Os fãs da seleção brasileira de Rugby e as suas conexões com a seleção e com a modalidade

Ivan Furegato Moraes, Luis Henrique Torquato Vanucci, Ary José Rocco Junior

Resumo


Objetivo: Identificar e classificar como os fãs da seleção brasileira de rugby se conectam com a seleção e com a modalidade.

Metodologia: A pesquisa se caracteriza como aplicada, descritiva, quantitativa e realizada através do método Survey. O questionário foi aplicado antes do jogo da seleção brasileira de rugby com a amostra definida por conveniência e de forma não probabilística. Os dados obtidos foram analisados com base na Estatística Descritiva e na Análise Fatorial Exploratória.

Originalidade/relevância: A pesquisa evidencia, de forma inédita, o comportamento do consumidor/torcedor da seleção brasileira de rugby, identificando os fatores que o conectam com a equipe e com a modalidade, gerando sugestões para o desenvolvimento do rugby no país.

Principais resultados: Entre os 117 respondentes 54% eram homens com uma idade média de 31,90 anos. 62% eram solteiros, 31% pós-graduados e 64% não residiam na cidade de São Paulo. Os oito fatores gerados explicaram 67,32% da variância identificada, sendo, em parte, diferentes dos conectores indicados na teoria utilizada. O torcedor respondente possuía um significativo engajamento com a modalidade e com a seleção, sendo influenciado pela figura do ídolo e pela família, mas com um limitado consumo de produtos e presença nos jogos.

Contribuições teóricas/metodológicas: O estudo inicia as pesquisas sobre o comportamento do consumidor de rugby no Brasil e inova ao aplicar a teoria base utilizada ao contento brasileiro e no rugby, revelando pontos a serem adaptados e abordados em estudos futuros.


Palavras-chave


Comportamento do consumidor; Rugby; Consumidor esportivo; Confederação Brasileira de Rugby

Texto completo:

PDF

Referências


Agência IBGE. (2018a). PNAD Contínua 2016: 51% da população com 25 anos ou mais do Brasil possuíam apenas o ensino fundamental completo. Recuperado em 20 set., 2019 de https://bit.ly/2wrxKN3

Agência IBGE. (201b). IBGE divulga o rendimento domiciliar per capita 2017. Recuperado em 20 set., 2019 de https://bit.ly/2XcWKnM

Alonso, A. D.; O'Shea, M. (2014). Imaging the Game Day Experience: A Case Study of the Na-tional Rugby League (NRL). International Journal of Sport Management Recreation & Tour-ism, Vol.13, p.38-62.

Aranha, F., Zambaldi, F. (2008). Análise Fatorial em Administração. São Paulo: Cenage Leaning.

Brasil Rugby. (2016). Reunião Estratégica Aberta. Recuperado em 20 set., 2019 de https://cdn.shopify.com/s/files/1/1219/8728/files/Plano_Estrategico_de_Acao_CBRu.pdf?

Brasil Rugby. (2017). Annual Report. Recuperado em 20 set., 2019 de https://cdn.shopify.com/s/files/1/2151/7049/files/Brasil_Rugby_Annual_Report_2017_vFINAL.pdf?8237354218336524681

Costello, A. B., Osborne, J. W. (2005). Best practices in Exploratory Factor Analysis: four rec-ommendations for getting the most from your analysis. Pract Assess Res Eval., 10(7), 1-9.

Dantas, C. R., Perrenoud, L., Marinho, B. L., & Vanucci, L. H. T. (2017). A relação torcedor-seleção brasileira de rugby e suas consequências. Poster apresentado no 8º Congresso Brasilei-ro de Gestão do Esporte 2017, Curitiba.

Davis, Robert; McGinnis, L. Phillip. (2016). Conceptualizing excessive fan consumption behavior. Journal of Retailing and Consumer Services, 28, 252-262.

Dhurup, M. (2010). Motivational variables that influence fan attendance in domestic rugby matches: sport management and marketing. African Journal for Physical Health Education, Recreation and dance, 16(2), 204-220.

Farias, A. M. L., & Laurencel, L. C. (2006). Estatística descritiva. (Apostila), Universidade Fede-ral Fluminense, Rio de Janeiro.

Favero, P. (2018). Rúgbi desafia crise, aumenta receita e vê esporte crescer no Brasil. O Estado de S. Paulo. Recuperado em 20 set., 2019 de https://goo.gl/D1u5af

Freitas, H., Oliveira, M., Saccol, A., & Moscarola, J. (2000). O método de pesquisa Survey. Re-vista de Administração, 35(3), 105-112.

Funk, D. C.; James, J. (2001). The Psychological Continuum Model: A Conceptual Framework for Understanding an Individual’s Psychological Connection to Sport. Sport Management Review, 4(2), 119–150.

Garland, R.; Macpherson, T.; Haughey, K. (2004). Rugby Fan Attraction Factors. Marketing Bulle-tin, 15, 1-12.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (Vol. 4. ed.). São Paulo: Atlas.

Gladden, J., & Funk, D. (2002). Developing an understanding of brand associations in team sport: Empirical evidence from consumers of professional sport. Journal of Sport Management, 16(1), 54-81.

Hair, J., Black, W., Babin, B., & Anderson, R. (2014). Multivariate Data Analysis (Vol. 7). Essex: Pearson.

Hora, H. R. M., Monteiro, G. T. R., Arica, J. (2010). Confiabilidade em questionários para quali-dade: um estudo com o Coeficiente Alfa de Cronbach. Produto & Produção, 11(2), 85-109.

Lopes, E. L.; Silva, D. (2011). Modelos integrativos do comportamento do consumidor: uma revi-são teórica. REMark - Revista Brasileira de Marketing, 10(3), 3-23.

Marques, J. C; Cafeo, M. R. G. (2014). Mulheres fazem isso? Análise das estratégias de gestão do Rúgbi feminino no Brasil. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, 3(2), 26-40.

Rein, I., Kotler, P., Shields, B. (2008). Marketing Esportivo: a reinvenção do esporte na busca de torcedores. Porto Alegre: Bookman.

Rocco Junior, A. J. (2019). Evolução do Consumidor do Esporte: da distinção social à imersão digital. (Tese de Livre-Docência), Escola de Educação Física e Esporte, São Paulo.

Ross, S. D., James, J. D., Vargas, P. (2006). Development of a Scale to Measure Team Brand As-sociations in Professional Sport. Journal of Sport Management, 20(2), 260-279.

Senechal, A. (2018). Público recorde, jogo inédito e Haka: o dia de glória do rúgbi brasileiro. Ve-ja. Recuperado em 20 set., 2019 de https://veja.abril.com.br/esporte/publico-recorde-jogo-inedito-e-haka-o-dia-de-gloria-do-rugby-brasileiro

Silva, M. M., Mezzadri, F. M., Souza, D. L., Souza, P. M. (2015). O financiamento público do rugby brasileiro: a relação governo federal e Confederação Brasileira de Rugby. Journal of Physical Education, 26(2), 213-222.

Stewart, B., Smith, A. C. T., Nicholson, M. (2003). Sport Consumer Typologies: a critical review. Sport Marketing Quaterly, 12(4), 206-216.

Tomlinson, M., Buttle, F., Moores, B. (1995). The fan as customer: customer service in sports marketing. Journal of Hospitality and Leisure Marketing, 3(1), 19-33.

Trail, G. T., James, J. D. (2001). The motivation scale for sport consumption: assessment of Scale’s Psychometric Properties. Journal of Sport Behavior, 24(1), 108-127.

Veal, A. J., & Darcy, S. (2014). Research methods in sport studies and sport management: a prac-tical guide. Oxon: Routledge.




DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v9i2.15253

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

e-ISSN: 2316-932X
www.podiumreview.org.br

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review ©2020 Todos os direitos reservados.