Associação do polimorfismo do gene receptor 5HT-2A e síncope vasovagal

Elisiane Lorenzini, Melissa Medeiros Markoski, Livia Biason, Juarez Neuhaus Barbisan, Ana Paula Guedes Frazzon

Resumo


Introdução: Síncope Vasovagal é uma patologia muito frequente, porém sua fisiopatologia não é bem conhecida. Objetivos: Verificar a associação do polimorfismo T102C 5HT-2A e síncope vasovagal. Métodos: Este estudo de caso-controle incluiu 106 pacientes, selecionados entre março de 2007 e dezembro de 2008. Cinquenta e três participantes com história de síncope e teste de inclinação positivo foram comparados com 53, sem história de síncope, em relação à presença do polimorfismo. Resultados: Dos pacientes estudados, 11 (22%) do grupo caso e 4 (8%) do controle tinham história familiar em primeiro grau de síncope (p=0,03). Na análise de regressão logística, os homozigotos 102C (OR 4,54; IC 95%: 1,14–0,97; p= 0,02) e a história familiar (OR 2,86; IC 95%: 0,97 – 8,39; p=0,03) estavam independentemente associados à maior chance de síncope vasovagal. Conclusões: Pacientes com história familiar de síncope e homozigotos 102C têm mais chance de apresentar síncope vasovagal.

Palavras-chave


Síncope vasovagal; Polimorfismo genético; Genética.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v11n2.3098

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2012 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.