A indústria têxtil no BRASIL: uma análise da importância da competitividade frente ao contexto mundial

André Marques Cavalcanti, Gilson Ferreira dos Santos

Resumo


O Brasil é a 5ª maior indústria têxtil e o 4º no segmento de vestuário no mundo.  No entanto, a sua participação no mercado têxtil mundial, é de apenas 0,3% em volume de negócios observando-se um baixo ganho da capacidade competitiva. Considerando a sua importância para a economia do Brasil   este artigo busca analisar a competitividade da cadeia têxtil brasileira considerando os  atributos da inovação, construção e promoção de marcas, flexibilidade, produção com padrão de alta qualidade. Nesse contexto, realizam-se  análises do atributo inovação  a partir de prospecção em  bases patentarias mundiais, posicionamento das marcas brasileiras e iniciativas de aumento da produção de insumos como a matéria prima e equipamentos com vistas a identificar a posição competitiva da indústria têxtil brasileira, determinar  os principais players em equipamentos, exportações e em desenvolvimento tecnológico do setor têxtil. Dessa forma, estabelece-se quais vantagens competitivas da indústria brasileira que devem ser desenvolvidas com base neste cenário.


Palavras-chave


Competitividade; Indústria têxtil; Inovação tecnológica.

Texto completo:

PDF

Referências


Amparo, K. K., Ribeiro, M. D., & Guarieiro, L. L. (2012). Estudo de caso utilizando mapeamento de prospecção tecnológica como principal ferramenta de busca científica. Perspectivas Em Ciência Da Informação, 17(4), 195-209. https://doi.org/10.1590/s1413-99362012000400012

Carlota, M. C. (2018). A Indústria 4.0 aplicada aos Setores da Moda (Dissertação de Doutorado).

Cassiolato, J. E., & Lastres, H. M. (2000). Sistemas de inovação: Políticas e perspectivas. Parcerias Estratégicas.

Coelho, G. M., Santos, D. M. D., Santos, M. D. M., & Fellows Filho, L. (2010). Caminhos para o desenvolvimento em prospecção tecnológica: Technology Roadmapping–um olhar sobre formatos e processos. Parcerias Estratégicas, 10(21), 199-234.

Cohen, S. S., & Zysman, J. (1987). Manufacturing matters. New York: Basic Books.

Costa, A. C. R. D., & Rocha, É. R. P. D. (2009). Panorama da cadeia produtiva têxtil e de confecções e a questão da inovação.

Coutinho, L., & Ferraz, J. C. (1994). Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas, SP: Papirus.

Donnelly et.al. (1992). Fundamentals of management. Homewood: Irwin, 840 p.

Dibrella, C., Craigb, J., B., Neubaumc, D., O., (2014). Linking the formal strategic planning process, planning flexibility, and innovativeness to firm performance. Volume 67, Issue 9, Pages 2000–2007. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2013.10.011

Dytrt, Z., Striteska, M., (2009). Efektivni inovace: odpovednost v managementu. Vyd. 1. Brno: Computer Press, 150 s. ISBN 978-80-251-2771-1.

FIEG. Relatório sobre o posicionamento da Industria Brasileira 2018. Goiana.

IEMI. Instituto de Estudos e Marketing Industrial Ltda. Brasil têxtil: relatório setorial da indústria têxtil brasileira 2017. São Paulo, IEMI, v.17, nr. 17, ago. 2018.

Geldes, C., Felzensztein, C.,Palacios-Fenech, P. (2017) Technological and non-technological innovations, performance and propensity to innovate across industries: The case of an emerging economy. Industrial Marketing Management, V. 61, February , Pages 55-66. https://doi.org/10.1016/j.indmarman.2016.10.010

Haguenauer, L. (1989). Competitividade: conceitos e medidas: uma resenha da bibliografia recente com ênfase no caso brasileiro. Texto para discussão, 211.

Hakes, Ch. (2007). The EFQM Excellence Model. UK Zaltbommel, Van Haren Publishing, pp.1-15.

Kislingerova, E., (2008). Inovace nastroju ekonomiky a managementu organizaci. Vyd. 1. Praha: C. H. Beck, xxi, 293 s. ISBN 978-80-7179-882- 8.

Koubek, J., 2011. Personalni prace v malych a strednich firmach: 4. evropske vydani. 4., aktualiz. a dopl. vyd. Praha: Grada, 281 s. Management (Grada). ISBN 978-80-247-3823-9.

Kožená, M. & Chládek, T. (2012). Company competitive new mensurement depending on its size and find of activitis. Procedia - Social and Behavioral Sciences 58 (2012) 1085 – 1090

Kupfer, D. (1992). Padrões de concorrência e competitividade. Encontro Nacional da ANPEC, 20, 355-372.

Kupfer, D., & Hasenclever, L. (2013). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Elsevier.

Kurian, George Thomas. (2013) The AMA dictionary of business and management. ISBN 13: 987-0-8144-2028-7. American Management Association.

Lau, A. K.W., (2015). Regional innovation system, absorptive capacity and innovation performance: An empirical study. In: Technological Forecasting and Social Change, Volume 92, Pages 99–114. https://doi.org/10.1016/j.techfore.2014.11.005

Lens.Org. https://www.lens.org/lens/search/patent/structured

Milnitz, D., Mendes Luna, M. M., & Coelho, A. S. (2016). Cálculo e análise da capacidade produtiva utilizando o processo de Markov: estudo de caso de uma empresa têxtil. Exacta, 14(1).

O Poder da Moda [PDF]. (n.d.). São Paulo: ABIT. Recuperado em 30 de junho de 2020, em https://www.abit.org.br/adm/Arquivo/Publicacao/120429.pdf

Palomino, E. (2002). A moda. Publifolha.

Perfil do Setor. (2019). Recuperado em 30 de junho de 2020, em https://www.abit.org.br/cont/perfil-do-setor

Porter, M. (2004). Estratégia competitiva. Elsevier Brasil.

Porter, M. E. (2004). Vantagem competitiva: Criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro, RJ: Ed. Campus.

Possas, M. L. (1995). A cheia do “mainstream”: comentário sobre os rumos da ciência econômica. Revista de Economia Contemporânea, 1(1).

Possas, S. (1999). Concorrência e competitividade: Notas sobre estratégia e dinâmica seletiva na economia capitalista. São Paulo, SP: Ed. HUCITEC.

Prado, M. V. (2018). Relatório Setorial da Indústria Têxtil Brasileira. IEMI, 18(18), 192.

Raska, Z., (2007). Inovace ve financnim rizeni: 4. evropske vydani. 1. vyd. Praha: Alfa Publishing, 211 s. ISBN 978-80-86851-65-5.

Subramain, N., Gunasekaran, A., Yu, J., Cheng, J., Ning, K., (2014). Customer satisfaction and competitiveness in the Chinese E-retailing: Structural equation modeling (SEM) approach to identify the role of quality factors, In: Expert Systems with Applications, Volume 41, Issue 1, Pages 69–80. https://doi.org/10.1016/j.eswa.2013.07.012

The Lens https://www.lens.org/lens/

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. Porto Alegre, RS: Bookman.

Veber, J., (2007). Rizeni jakosti a ochrana spotrebitele. Praha: Grada. ISBN 978-80-247-1782-1.

Watson, G., Gallagher, K. and Armstrong, M. (2005), Managing for Results. London, Chartered Institute of Personnel and Development, pp. 257- 259.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2021.17784

Direitos autorais 2021 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional