Desmistificando a equação de NIOSH para tarefas compostas: um roteiro de aplicação

Henrique Martim de Moura, Luis Antonio Santos Franz, Isabela Fernandes Andrade

Resumo


A Equação de NIOSH é difundida e utilizada no Brasil por profissionais e acadêmicos. Porém, um dos principais problemas é a aplicação da Equação de NIOSH para tarefas simples, em contextos de tarefas que são caracterizadas como tarefas compostas. Não obstante, há uma lacuna importante nestes trabalhos, no que compete à demonstração de forma mais didática do seu uso. Sendo assim, o presente trabalho caracteriza-se como um estudo de caso, onde a equação de NIOSH foi aplicada seguindo cinco passos metodológicos em uma tarefa composta comum no contexto de macromercados e supermercados. Concluímos que a utilização da Equação de NIOSH composta, desde que feita com parcimônia e utilizando-se os valores corretos das frequências durante os procedimentos de cálculo, pode trazer uma avaliação mais acurada dos riscos relativos à manutenção de cargas em atividades complexas; evitando percepções equivocadas das situações de trabalho e consequentemente em danos à saúde do trabalhador. 


Palavras-chave


Equação de NIOSH composta; Manutenção de cargas; Avaliação ergonômica.

Texto completo:

PDF

Referências


Chechetto, S.T, Madeira, K., & Longen, W.C. (2016). Identificação do risco lombar no trabalho de empacotamento manual de sacas de arroz. Revista Produção Online, v.16, n.2, p.395-407. https://doi.org/10.14488/1676-1901.v16i2.1780

BRASIL. (2007). Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora Nº17 – Ergonomia. https://www.gov.br/trabalho-e-previdencia/pt-br/composição/orgaos-especi ficos/secretaria-de-trabalho/inspecao/seguranca-e-saude-no-trabalho/ctpp-nrs/norma-regulamentadora-no-17-nr-17

BRASIL.. (2002). Ministério do Trabalho e Emprego. Manual de aplicação da Norma Regulamentadora nº 17. Brasília: Ministério do Trabalho. Recuperado de http://www.ergonomia.ufpr.br/MANUAL_NR_17.pdf.

Fox, R.R., Lu, M.L., Occhipinti, E., & Jaeger, M. (2019). Understanding outcome metrics of the revised NIOSH lifting equation. Applied ergonomics, v.81, p.1-6. https://doi.org/10.1016/j.apergo.2019.102897

Garg, A. (1995). Revised NIOSH equation for manual lifting: a method for job evaluation. AAOHN J, v.43, n.4, p.211-216. https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177 /216507999504300408

Garg, A., & Kapellusch, J.M. (2016). The cumulative lifting index (CULI) for the revised NIOSH lifting equation: quantifying risk for workers with job rotation. Human factors, v.58, n.5, p.683-694. https://doi.org/10.1177/0018720815627405

Iida, I., & Guimarães, L.B.M. (2005). Ergonomia: Projeto e Produção. 3 ed. São Paulo: Edgard Blücher.

Kroemer, K. H. E., & Grandjean, E. (2005). Manual de ergonomia: Adaptando o trabalho ao homem. Porto Alegre: Bookman. 328p.

Lucio, C.C., Alves, S.A., Razza, B.M., Silva, J.C.P., & Paschoarelli, L.C. (2010). Trajetória da Ergonomia no Brasil: aspectos expressivos da aplicação em design. In: Silva, J.C.P., & Paschoarelli, L.C. A evolução histórica da ergonomia no mundo e seus pioneiros. São Paulo: Editora Unesp, cap. 10, p.91-103. https://books.scielo.org/id/b5b72/pdf/silva-9788579831201-11.pdf?

Martins, J.R., Bacelar, T.C., Bonfim, W.B., Rodrigues, M.V., & Xerez, F.C. (2017). Análise ergonômica no transporte manual de cargas: Um estudo de caso em uma empresa de produção de cimento. Revista GEPROS, v.12, n.1, p.269. https://doi.org/10.15675/gepros.v12i1.1627

Moreira, E. S, Chaves, C. A., dos Santos, J. C. D., & Rodrigues, J. W. (2015). Melhorias Ergonômicas Utilizando a Equação Revisada de Levantamento Niosh. Revista de Ciências Exatas e Tecnologia, 10(10). https://doi.org/10.17921/1890-1793.2015v10n10p%25p

Moreira, E.S., & Nunes, L.E.N.P. (2016). A influência da ergonomia em melhorias produtivas utilizando a equação niosh. Revista Gestão Industrial, v.12, n.4. https://doi.org/10.3895/gi.v12n4.4537

Moura, C.R, Círico, E., Lafin, N.N.,Borges, T.L., & da Silva, S. S. (2019). Desenvolvimento do conceito de uma plataforma de acesso a piscinas para pessoas com mobilidade reduzida. Exacta, 17(1). https://doi.org/10.5585/exactaep.v17n1.8049

Moura, H.M., Bemvenuti, R.H., & Franz, L.A.S. (2020). Produção brasileira em Ergonomia no cenário internacional. Revista Prâksis – Dossiê: Trabalho, Saúde e Inclusão Social, a.17, v.1, p.31-56, jan./abr. https://doi.org/10.25112/rpr.v1i0.2042

Naiditch, I. F., Funck, M., Sander, N. E., & Lerman, L. V. (2020). ESTUDO COMPARATIVO DOS IMPACTOS ERGONÔMICOS DA UTILIZAÇÃO DE PROCESSOS FÍSICOS E ELETRÔNICOS NO PODER JUDICIÁRIO. Produto & Produção, 21(1). https://doi.org/10.22456/1983-8026.97785

Neto, E.N.; Bittencourt, W.S.; Nasrala, M.L.S; Sousa, F.P.; Roder, I.B. (2015).A influência do nexo técnico epidemiológico previdenciário sobre as notificações de LER/DORT no INSS. Journal of Health Sciences, v.16, n.3. https://doi.org/10.17921/2447-8938.2014v16n3p%25p

NIOSH.(2014). National Institute for Occupational Safety Health. Local Health Departments and the NIOSH Health Hazard Evaluation Program: Working Together., DHHS (NIOSH) Publication No. 2014–113. https://doi.org/10.17921/2447-8938.2014v16n3p%25p

Pereira, C.C., Debiase, D.F, Farias, J.M., & Longen, W.C. (2015). Análise do Risco Ergonômico Lombar de Trabalhadores da Construção Civil Através do Método NIOSH. Produção Online, v.15, n.3. https://doi.org/10.14488/1676-1901.v15i3.1888

Ribeiro, I. A. V., Tereso, M. J. A., & Abrahão, R. F. (2009). Ergonomic work analyses method in fresh tomato packing houses: manual material handling. Ciência Rural, 39(4), 1073-1079. https://doi.org/10.1590/S0103-84782009005000037

Silva, J.S., Lacombe, J.A., Tavares, E.M., Varela, A.M., & Lellis, J.A. (2010). A ergonomia como um fator determinante no bom andamento da produção: um estudo de caso. Anagrama, v.4, n.1, p.1-14. https://doi.org/10.11606/issn.1982-1689.anagrama.2010.35485

Silva, J.S., Alexandre, S.M.B., & Sousa, M.N.A. (2014). Acidentes de trabalho e subnotificações: estudo com enfermeiros atuantes na atenção terciária. Ciência & Desenvolvimento-Revista Eletrônica da FAINOR v.7, n.2. Recuperado de https://essentia.uvanet.br/index.php/ESSENTIA/article/view/75/84

Teixeira, E.R. (2004). Sistematização de procedimentos necessários à aplicação da ELN: Estudo descritivo da relação entre o IL da equação revisada do NIOSH e a incidência de lombalgia numa amostra de trabalhadores. 239 f. 2004. Dissertação. Mestrado em Engenharia Mecânica do Departamento de Engenharia Mecânica, Setor Tecnológico, Universidade Federal do Paraná, Curitiba. Recuperado de https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/28901/D%20%20ELIANA%20REMOR%20TEIXEIRA.pdf?sequence=1

Waters, T.R., Putz-Anderson, V., Garg, A., & Fine, L.J. (1993). "Revised NIOSH equation for the design and evaluation of manual lifting tasks." Ergonomics, v.36, n.7, p. 749-776. https://doi.org/10.1080/00140139308967940

Waters, T.R., Putz-Anderson, V., & Garg, A. (1994). Applications manual for the revised NIOSH lifting equation. National Institute for Occupational Health, Cincinnati, Ohio. https://doi.org/10.26616/NIOSHPUB94110revised092021external icon.

Waters, T.R., Lu, M.L., Piacitelli, L.A., Werren, D., & Deddens, J.A. (2011) Efficacy of the revised NIOSH lifting equation to predict risk of low back pain due to manual lifting: expanded cross-sectional analysis. Journal of Occupational and Environmental Medicine, v.53, n.9, p.1061-1067. https://doi.org/10.1177/0018720813513608

Wilson, J.R. (2014) Fundamentals of systems ergonomics/human factors. Applied Ergonomics, v.45, n.1, p.5-13. http://dx.doi.org/10.1016/j.apergo.2013.03.021

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e métodos. Bookman editora.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2021.17832

Direitos autorais 2021 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional