Aplicação do IVCF-20 adaptado para o telefone como estratégia de avaliação em tempos de Covid-19

Renata Silva Rosa, Daniel da Silva Constante, Fábio Luiz Cheche Pina

Resumo


Resumo

Introdução: o risco de fragilidade em idosos é algo que deve ser monitorizado, sendo importante seu acompanhamento pelo sistema de saúde, especialmente durante uma pandemia.
Objetivo: estimar o risco de fragilidade em idosos comunitários adscritos de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) durante a pandemia de COVID-19 com a aplicação do questionário de Índice de Vulnerabilidade Clínico-Funcional-20 (IVCF-20) adaptado para telefone.
Métodos: estudo transversal com 152 idosos (≥ 60 anos) de ambos os sexos, cadastrados na Estratégia em Saúde da Família referente a uma UBS na região urbana de Londrina-PR. A coleta de dados foi realizada em etapa única, durante contato telefônico, utilizando para o registro de informações o IVCF-20, sendo realizadas três tentativas de contato telefônico.
Resultados: 68,4% dos idosos eram hipertensos e 24,3% diabéticos. Com relação à moradia, 94,7% dos idosos “não” moram sozinhos e 70,4% possuem uma “boa percepção de saúde”. Para classificação do IVCF-20, 73,0% dos homens são classificados como “robustos”, quando comparados às mulheres (51,7%).
Conclusão: a aplicação do IVCF-20 por telefone apresenta capacidade de uso em momentos de risco para a saúde pública, como a pandemia de COVID-19.


Palavras-chave


Assistência a idosos; Capacidade residual funcional; Assistência integral a saúde; SARS-CoV-2; Desempenho físico funcional

Texto completo:

PDF

Referências


Ervatti L, Borges GM, Jardim A de P, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (org.). Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI: subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro: IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2015. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv93322.pdf

Vasconcelos AMN, Gomes MMF. Transição demográfica: a experiência brasileira. Epidemiol Serv Saúde. 2012; 21(4): 539–548. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742012000400003

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 jan. 2022.

Melamed C, Costa N do R. Inovações no financiamento federal à Atenção Básica. Ciênc Saúde Coletiva. 2003; 8(2):393–401. https://doi.org/10.1590/S1413-81232003000200006

Moraes EN de, Carmo JA do, Moraes FL de, Azevedo RS, Machado CJ, Montilla DER. Clinical-Functional Vulnerability Index-20 (IVCF-20): rapid recognition of frail older adults. Rev Saúde Pública. 2016; 50:81. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2016050006963

Moraes EN, Carmo JA, Machado CJ, Moraes FL. Índice de Vulnerabilidade Clínico-Funcional-20: proposta de classificação e hierarquização entre os idosos identificados como frágeis. Rev Fac Ciênc Méd Sorocaba. 2021; 22(1):31–35. http://dx.doi.org/10.23925/1984-4840.2020v22i1a7

Pinto LF, Rocha CMF. Inovações na Atenção Primária em Saúde: o uso de ferramentas de tecnologia de comunicação e informação para apoio à gestão local. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; 21(5):1433–1448. https://orcid.org/0000-0003-3281-2911

Segri NJ, Cesar CLG, Barros MB de A, Alves MCGP, Carandina L, Goldbaum M. Inquérito de saúde: comparação dos entrevistados segundo posse de linha telefônica residencial. Rev Saúde Pública. 2010; 44(3):503–512. https://doi.org/10.1590/S0034-89102010005000012

Romero DE, Muzy J, Damacena GN, Souza NA de, Almeida W da S de, Szwarcwald CL, et al. Idosos no contexto da pandemia da COVID-19 no Brasil: efeitos nas condições de saúde, renda e trabalho. Cad Saúde Pública. 2021; 37(3):e00216620. https://doi.org/10.1590/0102-311X00216620

Segri NJ, Francisco PMSB, Alves MCGP, Azevedo Barros MB de, Cesar CLG, Goldbaum M, et al. Práticas preventivas de detecção de câncer em mulheres: comparação das estimativas dos inquéritos de saúde (ISA - Capital) e vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico (VIGITEL - São Paulo). Rev Bras Epidemiol. 2011; 14(suppl 1):31–43. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2011000500004

Bernal R, Silva NN da. Cobertura de linhas telefônicas residenciais e vícios potenciais em estudos epidemiológicos. Rev Saúde Pública. 2009; 43(3):421–426. https://doi.org/10.1590/S0034-89102009005000024

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Brasil), Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Características gerais dos domicílios e dos moradores 2019. 2020. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101707_informativo.pdf

Ono, LM. Capacidade funcional como preditor de mortalidade em idosos de Florianópolis: estudo EpiFloripa idoso. Orientador: Eleonora d’Orsi. 2015. 116 p. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/134925

Karsch UM. Idosos dependentes: famílias e cuidadores. Cad Saúde Pública. 2003; 19(3):861–866. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000300019

Armitage R, Nellums LB. COVID-19 and the consequences of isolating the elderly. The Lancet Public Health. 2020; 5(5):e256. https://doi.org/10.1016/S2468-2667(20)30061-X

Zaitune MP do A, Barros MB de A, César CLG, Carandina L, Goldbaum M. Hipertensão arterial em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006; 22(2):285–294. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006000200006

Pinheiro RS, Viacava F, Travassos C, Brito A dos S. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2002; 7(4):687–707. https://doi.org/10.1590/S1413-81232002000400007

Nicodemo, D, Godoi MP. Juventude dos anos 60-70 e envelhecimento: estudo de casos sobre feminização e direitos de mulheres idosas. Rev Ciênc Ext. 2010; 6(1):40–53. http://hdl.handle.net/11449/143244

Banerjee D. ‘Age and ageism in COVID-19’: Elderly mental health-care vulnerabilities and needs. Asian J Psychiatr. 2020; 51:102154. https://doi.org/10.1016/j.ajp.2020.102154

Santini ZI, Jose PE, York Cornwell E, Koyanagi A, Nielsen L, Hinrichsen C, et al. Social disconnectedness, perceived isolation, and symptoms of depression and anxiety among older Americans (NSHAP): a longitudinal mediation analysis. The Lancet Public Health. 2020; 5(1):e62–70. https://doi.org/10.1016/S2468-2667(19)30230-0

Mood C. Life-style and self-rated global health in Sweden: A prospective analysis spanning three decades. Prev Med. 2013; 57(6):802–806. https://doi.org/10.1016/j.ypmed.2013.09.002

Maia LC, Colares FB, Moraes EN de, Costa SDM, Caldeira AP. Robust older adults in primary care: factors associated with successful aging. Rev Saúde Pública. 2020; 54:35. https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054001735

Horacio PR, Avelar NCP de, Danielewicz AL. Comportamento sedentário e declínio cognitivo em idosos comunitários. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2021; 26:1–8. https://doi.org/10.12820/rbafs.26e0190




DOI: https://doi.org/10.5585/21.2022.21473

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional