBOK Guide: A Guide to The Project Management Body of Knowledge. Pennsylvania: Project Management Institute (6a ed.).

Rabaglio, M. O. (2001).Seleção por Competências (2a ed.). São Paulo: Educator.

Robbins, S. P. (2005). Comportamento organizacional. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Rotta, M. et al. (2015). Implantação de métodos ágeis em empresa de desenvolvimento de software: um estudo de caso. Congresso do Conhecimento e Inovação, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, SC, Brasil, 5.

Sabbagh, R. (2013).Scrum: Gestão ágil para projetos de sucesso. Casa do código.

Schwaber, K. (2014). Agile Project Management withScrum. Microsoft Press. Recuperado em 21 abril, 2018, de http://www.scrum.org/

Sutherland, J.,&Schwaber, K. (2013). Um guia definitivo para o Scrum: As regras do jogo. Guia do Scrum. Recuperado em 11 novembro, 2018, de https://www.scrumguides.org/docs/scrumguide/v1/Scrum-Guide-Portuguese-BR.pdf

Sefiani, N., Boumane, A.,Campagne, J. P., &Bouami, D. (2012, January). Process of IdentifyingCompetencies based on a Functional Approach.International Journal of EngineeringScience and Technology, 1,p. 265.

Terry, R. G. (1960). Pensamentos de Terry. Pensador. Recuperado em 10 outubro, 2018, de https://www.pensador.com/frase/NTc5ODg2/

Yukl, G. (2013). Leadership in organizations (8aed.). Engle-wood Cliffs, NJ: Prentice Hall.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v11i3.18476

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org

GeP – Revista Gestão e Projetos ©2021 Todos os direitos reservados

Esta obra está licenciada com uma licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional