A evolução dos núcleos de inovação tecnológica no Brasil no período de 2006 a 2016

Jecicleide Luckwu Marques, André Marques Cavalcanti, Auristela Maria da Silva

Resumo


A Inovação, por meio da disseminação do conhecimento e da transferência de tecnologia, destaca-se como elemento importante para o desenvolvimento de uma nação e de sua economia. A universidade tem um importante papel na formação de recursos humanos altamente qualificados para o trabalho com desenvolvimento tecnológico e inovação, cooperando para a formação de profissionais e para a melhoria da competitividade empresarial no desenvolvimento econômico da nação. A presente pesquisa discorre sobre a importância da relação Universidade-Empresa para a transferência de tecnologias, propondo analisar a evolução e atuação dos Núcleos de Inovação Tecnológica no período de 2006 a 2016 no Brasil, institucionalizados nas Universidades Federais e a sua importância para a transferência tecnológica no Brasil. Na pesquisa constatou-se o avanço no número de núcleos implantados, em sua capacidade de difusão e proteção da Propriedade Intelectual, mas pouca capacidade de interação Universidade-Empresa refletindo na baixa transferência das tecnologia para a sociedade.


Palavras-chave


Inovação; Transferência de Tecnologia; Universidade

Texto completo:

PDF

Referências


Association of University of Technology Managers. (2016). Driving the Innovation Economy academic technology transfer in numbers. Recuperado em 02 de julho, 2018, de https://autm.net/AUTM/media/SurveyReportsPDF/Survey%20Reports%20Images/AUTM_2017_Infographic_1.pdf

Arenas, J. J., & González, D. (2018). Technology Transfer Models and Elements in the University-Industry Collaboration. Administrative Science (adm.sci). Recuperado em 04, novembro, 2018, de www.mdpi.comjournaladmsci

Assembleia Geral da ONU. (1948). “Declaração Universal dos Direitos Humanos” (217 [III] A). Paris. Recuperado em 06 maio, 2018, de http://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf

César, J. (2009). Avaliação do Potencial de Potencial de Mercado de Tecnologias Nascentes: A experiência do Programa de Investigação Tecnológica da Unicamp. In: A Gestão Estratégica de Núcleos de Inovação Tecnológica: Cenários, Desafios e Perspectivas. Toledo, P.T.M.(Org.) Campinas: Agencia de Inovação da UNICAMP.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Recuperado em 06 maio, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm

Lei n. 10.973, de 02 de dezembro de 2004. (2004). Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Recuperado em 17 dezembro, 2011, de

Lei n. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. (2016). Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação. Recuperado em 04 de abril, 2018, em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13243.htm

Casali, G. F. R, Silva, O. M., & Carvalho, F. M. A. (2010). Sistema regional de inovação: estudo das regiões brasileiras, Revista Economia Contemporânea [versão eletrônica],Vol.14, n.3, pp.515-550. ISSN 1415-9848. Recuperado em 10 maio, 2018, de http://dx.doi.org/10.1590/S1415-98482010000300004

Dias, A. A., & Porto, G.S. (2014). Como a USP transfere tecnologia?, Organizações & Sociedades, Vol. 21, n. 70, Salvador, July/Sept. 2014. Recuperado em 24 abril, 2018, de www.scielo.brscielo.php?script=sci_arttext&pid

Dubickis, M., & Gaile-Sarkane, E. (2015). Perspectives on Innovation and Technology Transfer. Anais do 20th International Scientific Conference Economics and Management - (ICEM-2015). Procedia - Social and Behavioral Sciences,*pp. 965 – 970. Available online at www.sciencedirect.com

Gil, Antônio Carlos. (1991). Como elaborar projeto de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Haase, H, Araújo, E.C, & Dias, J. (2005). Inovações Visas Pelas Patentes: Exigências Frente às Novas Funções das Univrsidades. Revista Brasileira de Inovação. v.4, n.2, pp.329-362.

Instituto Nacional de Propriedade Industrial .(2017). Indicadores de Propriedade Industrial 2017. (Rio de Janeiro p78). Recuperado em 07 de maio, 2017, de http://www.inpi.gov.br/sobre/estatisticas/arquivos/pagina-inicial/indicadores-de-propriedade-industrial-2017_versao_portal.pdf

Kim, L., & Nelson, R. R.(Org.). (2005). Tecnologia, Aprendizado e Inovação: As experiências das Economias de Industrialização Recente. Tradutor: Carlos D. Szlak – Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Lotufo, R. A. (2009). A institucionalização de Núcleos de Inovação Tecnológica e a experiência da Inova Unicamp. )In: Santos, M. E. R. dos, Toledo, P. T. M. de, & Lotufo, R. de A. (orgs.). Transferência de Tecnologia: estratégias para estruturação e gestão de Núcleos de Inovação tecnológica. Campinas – SP: Komedi).

Lundvall, Bengt-Ake, & Johnson, Björn. (2005). Promovendo sistemas de inovação como resposta à economia do aprendizado crescentemente globalizada. In: Lastes, H. M. M., Cassiolato, J. E., & Arroio, A. (Org). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro, Editora UFRJ/ Contraponto.

Miranda, J.I.R., Sidulovicz, N., & Machado, D.M. (2016). O desafio da Inovação Tecnológica Dentro da Universidade. (Revista de Desenvolvimento Econômico – RDE – agosto de 2016, Ano XVIII – V2, N.34, Salvador, BA – pp. 389 - 406).

Pires, E.A, & Quintella, C.M.A.T. Política de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia nas Universidades: Uma perspectiva do NIT da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. (2015). Revista Holos, 2015, ano 31, V. 6 pp. 178 – 195.

Richardson, Roberto Jarry. (1989). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Santos, M.E.R. (2009). Boas Práticas de Gestão em Núcleos de Inovação Tecnológica. In: A Gestão Estratégica de Núcleos de Inovação Tecnológica: Cenários, Desafios e Perspectivas. Toledo, P.T.M.(Org.) Campinas: Agencia de Inovação da UNICAMP.

Santos, E. C. D. C. (2011). Índice estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação como contribuição à melhoria da capacidade de gerência pública. Nova Economia, 21(3), pp. 399-421.

Santos, M. E. R. D., Solleiro, J. L., & Lahorgue, M. A. (2004). Boas práticas de gestão em escritórios de transferência de tecnologia. Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 23, pp. 785-800.

Sherwood, R.M. (1992). Propriedade Intelectual e Desenvolvimento Econômico. São Paulo: EDUSP.

Toledo, P.T.M. (2009). A Gestão Estratégica de Núcleos de Inovação Tecnológica: Cenários, Desafios e Perspectivas. (Agencia de Inovação da UNICAMP).

Torkomian, A.L.V. (2009). Panorama dos Núcleos de Inovação Tecnológica no Brasil. In: A Gestão Estratégica de Núcleos de Inovação Tecnológica: Cenários, Desafios e Perspectivas. Toledo, P.T.M.(Org. Campinas: Agencia de Inovação da UNICAMP.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.v19n1.11153

Direitos autorais 2021 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2021 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional