ANÁLISE DA CAPACIDADE COMPETITIVA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS BRASILEIRAS COM VISTA A EXPORTAÇÃO

Carla Patrícia Santos Ferreira, André Marques Cavalcanti, Auristela Maria da Silva

Resumo


Este estudo visa uma análise da capacidade competitiva voltada para a internacionalização de micro e pequenas empresas (MPE). Devido a sua importância na economia, as MPE são foco de políticas públicas para o aumento da competitividade. Esta pesquisa utilizará dados do programa de qualificação à exportação PEIEX e pesquisas de autores que tratam do aumento da competitividade das empresas através da exportação. A partir da amostra analisada, foi possível constatar que as empresas que pretendem exportar precisam implantar melhorias em seus produtos, além de avaliar o mercado alvo para exportação.


Palavras-chave


Pequenas e médias empresas; Internacionalização; Competitividade; Inovação.

Texto completo:

PDF

Referências


Ansoff, H. I., & Sanvicente, A. Z. (1977). Estratégia empresarial.

Barney, J. B., & Clark, D. N. (2007). Resource-based theory: Creating and sustaining competitive advantage. Oxford University Press on Demand.

Barney, J. B., Hesterly, W. S., & Rosemberg, M. (2007). Administração estratégica e vantagem competitiva. Pearson Educación.

Bell, J. (1995). The internationalization of small computer software firms. European journal of marketing.

Bilkey, W. J., & Tesar, G. (1977). The export behavior of smaller-sized Wisconsin manufacturing firms. Journal of international business studies, 8(1), 93-98.

Boehe, D. M., Larentis, F., De Toni, D., & Mattia, A. Á. (2011). Papel das relações interorganizacionais e da capacidade de inovação na propensão para exportar. REAd. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre), 17(1), 86-116.

Bonaccorsi, A. (1992). On the relationship between firm size and export intensity. Journal of international business studies, 23(4), 605-635.

Brouthers, K. D., & Nakos, G. (2004). SME entry mode choice and performance: A transaction cost perspective. Entrepreneurship theory and practice, 28(3), 229-247.

Calof, J. L. (1994). The relationship between firm size and export behavior revisited. Journal of International Business Studies, 25(2), 367-387.

Coutinho, C. P. (2014). Metodologia de investigação em ciências sociais e humanas. Leya.

Coviello, N. (2015). Re-thinking research on born globals. Journal of International Business Studies, 46(1), 17-26.

Coviello, N. E., & McAuley, A. (1999). Internationalisation and the smaller firm: a review of contemporary empirical research. MIR: management international review, 223-256.

Coviello, N., & Munro, H. (1997). Network relationships and the internationalisation process of small software firms. International business review, 6(4), 361-386.

Czinkota, M. R. (1986). International trade and business in the late 1980s: An integrated US perspective. Journal of International Business Studies, 17(1), 127-134.

Dal-Soto, F., Alves, J. N., & Bulé, A. E. (2014). Análise do Processo de Internacionalização do Modelo de Uppsala: caminhos para as empresas Brasileiras. Revista Estudo & Debate, 21(1).

De Oliveira, J., Terence, A. C. F., & Escrivão Filho, E. (2010). Planejamento estratégico e operacional na pequena empresa: impactos da formalização no desempenho e diferenças setoriais. Revista Gestão Organizacional, 3(1), 119-133.

Deluiz, N. (2004). A globalização econômica e os desafios à formação profissional. Boletim técnico do Senac, 30(3), 73-79.FLICK, Uwe. Triangulation in qualitative research. A companion to qualitative research, v. 3, p. 178-183, 2004.

Etemad, H. (2017). Towards an emerging evolutionary life-cycle theory of internationalized entrepreneurial firms: from born globals to borderless firms?. Journal of International Entrepreneurship, 15(2), 111-120.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (Vol. 4, p. 175). São Paulo: Atlas.

Günther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão?. Psicologia: teoria e pesquisa, 22(2), 201-209.

Haahti, A., Madupu, V., Yavas, U., & Babakus, E. (2005). Cooperative strategy, knowledge intensity and export performance of small and medium sized enterprises. Journal of world business, 40(2), 124-138.

Heinzmann, L. M., & Machado, D. D. P. N. (2014). Cultura Organizacional e estágios de internacionalização: um estudo em quatro empresas do segmento de metal-mecânico-elétrico brasileiro. BBR-Brazilian Business Review, 11(2), 35-66.

Hymer, S. (1983). The international operations of national firms: a study of direct investment: a dissertation from MIT (Doctoral dissertation, Massachusetts Institute of Technology).

Johanson, J., & Vahlne, J. E. (1977). The internationalization process of the firm—a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of international business studies, 8(1), 23-32.

Kraus, P. G. (2000). Modelo de internacionalização de empresas produtoras exportadoras brasileiras.

Knight, G. A., & Cavusgil, S. T. (2004). Innovation, organizational capabilities, and the born-global firm. Journal of international business studies, 35(2), 124-141.

Knight, G. A., & Liesch, P. W. (2016). Internationalization: From incremental to born global. Journal of World Business, 51(1), 93-102.

Kotler, P. (2000). Administração de marketing: a edição do novo milênio.

Kraus, P. G. (2006). O Processo de Internacionalização das Empresas: o caso brasileiro. Revista de Negócios, Blumenau, 11(2), 25-47.

Leone, R. J. G., & Guerra, N. M. D. C. P. (2011). Pequenas e Médias Empresas: contribuições para a discussão sobre por que e como medir o seu tamanho. RAUnP-ISSN 1984-4204-Digital Object Identifier (DOI): http://dx. doi. org/10.21714/raunp., 4(1), 67-83.

Levitt, T. (1993). The globalization of markets. Readings in international business: a decision approach, 249.

Organização para cooperação econômica e desenvolvimento - OCDE. (2005). Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação [manual]. 2a versão.

Oviatt, B. M., & McDougall, P. P. (1994). Toward a theory of international new ventures. Journal of international business studies, 25(1), 45-64.

Peiris, I. K., Akoorie, M. E., & Sinha, P. (2012). International entrepreneurship: A critical analysis of studies in the past two decades and future directions for research. Journal of International Entrepreneurship, 10(4), 279-324.

Porter, M. (2004). Estrategia competitiva. Elsevier Brasil.

Rennie, M. W. (1993). Born global. The McKinsey Quarterly, (4), 45-53.

Ruzzier, M., Antončič, B., & Konečnik, M. (2006). The resource-based approach to the internationalisation of SMEs: Differences in resource bundles between internationalised and non-internationalised companies. Zagreb International Review of Economics & Business, 9(2), 95-116.

Sarfati, G. (2013). Estágios de desenvolvimento econômico e políticas públicas de empreendedorismo e de micro, pequenas e médias empresas (MPMESSs) em perspectiva comparada: os casos do Brasil, do Canadá, do Chile, da Irlanda e da Itália (Vol. 47-1), Revista de Administração Pública — Rio de Janeiro, pp. 25-48.

Schumpeter, J. (1988). A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). (2014) A Evolução das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte 2009 a 2012 Brasil. Série Estudos e Pesquisas.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). (2014 a) Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. Julho.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). (2015). Micro e pequenas empresas geram 27% do PIB do Brasil.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). (2015a). Participação das micro e pequenas empresas na economia brasileira. Brasília: Sebrae, 2015a.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE). (2017). As micro e pequenas empresas na exportação brasileira. Brasil: 2009-2016, Recuperado em: 25 julho de 2020. < http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/54159d7ce6a88bfbbf9d32a0a9d58f3b/$File/7796.pdf >.

Simoes, V. C., Rocha, A. D., Mello, R. D., & Carneiro, J. (2015). Black Swans or an Emerging Type of Firm? The Case of Borderless Firms. The Future of Global Organizing (Progress in International Business Research, 10, 179-200.

Skoludova, J., & Kozena, M. (2015). Identification of the Tools and Methods of Selected Factors of Organization‘s Competitiveness in the Czech Republic. Procedia Economics and Finance, 26, 609-615.

Sousa, C. M., & Novello, S. (2014). The influence of distributor support and price adaptation on the export performance of small and medium-sized enterprises. International Small Business Journal, 32(4), 359-385.

Tidd, J., & Bessant, J. (2015). Gestão da inovação-5. Bookman Editora.

Toyne, B., & Nigh, D. (1997). Foundations of an emerging paradigm. Toyne, Brian/Nigh, Douglas, 3-26.

Vahlne, J. E., & Johanson, J. (2017). From internationalization to evolution: The Uppsala model at 40 years. Journal of International Business Studies, 48(9), 1087-1102.

Vasconcelos, F. C., & Cyrino, Á. B. (2000). Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de empresas, 40(4), 20-37.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2021.17813

Direitos autorais 2021 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional