O processo de morte na unidade de terapia intensiva neonatal

Sandra A. Neves Araújo, Kelly França Belém

Resumo


Introdução: Neste estudo, analisou-se a reação emocional dos profissionais de enfermagem ao cuidar de recém-nascidos em processo de morte, internados em UTI neonatal. Objetivo: O intuito foi identificar elementos para melhorar a interação desses indivíduos com as famílias das crianças e verificar como lidam com tal processo, visando aprimorar a assistência de enfermagem. Método: Trata-se de uma pesquisa de campo exploratória, descritiva com abordagem qualitativa e quantitativa. Resultados: Observou-se que as principais reações citadas pelos voluntários foram tristeza, impotência, frustração e naturalidade. Conclusão: O profissional de enfermagem que cuida de paciente terminal não esta preparado para lidar com seus sentimentos nem dar apoio à família nessa situação, pois assuntos relacionados à morte, na maioria das vezes, não fazem parte da grade curricular dos cursos. Sugere-se que a preparação de profissionais sobre o tema seja realizada no início da formação acadêmica e que os hospitais lhes proporcionem suporte psicológico para que eles possam lidar com suas emoções ao cuidar de uma criança em fase terminal.

Palavras-chave


Assistência de enfermagem; Morte; Profissional de enfermagem; UTI neonatal.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v9i2.2073

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2010 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.