Modelo de processo de inovação aberta no formato de uma indicação geográfica: o caso do aglomerado da pequena indústria de leite no semiárido de Pernambuco

Suely de Carvalho Roma, André Marques Cavalcanti, Auristela Maria da Silva

Resumo


A economia da região semiárida do nordeste brasileiro historicamente sempre esteve ligada ao leite bovino. Este estudo tem por objetivo analisar se no modelo de gestão adotada no aglomerado da pequena indústria do leite há processo de inovação. Para atingir esse objetivo, foi realizada uma pesquisa de campo a partir de entrevista estruturada com base nos requisitos do modelo teórico de inovação aberta. Dentre os achados deste estudo, os pesquisados mostram-se limitados e passivos às técnicas que já existem e dominam, como também aos conceitos e ações que viabilizem a adoção de um perfil inovador. Propor um modelo de processo de inovação aberta como fator estratégico de desenvolvimento deste setor é uma possibilidade que está alinhada com a condição das empresas investigadas.


Palavras-chave


Leite bovino; Modelo de Gestão; Inovação aberta.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco. Missão. Recife, (2019). Disponível em: https://www.adagro.pe.gov.br/. Recuperado em: 19 nov. 2018.

Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação. (2017). Disponível em: https://www.abia.org.br/vsn/temp/z201843relatorioABIA2017.pdf. Recuperado: 30 jan. 2019.

Berkhout, A. J., Hartmann, D., Van Der Duin, P., & Ortt, R. (2006). Innovating the innovation process. International journal of technology management, 34(3-4), 390-404.

Bezerra, J. D. C., & do Nascimento Júnior, J. R. S. (2015). A Indicação Geográfica (IG) sob o ponto de vista Geográfico para o Queijo de Coalho do Agreste de Pernambuco. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tstes, 70(6), 326-337.

Cerdan, C., Bruch, L., & Lima da Silva, A. (2010). Curso de propriedade intelectual e inovação no agronegócio: modulo II. Indicação geografica.

Chesbrough, H., Vanhaverbeke, W., & West, J. (2017). Novas fronteiras em inovação aberta. Editora Blucher.

Chesbrough, H. W. (2003). Open innovation: The new imperative for creating and profiting from technology. Harvard Business Press.

Chimento, M. R., & de Moraes Valente, L. R. R. (2016). Indicação geográfica na mídia: o desafio da simplificação do tema para a opinião pública. Comunicação & Sociedade, 38(3), 113-136.

Clark, K. B., & Wheelwright, S. C. (1992). Structuring the development funnel. Revolutionizing Product Development: Quantum Leaps in Speed, Efficiency, and Quality, Cap, 5, 111-132.

Cooper Robert, G. (1993). Winning at New Products. Accelerating the Process from Idea to Launch.

Cooper, R. G. (1994). Perspective-3rd-Generation New Product Processes. Journal of product innovation management, 11(1), 3-14.

Cooper, R. G. (2008). Perspective: The Stage-Gate (R) idea-tolaunch process-update, what’s new, and NexGen systems. Journal of Product Innovation Management, v. 25, n. 3, p. 213-232. https://doi.org/10.1111/j.1540-5885.2008.00296.x

de Sá, A. S. C., Novais, S. M., da Silva Nogueira, P., & da Silva, E. S. B. (2019). Legislação e Programas ao Desenvolvimento às Indicações Geográficas no Brasil. Cadernos de Prospecção, 12(3), 706.

Decreto n. 1.355 de 30 de dezembro de 1994. (1994). Promulgo a Ata Final que Incorpora os Resultados da Rodada Uruguai de Negociações Comerciais Multilaterais do GATT. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto/Antigos/D1355.htm Recuperado em: 05 de jan. de 2019.

Demo, P. (2015). Metodologia do Conhecimento Científico. 1. ed. São Paulo: Editora Atlas.

Fávero, K. C. Indicações geográficas como instrumento de proteção dos conhecimentos tradicionais.

Gil, Antônio. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 176 p.

Hill, M. M.; Hill, A. (2009). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Sílabo, Lda, 2ª Edição.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2006). Censo agropecuário 2006. Rio de Janeiro.

Instituto Nacional de Propriedade Industrial. (2018). Indicações de Procedência e Denominações de Origem reconhecidas. Disponível em: https://www.gov.br/inpi/pt-br/servicos/indicacoes-geograficas. Recuperado em: fev.2018.

Lei n. 9.279 de 14 de maio de 1996. (1996). Regula direitos e obrigações relativos a propriedade industrial, e dá outras providências. Diário Oficial da União.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2019). Indicação geográfica e marcas: valorizando origem, qualidade e tradição. Brasília: MAPA.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico /Eurostat. (2018). Oslo Manual 2018: Guidelines for Collecting, Reporting and Using Data on Innovation, 4th Edition, The Measurement of Scientific, Technological and Innovation Activities, OECD Publishing, Paris/Eurostat, Luxembourg. https://doi.org/10.1787/9789264304604-en

Paquereau, B., Machado, G., & Carvalho, S. (2016). A produção do leite e do queijo se torna cultura. Paquereau, B., Machado, G., & Carvalho, S O queijo de coalho em Pernambuco: histórias e memórias. Garanhuns: E. dos Autores, 20-27.

Ramos, J. E. S., da Costa Borba, M., de Carvalho, D. M., & Xavier, L. (2018). F. Eficiência técnica e desempenho econômico de produtores de leite no Agreste Pernambucano Technical efficiency and economic performance of dairy farmers' in the Agreste region of Pernambuco.

Rothwell, Roy. (1994). Towards the Fifth-Generation Innovation Process. International Marketing Review. Sussex, MCB University Press. v. 11, n. 1, p. 7-31.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2013). Cenários para o leite e derivados na Região Nordeste em 2020. Recuperado em: 12 fevereiro de 2020. https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/estudo-Cenarios-para-leite-e%20derivados-NE.pdf

West, J., & Bogers, M. (2017). Open innovation: current status and research opportunities. Innovation, 19(1), 43-50.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2014). Indicações geográficas. Brasília: SEBRAE. Recuperado em: 30 janeiro de 2019. https://bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/efd536dd061f2a77843198d35a69265d/$File/5186.pdf




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2021.16613

Direitos autorais 2021 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2021 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional